Coco aminos: propriedades e usos na cozinha

Se você gosta de comida asiática, mas não pode se dar ao luxo de consumir muito molho de soja, precisa conhecer coco aminos, um bom substituto.
Coco aminos: propriedades e usos na cozinha

Última atualização: 27 junho, 2022

O coco aminos é um substituto para o molho de soja que pode ser mais saudável. Ele pode até gerar certos benefícios para o corpo quando introduzido no contexto de uma dieta variada e equilibrada.

Por outro lado, não contém glúten nem lactose, pelo que é totalmente adequado para pessoas com diferentes intolerâncias. Sem dúvida, é uma alternativa a ter em conta na hora de preparar comida asiática.

Antes de começar, é fundamental ressaltar que não se deve abusar de molhos na dieta. Normalmente, eles conseguem aumentar a densidade energética de muitas preparações.

Além disso, podem conter açúcares simples, gorduras trans e aditivos artificiais. Esses elementos têm um impacto negativo no organismo, pois aumentam os níveis de inflamação e podem acabar causando ineficiências na fisiologia a médio prazo.

O que é coco aminos?

Molho de soja em um recipiente para sushi.
O molho de soja é rico em sódio; portanto, seria contraindicado em pacientes com hipertensão arterial.

O coco aminos é um molho usado para substituir o molho de soja em pratos de comida asiática. Tem características organolépticas muito semelhantes, mas com menos sódio no seu interior.

O sódio pode causar um aumento da pressão arterial em  certas pessoas. Isso é confirmado pela pesquisa publicada na revista Seminars in Nephrology. Por esta razão, pode ser necessário reduzir a ingestão de sal às vezes.

Para a elaboração de coco aminos são utilizados dois elementos: a seiva orgânica do coqueiro e o sal marinho orgânico. É importante notar que o sal não refinado é um produto de qualidade.

Ele consegue fornecer minerais essenciais em doses adequadas, o que poderia ajudar a prevenir o desenvolvimento de patologias crônicas e complexas a médio prazo. Um exemplo deles seriam aqueles de tipo metabólico, como diabetes tipo 2.

O processo de preparação de coco aminos é muito simples. Primeiro, a seiva é extraída das flores do coqueiro. Em seguida, passa por um processo de fermentação e é misturado com sal marinho não refinado e seco ao sol. Por fim, se obtém um molho de cor escura com boas propriedades nutricionais.

Informações nutricionais

Do ponto de vista dos nutrientes, o coco aminos possui 17 aminoácidos diferentes. O seu pH é equilibrado e o índice glicémico é baixo, pelo que a sua ingestão não terá um impacto relevante nos níveis de glicose no sangue. Além disso, possui em seu interior diversas vitaminas do complexo B, elementos necessários para que o metabolismo energético seja realizado de forma eficiente.

Uma colher de chá de coco aminos pode fornecer os seguintes elementos:

  • 5 calorias.
  • 1 grama de carboidratos.
  • 0 gramas de gordura.
  • 90 miligramas de sódio.

Como você pode ver, é uma opção que pode ser incluída no contexto de uma dieta hipocalórica para perder peso. Não afetará muito a energia total ingerida ao longo do dia, portanto a oxidação e a mobilização da gordura não serão comprometidas.

Benefícios para a saúde de coco aminos

Ao contrário do molho de soja,  o coco aminos não contribui para o desenvolvimento de diabetes.

A inclusão de coco aminos no contexto de uma alimentação variada e equilibrada pode gerar uma série de benefícios para a saúde. Em primeiro lugar, é um produto que ajudaria a proteger a saúde cardiovascular.

Existem algumas evidências de que o coco pode ajudar a melhorar o perfil lipídico. Desta forma, o transporte de nutrientes através do sangue é otimizado. Os níveis de inflamação no ambiente interno também serão reduzidos.

O consumo de coco aminos pode ajudar no funcionamento do sistema metabólico. De fato, a presença regular de produtos de soja na dieta pode afetar o risco de diabetes.

No entanto, a substituição desses elementos por coco aminos seria considerada protetora. As evidências a esse respeito não são fortes e a maioria dos estudos é realizada com camundongos. Ainda assim, a mudança parece positiva.

Da mesma forma, é fundamental destacar que este molho afetaria positivamente o funcionamento do sistema imunológico. Os antioxidantes presentes no coco podem ajudar a ativar o sistema de defesa do organismo, reduzindo assim a incidência de patologias do tipo infecciosas.

Um estudo publicado no The American Journal of Clinical Nutrition confirma isso. Claro, também será decisivo garantir um fornecimento suficiente e contínuo de vitamina C.

Coco aminos, um bom substituto para o molho de soja

Como você viu, coco aminos é uma opção melhor do que o molho de soja para temperar pratos asiáticos. Você poderá desfrutar de todo o sabor da comida chinesa sem ter que se preocupar com os possíveis efeitos nocivos de um alto consumo de derivados de soja com alto percentual de sódio.

Para finalizar, é importante comentar que é conveniente limitar a presença de molhos na dieta. Como regra geral, será decisivo priorizar métodos de cozimento “limpos”, pois não adicionam calorias extras ou gorduras do tipo trans às preparações. Da mesma forma, ao usar molhos, sempre será positivo escolher variedades caseiras em vez de industriais. Assim, garante-se um menor teor de aditivos.

Pode interessar a você...
7 grandes benefícios do tofu, queijo de soja
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
7 grandes benefícios do tofu, queijo de soja

Neste artigo, compartilhamos todas as propriedades do tofu, bem como as formas mais adequadas de consumi-lo em nossa dieta diária.



  • Adrogué, H. J., & Madias, N. E. (2014). The impact of sodium and potassium on hypertension risk. Seminars in nephrology34(3), 257–272. https://doi.org/10.1016/j.semnephrol.2014.04.003
  • Eyres, L., Eyres, M. F., Chisholm, A., & Brown, R. C. (2016). Coconut oil consumption and cardiovascular risk factors in humans. Nutrition reviews74(4), 267–280. https://doi.org/10.1093/nutrit/nuw002
  • Meydani, S. N., Wu, D., Santos, M. S., & Hayek, M. G. (1995). Antioxidants and immune response in aged persons: overview of present evidence. The American journal of clinical nutrition62(6 Suppl), 1462S–1476S. https://doi.org/10.1093/ajcn/62.6.1462S