Como é um exame de próstata?

05 Maio, 2020
Fazer um exame de próstata é de vital importância para homens de determinadas idades. Com ele, o câncer de próstata poderá ser detectado a tempo e tratado com sucesso.

O exame da próstata costuma ser um tabu entre os homens. Para muitos, significa uma invasão de privacidade que não estão dispostos a sofrer. No entanto, ao longo do tempo, tem se tornado cada vez mais aceito.

A próstata é uma glândula que apenas indivíduos do sexo masculino possuem. Ela está localizada abaixo da bexiga e envolve a uretra. Tem a função de produzir líquidos que, posteriormente, formarão o sêmen.

Ao longo dos anos, a próstata aumenta progressivamente de tamanho. É um fenômeno ao qual todos os homens estão sujeitos por causa da idade. Sabemos que aos oitenta, quase 70% deles apresentam crescimento anormal da glândula.

O câncer de próstata é a forma mais agressiva e mortal desse aumento da glândula. É um dos cânceres mais comuns entre os homens e provoca uma mortalidade significativa.

Assim como, para as mulheres, o exame de papanicolau e a mamografia são ferramentas preventivas para doenças cancerígenas, o mesmo acontece com os homens. O exame da próstata é a ferramenta preventiva para o sexo masculino.

Um exame da próstata envolve, no início, duas práticas: a medição do antígeno da próstata e o toque retal. No caso de um ou ambos produzirem resultados alterados, a segunda fase de diagnóstico envolve exames de imagens e a biópsia da próstata.

Antes de detalhar como ocorre o exame de próstata, vamos explicar quem deve se submeter a ele.

Leia também: Tratamento do câncer de cólon

Indicações do exame da próstata

É importante esclarecer que o exame da próstata não é para todos os homens. A ciência médica estabeleceu idades e protocolos para determinar quem se beneficia da triagem e quem não.

Os principais parâmetros têm a ver com a idade do paciente:

  • Mais de 50 anos: esses homens têm a indicação de fazer um exame de próstata por ano ou a cada dois anos.
  • Entre 45 e 50 anos: essa faixa etária deve ser testada se houver fatores de risco para câncer de próstata. Por exemplo, descendentes de raças negras ou aqueles que tiveram um membro da família com diagnóstico de câncer de próstata.
  • Menores de 40 anos: é raro uma pessoa com menos de quarenta anos ter uma indicação de exames de próstata. Aqueles homens com mais de um parente próximo com câncer de próstata são considerados candidatos.

Quando a necessidade de um exame de próstata é determinada, o médico indica uma medição do antígeno da próstata e um exame retal. A medição é realizada com técnicas de laboratório através de uma amostra de sangue, e o toque retal é feito no mesmo consultório.

Se os resultados laboratoriais forem normais, ao paciente deve repetir o exame em um ano. Em alguns casos, se não houver fatores de risco, a medição do antígeno prostático pode ser programada a cada dois anos.

Homem com problemas na próstata
A incidência de problemas de próstata aumenta com a idade.

Antígeno específico da próstata ou PSA

A análise do PSA é parte integrante do exame da próstata. Envolve medir, no sangue, uma substância produzida pela próstata. Se houver câncer, o antígeno estará elevado e a sua detecção será um alerta da doença.

No entanto, também pode haver uma elevação do PSA por outros motivos não relacionados ao câncer. Há PSA elevado quando:

  • O paciente foi submetido a ultrassonografia transretal.
  • Prostatite: infecções da próstata aumentam o PSA.
  • Hiperplasia prostática: o aumento chamado hiperplasia prostática benigna também modifica o valor, mas de maneira menos contundente que o câncer.

Os valores de referência normais do PSA em homens são inferiores a 4 ng/mL. Entre 4 e 10 ng/mL, existe a possibilidade de câncer de próstata. Com um PSA maior do que 10, a possibilidade de câncer é muito alta.

Você também pode se interessar: Remédios naturais para os problemas da próstata

Toque retal

O exame retal ou digital do reto é a outra parte constituinte do exame da próstata. O exame envolve a inserção do dedo de um examinador no reto do paciente para palpar a glândula.

O procedimento é realizado com luvas e lubrificação, para reduzir o desconforto. Sugere-se que o paciente se posicione lateralmente na maca e, se possível, na posição fetal, pois são as modalidades menos desconfortáveis ​​e dolorosas.

O examinador, médico ou enfermeiro realiza uma palpação direta da próstata próxima ao reto. Na palpação, busca-se detectar qualquer protuberância ou endurecimento indicativo de um processo anormal.

No caso de detectar uma anomalia, serão sugeridos mais exames, principalmente se também houver um resultado de PSA elevado.

Sintomas do câncer de próstata

O que fazer diante de um exame de próstata anormal?

O próximo passo após um exame de próstata anormal é a solicitação de exames de imagem que esclareçam o diagnóstico. O médico pode solicitar ultrassom e, se necessário, uma biópsia da glândula.

A detecção oportuna é essencial. Tratado no início, este tumor é totalmente curável e gerenciável. As equipes de saúde insistem em realizar o exame da próstata devido à sua alta eficácia na redução dos casos fatais desse câncer.

É essencial que os homens percam o medo deste exame e que o façam quando for indicado. Uma verificação anual poderá adicionar muitos anos à vida dos pacientes.

  • Pow-Sang, Mariela, et al. “Cáncer de próstata en Latinoamérica.” Actas urológicas españolas 33.10 (2009): 1057-1061.
  • González Vidal, Elsie, et al. “Índice PSA libre/PSA total: una herramienta para la detección precoz del cáncer de próstata.” Revista Archivo Médico de Camagüey 11.6 (2007): 0-0.
  • Torres, Patricia Erazo. “Ecografía transrectal y cáncer de próstata.” Acta Médica del Centro 9.3 (2015): 61-64.