Como a alergia se desenvolve?

06 Agosto, 2020
A prevalência de alergias aumentou globalmente, especialmente em jovens. Isso nos faz pensar: como a alergia se desenvolveu evolutivamente em humanos? Descubra a seguir!

Muitos de nós já experimentamos o infortúnio de sofrer uma reação alérgica. Esses tipos de reações estão apresentando um aumento contínuo em sua prevalência, pois estima-se que de 30 a 40% da população mundial as tenha sofrido em algum momento. No entanto, como a alergia se desenvolve?

Por mais incômoda que seja, a alergia pode ocultar um significado evolutivo essencial para os seres humanos. É uma reação imune do organismo contra uma substância geralmente inofensiva para o hospedeiro, que se manifesta por sinais e sintomas característicos quando este se expõe a ela.

Os anticorpos do sistema imunológico da pessoa que sofre dessa patologia reconhecem os agentes inofensivos do meio ambiente como perigos potenciais e agem de acordo para expulsá-los. Isso gera inflamação de diferentes graus nos seios paranasais, na pele, no sistema digestivo, entre outros.

É assim que a existência de alergia nos faz pensar: por que nosso próprio sistema de defesa nos boicota em situações inofensivas? Para que possamos entender melhor, detalhamos o papel das alergias na evolução humana e no seu desenvolvimento a seguir.

Como a alergia se desenvolve?

O verdadeiro objetivo das reações alérgicas continua sendo um tópico de debate e pesquisa atualmente. A hipótese da higiene propõe que as alergias se espalham globalmente devido à falta de exposição a patógenos reais. 

Um estudo publicado na Plos Computational Biology argumenta que as proteínas encontradas em elementos de contato diário com seres humanos são semelhantes às dos parasitas corporais.

A falta de atividade do nosso sistema imunológico em contato com esses tipos de seres vivos prejudiciais poderia fazer com que ele detectasse qualquer outro sinal semelhante como um perigo potencial, causando a reação em questão.

O estudo previamente mencionado fornece evidências para apoiar esta hipótese:

  • A equipe de pesquisa monitorou a reação laboratorial de anticorpos a uma proteína de uma espécie de parasita, Schistosoma mansoni. A proteína em questão era muito semelhante à presente no pólen de bétula.
  • Os mesmos anticorpos responsáveis ​​pela remoção da proteína do parasita foram os que reagiram ao pólen de bétula.

Esses resultados, embora simples, proporcionam uma grande quantidade de informações. É possível que a falta de alarmes reais faça nosso sistema imunológico fabricar o seu próprio.

Mulher espirrando
A alergia é uma reação do sistema imunológico a agentes que ele identifica como perigosos.

Leia também: As 9 alergias mais comuns em crianças

Uma resposta não tão acidental

Poderíamos nos ater a essa explicação possível, pois parece convincente e parece cientificamente comprovada. Ainda assim, existem outras correntes que defendem ideias diferentes.

Alguns estudos deste artigo da revista Scientific American sugerem que esses tipos de reações não são acidentais. Eles propõem que a alergia pode nos proteger das toxinas presentes no ambiente:

  • Em um dos estudos, ratos foram expostos a pequenas doses de veneno e, após várias semanas, a doses mais concentradas de veneno. Alguns ratos foram inoculados apenas com a dose concentrada.
  • Os ratos que foram expostos a pequenas doses apresentaram uma resposta imune muito maior à dose concentrada do que aqueles que não receberam a inoculação inicial.
  • A exposição a uma dose inicial fez com que os previamente inoculados desenvolvessem anticorpos específicos para alérgenos, preparando-os para cenários futuros mais graves.

O que isso poderia significar?

Interpretando os resultados, não é irracional pensar que, com vômitos, falta de ar e outros sintomas, nosso corpo está nos preparando para situações de perigo real.

Nosso sistema imunológico pode estar se preparando para outras reações futuras mais graves e, ao mesmo tempo, comunicando que devemos tentar evitar essas substâncias alérgicas.

Além disso, essa teoria sugere que uma alergia se desenvolve como um mecanismo evolutivo em humanos. Com base na experiência com agentes inofensivos, poderíamos ter aprendido a evitar situações de maior risco como espécie. Além disso, nosso sistema imunológico treinaria sua ação contra perigos graves com esses pequenos episódios alérgicos.

Como a alergia se desenvolve?
Algumas teorias sugerem que as alergias são um mecanismo evolutivo dos seres humanos.

Você também pode se interessar: Como diferenciar a alergia da infecção por coronavírus?

Por que a alergia se desenvolve? Uma pergunta sem resposta

Como pudemos observar, existem várias teorias sobre o surgimento das alergias. Até o momento, não há certezas ou equívocos, mas maneiras diferentes de abordar uma patologia global. Ainda assim, a verdadeira razão por trás do desenvolvimento das alergias permanece desconhecida.

  • An evolutionary basis for allergies, the scientist. Recogido a 25 de abril en https://www.the-scientist.com/daily-news/an-evolutionary-basis-for-allergies-34596
  • Dear evolution, thanks for the allergies, scientific american. Recogido a 25 de abril en https://www.scientificamerican.com/article/dear-evolution-thanks-for/
  • Alergia, wikipedia. Recogido a 25 de abril en https://es.wikipedia.org/wiki/Alergia