Clonazepam: o que é e quais são seus usos?

Os medicamentos para o tratamento das crises epilépticas têm como principal objetivo reduzir a hiperativação cerebral característica desta doença.
Clonazepam: o que é e quais são seus usos?

Última atualização: 14 Novembro, 2021

O clonazepam é um medicamento do grupo dos benzodiazepínicos que atua no sistema nervoso central (SNC). Em particular, exerce efeitos anticonvulsivantes, ansiolíticos, sedativos, hipnóticos e estabilizadores do humor. Portanto, é usado com frequência no tratamento de convulsões e ataque de pânico. Pode ser administrado por via oral ou intravenosa.

O que é a epilepsia?

Efeitos no cérebro

Uma crise epiléptica ocorre a partir de um foco neuronal que é ativado por estímulo ou espontaneamente. A partir desse foco, chamado de foco epiléptico ou epileptogênico, o estímulo se espalha para os neurônios adjacentes por meio de sinapses neuronais. Isso resulta no que conhecemos como uma crise epiléptica, que também pode ser causada por anormalidades estruturais do cérebro.

Um foco epiléptico é um grupo neuronal que é ativado excessivamente pela descompensação dos neurotransmissores. Esses são os produtos químicos que os neurônios usam para transmitir sinais de um para o outro. Quando um neurônio recebe um estímulo, ele responde liberando um neurotransmissor que alcançará outro neurônio. Os neurotransmissores podem ser:

  • Ativadores, se produzem a excitação ou ativação do segundo neurônio, favorecendo a transmissão do impulso. O mais implicado na epilepsia é o glutamato.
  • Inibidores, se causarem a interrupção da transmissão de sinais, como o ácido gama-aminobutírico (GABA).

Em episódios de epilepsia, a atividade do glutamato é aumentada (ativador) ou a atividade do GABA (inibidor) é diminuída em uma região neuronal específica. Como consequência, o foco epiléptico é ativado de forma anormal e o sinal se propaga seguindo os circuitos neurais. As manifestações vão depender da localização do surto e da sua disseminação.

Mecanismo de ação do clonazepam

Mecanismo de ação do clonazepam

O clonazepam é um benzodiazepínico de ação prolongada. Ele se liga a receptores no cérebro chamados de receptores BZ (benzodiazepínicos) e os ativa. Em outras palavras, é um agonista do receptor BZ.

Os receptores BZ aumentam a atividade GABA, que diminui durante as crises epilépticas. O aumento dessa inibição cerebral retarda a propagação da convulsão, embora não atue sobre o foco epileptogênico.

O clonazepam é administrado principalmente por via oral ou intravenosa, e sua ação começa 20 a 60 minutos após sua administração. O efeito varia entre adultos e crianças e pode durar até 12 horas.

Uma vez no sangue, ele atravessa a barreira hematoencefálica e atinge o sistema nervoso. Deve-se ter em consideração que é metabolizado no fígado e eliminado principalmente na urina. Por este motivo, a sua dose deve ser ajustada quando administrada a pessoas com insuficiência hepática.

Por outro lado, essa droga é capaz de atravessar a barreira placentária e, portanto, seu uso deve ser evitado durante a gravidez. Entre seus possíveis efeitos nocivos ao feto, estão a hipotermia e a depressão respiratória. Além disso, o clonazepam é contraindicado durante a lactação.

Indicações do clonazepam

Homem fazendo consulta médica

Existem diferentes tipos de epilepsias. Dependendo das suas características, alguns medicamentos ou outros serão utilizados. O clonazepam é usado principalmente na infância, especialmente em convulsões generalizadas que se espalham por todo o corpo e levam à perda de consciência. Existem dois tipos:

  • Crises de ausência: são caracterizadas por uma perda súbita de consciência, sem cair ao solo ou ter movimentos convulsivos. A única coisa observada é que o sujeito deixa de realizar a atividade que estava fazendo: falar, comer, andar, etc. Após alguns segundos, o indivíduo retoma a atividade sem se lembrar do episódio. Em muitas ocasiões, elas são disparadas por fontes de luz intermitente ou em situações de hiperventilação.
  • Crises tônico-clônicas: são as mais conhecidas, mas não as mais frequentes. O sujeito perde abruptamente a consciência e o tônus muscular e cai no chão.

A princípio, a pessoa se enrijece. Então, tem convulsões violentas que duram alguns segundos. Quando as convulsões param, o paciente recupera a consciência após um período de confusão, sem nenhuma lembrança da crise. Além disso, essas crises podem associar alterações vegetativas, como aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial.

Em adultos

  • Crises focais: não afetam todo o organismo. Elas se concentram em uma determinada área e são muito variadas. Pode se apresentar com alterações visuais e olfatórias, perda de sensibilidade, alteração da consciência ou paralisia temporária de algum membro, entre outros.
  • Status epilepticus: representam um estado de emergência patológico. Falamos de estado de mal epiléptico quando a convulsão dura mais de trinta minutos ou quando duas ou mais convulsões ocorrem sem recuperação da consciência.
  • Outros tipos de epilepsia adulta.

Se você for fazer uso deste medicamento, siga cuidadosamente todas as instruções do médico que o receitou.

Pode interessar a você...
Furosemida: usos e efeitos colaterais
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Furosemida: usos e efeitos colaterais

Os efeitos da furosemida são rápidos. Ao remover mais água, reduz o volume desta no organismo, sendo efetiva no tratamento da hipertensão.



  • Frauger E, Pradel V, Natali F, Thirion X, Reggio P, Micallef J. Détournement d’usage du clonazépam (Rivotril): tendances récentes [Misuse of clonazepam (Rivotril): recent trends]. Therapie. 2006 Jan-Feb;61(1):49-55. French. doi: 10.2515/therapie:2006014. PMID: 16792154.
  • Kacirova I, Grundmann M, Silhan P, Brozmanova H. A Case Report of Clonazepam Dependence: Utilization of Therapeutic Drug Monitoring During Withdrawal Period. Medicine (Baltimore). 2016;95(9):e2881. doi:10.1097/MD.0000000000002881
  • Basit H, Kahwaji CI. Clonazepam. [Updated 2021 Apr 29]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK556010/
  • National Center for Biotechnology Information (2021). PubChem Compound Summary for CID 2802, Clonazepam. Retrieved October 14, 2021 from https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/Clonazepam.
  • Dokkedal-Silva V, Berro LF, Galduróz JCF, Tufik S, Andersen ML. Clonazepam: Indications, Side Effects, and Potential for Nonmedical Use. Harv Rev Psychiatry. 2019 Sep/Oct;27(5):279-289. doi: 10.1097/HRP.0000000000000227. PMID: 31385811.
  • Sjö O, Hvidberg EF, Naestoft J, Lund M. Pharmacokinetics and side-effects of clonazepam and its 7-amino-metabolite in man. Eur J Clin Pharmacol. 1975 Apr 4;8(3-4):249-54. doi: 10.1007/BF00567123. PMID: 1233220.
  • Welch TR, Rumack BH, Hammond K. Clonazepam overdose resulting in cyclic coma. Clin Toxicol. 1977;10(4):433-6. doi: 10.3109/15563657709046280. PMID: 862377.