Como tratar os filhos do meu parceiro?

Estabelecer um relacionamento com uma pessoa que tem filhos é desafiador, mas também pode ser uma experiência maravilhosa. Oferecemos algumas orientações para evitar obstáculos frequentes.
Como tratar os filhos do meu parceiro?

Última atualização: 03 Agosto, 2021

O conceito de família mudou e se diversificou ao longo dos anos. Entre os muitos novos modelos estão as famílias reconstituídas, ou seja, aquelas em que um ou ambos os adultos têm filhos de relacionamentos anteriores. Se você se encontra nessa situação, provavelmente uma das perguntas mais comuns é a seguinte: “Como devo tratar os filhos do meu parceiro?

Esta é, sem dúvida, uma situação exigente e desafiadora. No entanto, também pode ser uma experiência agradável e enriquecedora. Para resgatar e potencializar os aspectos mais positivos e evitar, na medida do possível, os problemas mais comuns, oferecemos algumas orientações básicas.

Como se relacionar com quem tem filhos?

Cada relação é diferente, mas quando há outras pessoas envolvidas na equação (no caso, os filhos), há uma série de desafios que devemos adicionar ao relacionamento.

Porém, com amor, respeito e comunicação de ambos os lados, é possível desfrutar de um vínculo maravilhoso. Para conseguir isso, tenha em mente os seguintes aspectos.

Aceite a situação

Se você também é pai ou mãe, terá mais consciência das implicações da vida familiar. No entanto, se seu parceiro tem filhos e você não, pode ser difícil imaginar como isso afetará o relacionamento. As crianças precisam de cuidado, atenção e presença.

O trabalho dos pais é contínuo. Talvez eles não possam sair até tarde. Seus planos incluirão atividades infantis e pode acontecer que, no meio da noite, uma das crianças acabe se mudando para a sua cama.

Aceitar que você não está apenas se juntando a uma pessoa, mas a uma família inteira, pode ser complicado, mas é essencial. Você não pode censurar o outro por esses aspectos ou pedir-lhe que ignore seus filhos a favor do relacionamento. Compreensão e apoio são essenciais.

Pais e filhos
A transferência das crianças para a cama dos pais é algo comum com o que você tem que aprender a lidar.

Estabeleça limites

Começar um relacionamento com uma pessoa que tem filhos pode colocá-lo em uma posição incerta e ambígua. Portanto, é importante que você converse com seu parceiro e estabeleça alguns pontos básicos.

Por exemplo, o que cada um espera do relacionamento, que papel você vai adotar na vida dos filhos e até onde vai sua responsabilidade para com eles. Esclarecer esses aspectos desde o início pode evitar mal-entendidos e conflitos no futuro.

Cuide do relacionamento do casal

Embora você não seja o pai ou a mãe das crianças, haverá muitos momentos de convivência. É possível que você e seu parceiro caiam na rotina absorvente de cuidar dos filhos e negligenciem o vínculo entre vocês.

Encontrar espaços e tempo para ficar sozinhos e assim, continuar construindo a intimidade emocional é muito necessário para que não caiam na insatisfação.

4 dicas para tratar os filhos do seu parceiro

É normal que, no início, você não saiba como tratar os filhos do seu parceiro, pois é uma situação que pode gerar preocupação em todos os envolvidos. Por isso, compartilhamos algumas dicas que podem ajudar você a ter uma experiência mais agradável.

1. Vá passo a passo

A adaptação a essa nova estrutura familiar pode ser difícil para todos. É por isso que é necessário que você vá pouco a pouco.

Certifique-se de que a aproximação aos filhos do seu parceiro ocorra progressivamente. Primeiro em lugares neutros e, depois, iniciando pequenos momentos de convívio antes de compartilhar plenamente o lar.

Da mesma forma, não espere que o relacionamento flua bem desde o início. Se isso acontecer, ótimo! Mas no início, é provável que o tratamento seja mais frio e distante. Isso é natural; seja paciente consigo mesmo e com eles.

2. Seja compreensivo

Com frequência, a primeira reação dos filhos ao novo parceiro de um dos pais é a rejeição. Não leve para o lado pessoal.

Procure compreender que é uma circunstância complicada para eles, que implica a perda do que conhecem e diante da qual podem sentir medo e desconfiança. Dê-lhes espaço e tente se mostrar disponível, mas não invasivo.

3. Construa um relacionamento

Crianças são pessoas e, como acontece com os adultos, a afinidade pode ser maior ou menor. No entanto, é positivo tentar encontrar pontos comuns que lhes permitam construir o seu próprio vínculo.

Talvez você compartilhe um interesse sobre o qual possam conversar ou um hobby de que ambos gostem. Passar um tempo juntos fazendo atividades ajudará a construir uma relação de confiança e proximidade.

Fazer atividades com os filhos do meu parceiro
Encontrar atividades para compartilhar e fazer juntos promove o vínculo entre adultos e crianças.

4. Ocupe o seu devido lugar

É importante ter em mente que você não é o pai ou a mãe dessas crianças; portanto, a autoridade e as decisões finais cabem aos pais delas. No entanto, como parceiro de seus pais, é preciso haver respeito.

Lidar com os filhos do parceiro é um desafio

Lidar com os filhos do seu parceiro requer paciência, compreensão e perseverança. Seja qual for o caso, lembre-se de se priorizar e cuidar da sua saúde mental e do seu bem-estar emocional ao longo do processo.

Certifique-se de se comunicar de forma fluida e assertiva com seu parceiro e busque acompanhamento profissional se sentir que precisa.

Pode interessar a você...
O que é uma família disfuncional e como ela pode afetar os filhos?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
O que é uma família disfuncional e como ela pode afetar os filhos?

Uma família disfuncional não cumpre com as funções que lhe correspondem. Saiba como ela se forma e quais são as consequências para as crianças.



  • Pereira, R. (2002). Familias reconstituidas: La pérdida como punto de partida. Perspectivas sistémicas70, 3-5.
  • Cintrón, F. N., Walters-Pacheco, K. Z., & Serrano-García, I. (2008). Cambios…¿ Cómo influyen en los y las adolescentes de familias reconstituidas?. Interamerican Journal of Psychology42(1), 91-100.
  • Ripoll, K., Martínez, M., & Giraldo, Á. M. (2013). Decisiones sobre crianza de los hijos en familias reconstituidas. Revista colombiana de psicología22(1), 163-177.