Como diferenciar a alergia da infecção por coronavírus?

22 de maio de 2020
Alguns sintomas do coronavírus são semelhantes aos desencadeados pelas alergias. Portanto, é importante saber como eles diferem e quando se consultar. A seguir, falaremos sobre o assunto em detalhes.

Como diferenciar uma alergia de uma infecção por coronavírus? Antes de tudo, é recomendável que a população geral, quando suspeitar de uma infecção por coronavírus, entre em contato com seu médico de família ou vá a um centro médico para uma avaliação.

Nem sempre é fácil diferenciar, por exemplo, a alergia da infecção por coronavírus. Então, como saber se precisamos de uma consulta médica ou se devemos permanecer em nossas casas?

Começaremos esclarecendo que todas as doenças, incluindo alergia ou infecção por coronavírus, se manifestarão de forma diferente em cada indivíduo. Portanto, em caso de dúvida, é melhor fazer uma consulta médica virtual, por telefone ou pessoalmente.

No caso do COVID-19, o que foi sugerido é ficar em casa e solicitar atendimento domiciliar ou usando a telemedicina. Como o vírus é altamente contagioso, é melhor respeitar a medida de confinamento.

O acima exposto se aplica, especialmente, se houver sintomas suspeitos presentes, se tiver havido contato com uma pessoa infectada ou se você tiver viajado para uma área de risco. A seguir, veremos primeiro os sintomas da infecção por coronavírus e depois os sintomas de uma alergia.

Sintomas da infecção por coronavírus

Pessoas com infecção por coronavírus ou COVID-19 geralmente apresentam sintomas semelhantes aos da gripe. De acordo com informações publicadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), suas manifestações clínicas incluem principalmente:

  • Febre
  • Tosse seca
  • Cansaço

Algumas pessoas também podem ter dores musculares, nariz entupido, dor de garganta ou diarreia. Esses sintomas geralmente são leves e aparecem gradualmente ou progressivamente. A maioria das pessoas infectadas com coronavírus se recupera dentro de uma semana ou um pouco mais, sem tratamento especial.

Um pequeno número de pessoas que desenvolvem infecção por coronavírus (COVID-19) pode manifestar uma doença mais grave e apresentar problemas respiratórios e a necessidade de hospitalização. Muitas vezes, são pacientes com doenças respiratórias prévias, diabetes, doenças cardiovasculares, doenças do sistema imunológico, entre outras.

Paciente com complicações do coronavírus
Na maioria dos casos, os pacientes com coronavírus melhoram dentro de uma semana. No entanto, existem grupos de risco que podem ter complicações nas quais a hospitalização é necessária.

Você também pode se interessar: Qual é a origem do coronavírus e por que ele não pôde ser erradicado?

Sobre o coronavírus

A principal forma de disseminação do coronavírus é entre as pessoas, através de gotículas respiratórias produzidas por conversas, espirros ou tosse. No entanto, também pode haver um possível contágio pelo contato com superfícies contaminadas e, depois, o toque nos olhos, nariz ou boca sem lavar as mãos.

A epidemiologia da infecção por coronavírus está mudando dia após dia, e será diferente em diferentes países. Isso ocorre porque, por se tratar de uma nova doença, não existe imunidade prévia na população.

Por esse motivo, qualquer caso suspeito de infecção por coronavírus será avaliado em seu contexto específico (viagens anteriores, país de origem, contato com uma pessoa infectada, presença de casos autóctones, etc.).

Os profissionais de saúde são atualizados constantemente sobre esse novo vírus e saberão o que fazer em cada caso. Por fim, cabe destacar que pessoas com febre, tosse e falta de ar devem procurar atendimento médico imediatamente.

Sintomas da alergia

O termo alergia agrupa um conjunto de reações do sistema imunológico à presença de alérgenos no corpo. Nesse caso, vamos nos referir à chamada rinite alérgica, que pode confundir os pacientes agora que existe um surto de coronavírus. Seus sintomas incluem:

  • Ataque de espirros
  • Congestão nasal ou coriza
  • Coceira nos olhos, olhos vermelhos e lacrimejantes
  • Coceira no nariz ou na garganta
  • Tosse
  • Gotejamento pós-nasal
  • Olheiras
  • Cansaço

A rinite alérgica é conhecida por ser uma condição bastante comum, tanto em crianças quanto em adultos. Às vezes, pode ser acompanhada por outras manifestações alérgicas em diferentes partes do corpo. Muitas vezes, há um histórico familiar de alergia.

Em geral, os sintomas serão limitados à área do rosto, serão persistentes e não vão piorar ao longo dos dias. Em vez disso, eles podem desaparecer em poucas horas, depois de se afastar e se livrar do alérgeno.

Mulher espirrando
Enquanto os sintomas do coronavírus pioram progressivamente, os sintomas da alergia não. Além disso, a alergia desaparece após a pessoa afetada se afastar do alérgeno.

Leia também: Fatores de risco para a mortalidade por coronavírus

Comparação para diferenciar a alergia da infecção por coronavírus

Ao comparar os sintomas de ambas as condições, vemos que muitos deles se sobrepõem, mas há outros que serão específicos de cada problema, como a febre, que nos permite diferenciar as duas.

De qualquer forma, pode haver uma preocupação inicial, principalmente porque os casos mais leves de COVID-19 são pouco sintomáticos. Por esse motivo, é importante, quando houver suspeita, solicitar a atenção correspondente e levar em consideração se há histórico de:

  • Alergias anteriores
  • Contato com uma pessoa infectada
  • Viagem para áreas com altas taxas de contágio

Todos esses dados serão decisivos para determinar se é apenas um surto de alergia ou se pode ser uma infecção por coronavírus. O médico determinará se os testes serão necessários.

Alergia e infecção por coronavírus: o que deve ficar claro?

Antes de ativar os alertas de coronavírus, é importante determinar se há alergias anteriores e como os sintomas estão evoluindo. Embora existam algumas semelhanças, as alergias tendem a melhorar sem complicações. Em qualquer caso, se houver suspeita, é melhor fazer uma consulta, solicitar os exames pertinentes e respeitar as medidas de confinamento.

  • WHO. (2020). Q&A on coronaviruses (COVID-19). Retrieved from https://www.who.int/news-room/q-a-detail/q-a-coronaviruses
  • WHO. (2020). Coronavirus disease (COVID-19) outbreak. Emergencies – Diseases, (December 2019), 2020. Retrieved from https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019
  • Sohrabi, C., Alsafi, Z., O’Neill, N., Khan, M., Kerwan, A., Al-Jabir, A., … Agha, R. (2020, April 1). World Health Organization declares global emergency: A review of the 2019 novel coronavirus (COVID-19). International Journal of Surgery. Elsevier Ltd. https://doi.org/10.1016/j.ijsu.2020.02.034
  • Greiner, A. N., Hellings, P. W., Rotiroti, G., & Scadding, G. K. (2011). Allergic rhinitis. The Lancet. Lancet Publishing Group. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60130-X