Melhor Com Saúde
 

Como interpretar os resultados de um espermograma

Entender os resultados de um espermograma é difícil para alguém que não fez um curso para interpretá-los. No entanto, existem alguns parâmetros que podem ser lidos em termos gerais.

Como interpretar os resultados de um espermograma

Última atualização: 23 Dezembro, 2020

Interpretar os resultados de um espermograma é tarefa do médico que solicitou o exame ao paciente. No entanto, é importante saber, em linhas gerais, quais informações estão presentes nele.

Os espermogramas são análises de sêmen. Uma amostra é obtida de um homem para que o laboratorista analise a qualidade de espermatozoides e a composição do fluido seminal.

Os resultados desse exame dizem muito sobre a fertilidade masculina. O pedido para o estudo parte de consultas em torno da suspeita de infertilidade devido à falta de concretização de uma gravidez. Em seguida, analisam-se o fator feminino por um lado e o fator masculino por outro.

Os resultados de um espermograma nunca devem ser interpretados isoladamente. Este estudo é enquadrado em um contexto maior envolvendo hormônios e genética, no qual existem métodos complementares específicos.

A macroscopia ao interpretar os resultados de um espermograma

O aspecto macroscópico nos resultados do espermograma é determinado pela aparência visual do sêmen. Isso envolve a quantidade total de ejaculação, cor e viscosidade.

Em média, quando o homem ejacula, ele deve exceder um mililitro e meio para que a quantidade tenha o volume que lhe permita alcançar a fertilização. Aos 20 minutos, a amostra deve ser capaz de se tornar líquida naturalmente, sem intervenção bioquímica.

Quanto à cor, as transparências não são bons sinais, pois revelariam a presença de glóbulos brancos. Uma coloração normal varia de cinza a amarelo.

Outro parâmetro nos resultados de um espermograma é a viscosidade. É medida pela resistência dos fios de sêmen que são artificialmente formados na amostra. Quando há muita viscosidade, a situação problemática geralmente se refere à próstata.

Pesquisadores em laboratório
Os bioquímicos analisam características macroscópicas e microscópicas do sêmen.

Continue lendo: Os 6 melhores afrodisíacos para as mulheres

Microscopia do espermograma

Assim como há o aspecto macroscópico do espermograma, também temos o microscópico. Neste caso, a interpretação é mais complicada porque são medidos os parâmetros próprios da bioquímica, incluindo os seguintes:

  • Mobilidade: Analisa quantos espermatozoides se movem acima do total e se eles têm velocidade suficiente para chegar à zona de fertilização. Pelo menos 40% da amostra deve ser capaz de se mover para concretizar a gravidez.
  • Concentração: Esta é a quantidade de espermatozoides no sêmen. Muitos laboratórios a relatam como o número de células por mililitro de sêmen, e a normalidade é fixada em um mínimo de 15 milhões.
  • Forma: O esperma deve respeitar uma morfologia comum para ser considerado normal. Isso se aplica a qualquer célula do corpo, e aqui não há exceção. O resultado do espermograma define a porcentagem da amostra total correspondente a células com uma forma normal.
  • Vitalidade: A medição deste parâmetro é diferente em cada laboratório que faz o exame. Além do método utilizado, ele estipula quantos espermatozoides estão vivos e quantos mortos. Mais da metade da amostra deve estar viva para estabelecer a normalidade.

Fecundação do óvulo
Os espermatozoides devem ter uma forma normal, com mobilidade adequada e vitalidade para fertilizar.

Saiba mais: Hemospermia ou sangue no sêmen

Resultados anormais em um espermograma

Quando chegamos ao final da leitura dos resultados de um espermograma, encontramos a conclusão do laboratório sobre a amostra. Aqui, são utilizadas algumas palavras técnicas específicas que descrevem o estado do sêmen recebido e analisado.

Não se pode dizer que é a parte mais importante do espermograma, mas é um pilar da interpretação que o médico solicitante fará. É o fator mais próximo do diagnóstico que estamos procurando.

Se a contagem de espermatozoides for relatada como azoospermia, é porque não havia espermatozoides na amostra. A situação é grave e revela que o homem não está produzindo essas células, impossibilitando a fertilização.

Por outro lado, o relatório pode indicar uma oligospermia, que se traduz em uma contagem menor de espermatozoides do que é necessário para a normalidade. Mesmo com um número adequado, essas células podem ser imóveis, o que resulta em um quadro de astenozoospermia.

Outra situação que é grave e envolve mais exploração é a necrospermia. Esta é a situação em que o bioquímico encontrou muitos espermatozoides mortos, sem vitalidade e mobilidade.

O espermograma, sozinho, não é decisivo

Interpretar os resultados de um espermograma deve ser uma tarefa profissional, pois outros métodos complementares devem ser combinados para chegar a um diagnóstico. Este é um tema muito delicado, e o manuseio adequado é fundamental para evitar confusão.

Se tivermos o resultado de um espermograma, podemos lê-lo com base nos parâmetros que são oferecidos normalmente. No entanto, devemos sempre mostrá-lo a um médico. No contexto de cada caso, o profissional poderá nos dizer como agir.

Como melhorar a fertilidade masculina

Como melhorar a fertilidade masculina

Os antioxidantes ajudam a melhorar a fertilidade masculina, pois melhoram a qualidade do esperma e a mobilidade. Existem alimentos ricos em vitaminas que são excelentes para a fertilidade. Aqui os detalhamos.



  • Tamayo Hussein, Sergio, and Walter Cardona Maya. “Evaluación del factor masculino mediante espermograma más práctico y económico.” Revista Cubana de Obstetricia y Ginecología 45.1 (2019): 164-168.
  • Yanet, Jordan Pita, et al. “Relacion entre factores de riesgo y alteraciones en el espermograma de pacientes infertiles.” Cuba Salud 2018. 2018.
  • Schempf, John, J. Bruce Redmon, and Joshua Bodie. “CLINICAL CHARACTERISTICS OF MEN WITH AZOOSPERMIA.” Endocrine Practice 25 (2019): 265-266.
  • Dumont, A., et al. “Necrozoospermia: From etiologic diagnosis to therapeutic management.” Gynecologie, obstetrique, fertilite & senologie 45.4 (2017): 238-248.
  • Montoya, Ana Isabel Toro. “Espermograma.” Medicina & laboratorio 15.03-04 (2009): 145-169.