Conjuntivite alérgica: sintomas, causas e tratamento

22 Outubro, 2020
A conjuntivite alérgica é um problema que afeta aproximadamente 25% das pessoas. É uma reação inflamatória excessiva contra a exposição a agentes como pólen, ácaros, fumaça e elementos similares.

A conjuntivite alérgica é uma inflamação crônica da conjuntiva, causada por alergia a substâncias do ambiente. É muito comum estar acompanhada de rinite ou inflamação do revestimento do nariz. Nesse caso, é chamada de rinoconjuntivite alérgica.

A conjuntiva é a membrana que cobre as pálpebras e a parte branca do olho. Nesta área, há um grande número de células do sistema imunológico. Diante de estímulos ambientais (como pólen, fumaça, ácaros, etc.), essas células liberam substâncias químicas. Isso faz com que a conjuntiva fique inflamada, brevemente ou por um longo tempo.

Acredita-se que cerca de 25% das pessoas tenham algum grau de conjuntivite alérgica. Às vezes, a doença ocorre por si só, e em outros casos é acompanhada por outros males. Uma delas é a rinite, como observado acima, mas também pode ser bronquite asmática ou eczema.

Tipos de conjuntivite alérgica

Conjuntivite
Existem vários tipos de conjuntivite alérgica. No entanto, a forma mais comum é a causada pelo pólen.

Existem vários tipos de conjuntivite alérgica, dependendo do agente que a causa e do curso da doença. A forma mais típica é a causada pelo pólen. Normalmente aparece na primavera ou no verão e desaparece durante as outras estações. Chama-se conjuntivite alérgica sazonal ou rinoconjuntivite alérgica sazonal.

Existe um tipo de conjuntivite sazonal que apresenta os mesmos sintomas da conjuntivite alérgica sazonal. No entanto, a realização de exames detalhados não detecta nenhuma alergia. A causa desse problema é desconhecida e é chamada de conjuntivite vernal.

Enquanto isso, a conjuntivite perene está presente ao longo do ano. Nesse caso, os alérgenos geralmente são poeira, fumaça, ácaros, pelos de animais e penas. Existe outra forma mais complexa de conjuntivite, chamada ceratoconjuntivite.

A ceratite ocorre quando a córnea fica inflamada. A conjuntivite alérgica normalmente não gera esse efeito, exceto no caso da ceratoconjuntivite da primavera, uma modalidade rara. Há também a ceratoconjuntivite atópica, que é uma complicação da dermatite atópica.

Descubra também: 8 conselhos para combater a alergia ao pólen

Sintomas

Geralmente, a conjuntivite alérgica afeta os dois olhos. Os sintomas característicos da doença são os seguintes:

  • Coceira nos olhos.
  • Olhos avermelhados.
  • Lacrimejamento.
  • Edema palpebral, inflamação da pálpebra devido ao acúmulo de líquido.
  • Descarga ocular. Pode ser aguada ou com uma textura mucosa.
  • Intolerância à luz.
  • Sensação de corpo estranho nos olhos.

Para fazer o diagnóstico, os sintomas do paciente são levados em consideração e é feita uma revisão oftalmológica. Isso consiste em um exame de vista.

Testes complementares, como esfregaço conjuntival, ‘prick test’, teste de provocação conjuntival, etc., são necessários para descobrir o agente causador .

Causas da conjuntivite alérgica

A conjuntivite alérgica é uma reação exagerada do sistema imunológico contra um fator no ambiente. Quando os olhos são expostos ao estímulo que causa a alergia, o sistema imunológico o capta e desencadeia uma série de reações, que juntas formam uma resposta inflamatória.

Algumas células, como eosinófilos, mastócitos e outras, são ativadas. Ao fazer isso, elas liberam substâncias como histamina e IgE. Elas geram os sintomas típicos da conjuntivite, como coceira, vermelhidão, inflamação, etc.

Existem agentes adicionais, como vírus, nervosismo, alimentos apimentados, luz e outros, que levam à exacerbação dos sintomas. Esses elementos são inofensivos se a conjuntiva não estiver previamente inflamada.

Leia também: O que é a ceratite herpética? Descubra aqui

Tratamento

Mulher pingando colírio
Frequentemente, a conjuntivite alérgica melhora com cuidados básicos, como a redução da exposição ao fator causador da alergia. No entanto, às vezes é necessário o uso de medicamentos e colírios.

Quando a pessoa já tem conjuntivite alérgica, o importante é tomar as medidas necessárias para reduzir a exposição ao fator desencadeador de alergias e seguir alguns cuidados básicos para aliviar os sintomas. É aconselhável limpar os olhos com solução salina ou sabonete com pH neutro.

Também é recomendável não esfregar os olhos e aplicar compressas frias para reduzir a coceira. O médico pode indicar o uso de certos medicamentos, como anti-histamínicos, anti-inflamatórios não esteroides, corticosteroides tópicos ou colírios.

Todas essas medidas ajudam a lidar com os sintomas. No entanto, o melhor tratamento para a conjuntivite alérgica é a prevenção. A primeira coisa a fazer é identificar o agente alergênico através dos exames médicos correspondentes.

De qualquer forma, é melhor manter a casa limpa, usar roupas de cama sintéticas e evitar animais de estimação, tapetes e bichos de pelúcia. Durante as crises, não é recomendável usar lentes de contato.

  • Ortega, B. Z., Vargas, M. Á. R., Tsuchiya, F. M. I., del Río Navarro, B. E., & Monge, J. J. L. S. (2007). Conjuntivitis alérgica en la infancia. Revista Alergia México, 54(2), 41-53.
  • Azari AA, Barney NP. Conjunctivitis: a systematic review of diagnosis and treatment [published correction appears in JAMA. 2014 Jan 1;311(1):95. Dosage error in article text]. JAMA. 2013;310(16):1721–1729. doi:10.1001/jama.2013.280318
  • Azari, A. A., & Barney, N. P. (2013). Conjunctivitis: A systematic review of diagnosis and treatment. JAMA – Journal of the American Medical Association. https://doi.org/10.1001/jama.2013.280318
  • Bielory, L., & Friedlaender, M. H. (2008, February). Allergic Conjunctivitis. Immunology and Allergy Clinics of North America. https://doi.org/10.1016/j.iac.2007.12.005
  • La Rosa, M., Lionetti, E., Reibaldi, M., Russo, A., Longo, A., Leonardi, S., … Reibaldi, A. (2013). Allergic conjunctivitis: A comprehensive review of the literature. Italian Journal of Pediatrics. https://doi.org/10.1186/1824-7288-39-18