Como pasteurizar ovos em casa?

Os ovos pasteurizados apresentam um menor risco microbiológico; portanto, podem ser incluídos sem problemas na dieta de gestantes e imunossuprimidos.
Como pasteurizar ovos em casa?

Última atualização: 24 Outubro, 2021

O ovo pasteurizado é muito utilizado em restaurantes para eliminar o risco microbiológico desse alimento em sua versão in natura. Você gostaria de aprender a pasteurizar ovos em casa ?

Antes de começar, deve-se observar que os ovos são reservatórios para muitas bactérias que podem ser patogênicas para os humanos. A maioria delas está concentrada na casca.

No entanto, esses patógenos podem penetrar nos alimentos sob certas condições. Se isso acontecer, a saúde das pessoas, especialmente das mais vulneráveis, pode ser colocada em risco.

Como pasteurizar seus ovos em casa?

A pasteurização nada mais é do que um tratamento térmico de alta temperatura que mata microrganismos patogênicos e aumenta a saúde e a segurança de um alimento. No caso dos ovos, bastará mantê-los em uma panela com água a 60 graus por 4 minutos para minimizar os riscos.

É melhor usar um termômetro de cozinha para monitorar a temperatura o tempo todo. A partir dos 64 graus, parte do ovo começa a coagular. Isso o faria cozinhar, resultado que não nos interessa neste caso.

Por isso, é necessário ser preciso na aplicação do calor para limitar a presença de bactérias sem provocar uma alteração no sabor do alimento.

Por que devemos comer ovos várias vezes por semana?
Pasteurizar os ovos em casa é mais fácil do que você pensa.

Também é possível comprar esses tipos de produtos. Embora geralmente sejam adquiridos em lojas especializadas, alguns supermercados disponibilizam essa variedade ao consumidor.

É uma ótima opção para o preparo de molhos como a maionese, principalmente quando ela é consumida por pessoas que se enquadram em grupos de risco, como as gestantes.

Outros métodos de pasteurização

Existem outras formas de pasteurizar o ovo em casa para uso posterior em diferentes receitas culinárias. A mais comum é colocar os ovos em uma panela em banho-maria. Neste caso, também é necessário verificar se a temperatura da água não ultrapassa os 64 graus.

O ovo deve ser quebrado dentro do recipiente contido na panela. Aguarde 4 minutos para concluir o processo. A partir daqui, ele está pronto para ser incluído em outra receita, embora isso deva ser feito imediatamente. Não pode ser conservado novamente ou colocado na geladeira, pois ao quebrá-lo sua exposição a patógenos é maior.

Lembre-se de que muitas receitas de confeitaria usam ovos crus. Os molhos também costumam incorporar esse alimento entre seus ingredientes.

Embora seja verdade que, em condições normais, não é necessário tomar esta medida, nos períodos de verão o risco aumenta significativamente. Quanto mais elevada for a temperatura atmosférica, mais cuidados devem ser tomados com o manuseio e uso do ovo.

Os riscos da intoxicação bacteriana

É importante lembrar que a intoxicação bacteriana pode provocar alterações significativas na função digestiva que condicionam o estado de saúde a médio e longo prazo.

Normalmente, esse tipo de processo se apresenta com sintomas caracterizados por diarréia, gases e dor abdominal. O vômito também pode ocorrer em algumas situações.

Os ovos fornecem vitamina D e proteínas
Os patógenos presentes no ovo podem causar desconforto digestivo.

Um dos riscos associados é a desidratação gerada pela perda de fluidos. O desequilíbrio da água é especialmente perigoso em pessoas mais velhas, pois elas têm uma porcentagem menor de água no corpo. Elas podem experimentar um aumento na temperatura corporal que afeta a função fisiológica.

De acordo com uma pesquisa publicada na revista Annals of Nutrition & Metabolism , quando o nível de água no corpo é reduzido, isso provoca alterações no sistema cognitivo, o que pode levar a delírios.

Essa situação também é preocupante no caso de crianças, grupos suscetíveis a sofrer complicações decorrentes de processos de desequilíbrio hídrico.

Perigos em mulheres grávidas

Durante a gravidez, é necessário tomar precauções extremas a nível alimentar para evitar intoxicações que colocam em risco a vida do feto. O consumo de molhos que utilizem ovos crus entre seus ingredientes é totalmente proibido.

Esses tipos de alimentos podem causar um aborto se estiverem contaminados com certos microrganismos. Isso foi evidenciado por um estudo publicado na Microbiology.

A mais perigosa de todas as bactérias para o feto é a Listeria. Além de causar abortos espontâneos, aumenta o risco de parto prematuro e interfere no bom desenvolvimento do sistema cognitivo do bebê.

Por isso, todas as medidas necessárias devem ser tomadas para que esse microrganismo não esteja presente na dieta da mãe. Ela pode ser encontrada no leite cru e nas aves.

Como regra geral, é necessário evitar o consumo de alimentos crus de animais durante o período de gestação. Muitos contêm bactérias que não são necessariamente patogênicas para a mãe, mas que podem afetar adversamente o desenvolvimento do feto. É necessário evitar uma situação deste tipo para que a gravidez seja saudável.

Que outros alimentos podem ser pasteurizados?

Os ovos não são os únicos alimentos suscetíveis ao processo de pasteurização. O leite e seus derivados também costumam ser submetidos a esse processo de esterilização.

Mesmo assim, é possível encontrar certas variedades de leite cru e queijos frescos no mercado. É preciso ter muito cuidado ao consumi-los para evitar intoxicações.

Em pessoas imunossuprimidas, a ingestão de laticínios que não tenham sido submetidos a um processo térmico é totalmente desencorajada. Nesses casos, é mais fácil ter complicações, como sepse, que colocam em risco a vida do paciente.

Conforme afirmado em um estudo publicado na Surgical Infections, a sepse é uma das principais causas de morte por infecção. Consiste na entrada de patógenos na corrente sanguínea, o que provoca sua disseminação por todo o corpo. Aqueles com alterações na microbiota ou problemas no sistema imunológico são mais vulneráveis.

É fácil pasteurizar ovos em casa

Como você viu, pasteurizar ovos em casa não é complicado. Também não leva muito tempo, por isso é um método perfeito para implementar durante os períodos de calor para garantir a salubridade desses alimentos. Assim, pessoas que pertencem a grupos de risco poderão consumi-los sem problemas.

Agora, lembre-se de que muitas outras medidas relacionadas à higiene alimentar devem ser respeitadas. Entre elas estão a higienização de utensílios de cozinha, boas práticas de conservação de alimentos, lavagem das mãos… Somente seguindo uma série de diretrizes básicas o índice de infecções bacterianas em todo o mundo poderá ser drasticamente reduzido.

Pode interessar a você...
Devemos manter os ovos dentro ou fora da geladeira?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Devemos manter os ovos dentro ou fora da geladeira?

É melhor manter os ovos dentro ou fora da geladeira? Descubra a resposta e os motivos pelos quais uma opção é melhor do que a outra.



  • Pross N. (2017). Effects of Dehydration on Brain Functioning: A Life-Span Perspective. Annals of nutrition & metabolism70 Suppl 1, 30–36. https://doi.org/10.1159/000463060
  • Pizarro-Cerdá, J., & Cossart, P. (2019). Microbe Profile: Listeria monocytogenes: a paradigm among intracellular bacterial pathogens. Microbiology (Reading, England)165(7), 719–721. https://doi.org/10.1099/mic.0.000800
  • Napolitano L. M. (2018). Sepsis 2018: Definitions and Guideline Changes. Surgical infections19(2), 117–125. https://doi.org/10.1089/sur.2017.278