Atividades agradáveis: a chave para o bem-estar do casal

29 de setembro de 2019
Embora não exista um padrão de elementos-chave para sua realização, a psicologia sexual e de casal propõe uma técnica comportamental excepcional para alcançar o bem-estar do casal: a realização de atividades agradáveis. 

Muitos se perguntam quais são os ingredientes para fazer uma poção do amor verdadeiro e duradouro. Qual é a chave para o bem-estar do casal? Como fazer que a relação funcione por muito tempo? A verdade é que não existem variáveis ​​constantes e patognomônicas para conseguir um relacionamento satisfatório. 

No entanto, e embora todas as pessoas sejam diferentes, a psicologia do casal e sexualidade estabelecem certas medidas que podem ser tomadas para conseguir o bem-estar em uma relação. É o caso de atividades agradáveis ​​e de seu impacto nos membros do casal. A seguir, explicamos em detalhes. 

Quando os problemas afetam o bem-estar do casal 

Problemas sexuais, estresse, filhos, reconciliação familiar, trabalho, problemas financeiros, etc.., existem muitos conflitos que podem ter um impacto no bem-estar do casal. Estes, ou uma combinação destes, podem deixar uma marca nas interações dos membros do casal de várias maneiras. 

Por exemplo, os parceiros podem ficar com raiva, afastar-se emocionalmente, rejeitar um ao outro, diminuir a comunicação etc… No entanto, algo que sempre acontece é que os dois param de fazer coisas um com o outro. 

Quando são suprimidas as atividades agradáveis o problema tende a aumentar. Essa supressão pode não apenas ser uma consequência de um problema maior, mas também o centro de outro conflito. 

O exposto acima ocorre porque acontece uma supressão dos reforçadores para os dois membros do casal. Eles não fazem mais as coisas juntos, não compartilham atividades que antes costumavam fazer, não mantêm conversas, ou não vão ao seu restaurante favorito. 

Casal na rotina

Reforçadores e afinidade em casal  

Os reforçadores são estímulos que provocam que um comportamento tenha, mas probabilidade de aparecer. Por exemplo, se um membro do casal receber um beijo toda vez que cozinhar algo delicioso, é provável que no dia seguinte tente cozinhar algo igualmente bom novamente. 

Nesse caso, o reforçador seria o beijo, que está provocando que o comportamento de cozinhar bem tenha mas probabilidade de aparecer. Quando os dois param de fazer as coisas em casal, há menos oportunidade para esses reforçadores acontecerem. 

Se essas atividades agradáveis ​​não ocorrerem, não haverá reforços e, portanto, esses comportamentos terão muito menos probabilidade de aparecer. Por isso, a partir da psicologia sexual e de casal, propõe-se realizar atividades agradáveis ​​como uma solução eficaz e com bons prognósticos. 

Os casais geralmente se juntam por afinidade. Portanto, o habitual é que existam atividades agradáveis ​​que possam ser realizadas em conjunto, e que sejam reforçadoras para ambos. 

O objetivo disso é voltar a utilizar aqueles reforçadores que não são mais usados. O fato de não serem usados ​​não significa que são obsoletos. Esses tipos de reforços não param de funcionar como tais; simplesmente ficaram empoeirados. 

Leia também: Por que não conseguimos terminar um relacionamento mesmo quando ele não dá mais certo?

Soluções comportamentais ou emocionais? 

Quando pensamos em problemas matrimoniais ou conjugais, geralmente não pensamos que a solução seja comportamental, mas emocional e cognitiva. De fato, na terapia, é normal utilizar os dois. 

Obviamente, é importante lidar com aspectos como os padrões do casal, as crenças sobre as relações próximas, ou expectativas e atribuições irreais e irracionais. É vital entrar nesses aspectos para obter ajuste conjugal, padrões comunicacionais ou melhorar as relações sexuais

No entanto, atividades agradáveis ​​fazem parte de uma série de estratégias comportamentais – às vezes negligenciadas – cujos benefícios são enormes. Além disso, esses frutos obtidos a partir de técnicas comportamentais podem indubitavelmente motivar o casal, fazer com que vejam que todos os casais funcionam se os comportamentos forem modificados, e que prosseguem trabalhando para alcançar o seu bem-estar. 

Como aumentar os reforçadores? 

Além de realizar atividades agradáveis, outras estratégias comportamentais podem ser realizadas que podem permitir uma mudança eficaz e duradoura no casal. 

Atividades agradáveis ​​para o bem-estar em casal 

Quando um relacionamento se deteriora é muito difícil para ambos os parceiros quererem fazer as coisas juntos. Esse é o principal problema que apresentam as atividades agradáveis. Portanto, é útil começar com coisas pequenas. Se um casal não sai há mais de oito meses, talvez levá-la à uma viagem ao Panamá por quinze dias não seja o mais apropriado.  

No entanto, pequenas atividades que sejam reconfortantes a um membro do casal, ou ambos, podem ser uma boa ideia: passear com os cães, fazer comida, comprar pão juntos, etc. Atividades simples onde os reforçadores podem ser gerados. À medida que forem avançando, você pode propor jantar juntos em seu restaurante favorito, ir ao cinema, ou à uma festeja somente os dois. 

O habitual é que se observe reforçadores desses tipos de atividades, que afetam a probabilidade de que essas atividades ocorram novamente. Muitos casais que vão à terapia de casais, com um relacionamento muito deteriorado, realizam as atividades agradáveis, depois de terem feito a primeira vez. São eles que tomam a iniciativa de passar a comprar pão e jantar juntos, sem que o terapeuta fale. 

O último é apenas um exemplo de que as técnicas comportamentais são úteis no início da terapia de casais: a primeira coisa a fazer é procurar reforçadores. 

Casal cozinhando

Dias especiais: dia de reforço um para o outro 

Outra maneira de estabelecer reforços sem uma atividade específica predominante é usar a técnica do dia especial. Isso é útil se o casal não estiver disposto a fazer nada juntos ou não tiver tempo. Em dias especiais, os dois parceiros são convidados a dedicar um dia da semana para reforçar ao outro. Os dois dias não podem coincidir, mas ambos sabem que dias são dias especiais. 

Embora no primeiro estágio haja suspeitas – parece algo não natural ou forçado – a verdade é que os casais geralmente se sentem bem. Ao receber apoios – desde comentários, conversas, ações – as pessoas geralmente se sentem satisfeitas .  

Quando alguém dá reforços, geralmente recebe reforços em troca, e essa é uma ideia que ambos precisam levar em consideração. Geralmente se costuma   generalizado o reforço porque ambos se sentem melhor. Embora essa técnica não permita a resolução de conflitos, ela serve para aumentar a gratificação. 

Você também pode estar interessado em ler: Você sabia que a posição em que um casal dorme diz muito sobre a relação?

Observação do positivo para promover o bem-estar do casal 

Outra técnica comportamental que pode ser utilizada além de atividades agradáveis ​​é a observação do positivo. Embora existam coisas positivas, coisas que antes gostavam ou atraíam, quando um relacionamento se deteriora esses aspectos positivos são frequentemente obscurecidos: deixam de ser observados. 

A observação do positivo também busca aumentar os reforçadores através da comunicação de aspectos que lhe agradam no parceiro. Do ponto de vista físico, psicológico ou cotidiano – «hoje a comida está deliciosa» – trata-se de que cada dia ambos digam três coisas positivas. O ideal é que essas três coisas sejam ditas à noite, durante dez ou quinze minutos cada dia. 

Como foi observado, não há chaves concretas para que um casal seja feliz. No entanto, todos os casais podem funcionar, de forma potencial, se forem feitas alterações comportamentais e cognitivas. Essas mudanças andam de mãos dadas, ou seja, técnicas comportamentais podem causar alterações cognitivas e vice-versa. Por isso é importante conhecer ambas e saber como aplicá-las em busca do bem-estar do casal.

  • Sullivan, O. (1996). Time co-ordination, the domestic division of labour and affective relations: Time use and the enjoyment of activities within couples. Sociology30(1), 79–100. https://doi.org/10.1177/0038038596030001006
  • Fava, G. A. (2016, April 1). Well-Being Therapy: Current Indications and Emerging Perspectives. Psychotherapy and Psychosomatics. S. Karger AG. https://doi.org/10.1159/000444114
  • Drigotas, S. M., Rusbult, C. E., & Verette, J. (1999). Level of commitment, mutuality of commitment, and couple well-being. Personal Relationships6(3), 389–409. https://doi.org/10.1111/j.1475-6811.1999.tb00199.x