Cirurgia de coração aberto: tudo que você precisa saber

A cirurgia de coração aberto é o tipo de procedimento cirúrgico mais comum para tratar problemas coronários graves. Atualmente, apresenta um bom prognóstico para um grande número de pacientes.
Cirurgia de coração aberto: tudo que você precisa saber

Última atualização: 31 Março, 2021

É conhecido como cirurgia de coração aberto todo e qualquer tipo de procedimento cirúrgico em que o tórax é aberto e o coração é deixado exposto. É a operação cardíaca mais comum em adultos, e atualmente apresenta um risco de mortalidade muito baixo, estimado em pouco mais de 2%.

A cirurgia de coração aberto é realizada para reparar uma falha, geralmente nas artérias coronárias. Estas se estreitam, ficam bloqueadas ou apresentam defeitos que este tipo de intervenção pode corrigir.

Curiosamente, um estudo realizado pelo Dr. David Montaigne, da Universidade de Lille, mostrou que o coração é sensível ao ciclo circadiano. Por isso, realizar o procedimento no período da tarde reduz em até 50% o risco de sofrer um evento adverso durante a cirurgia.

Quando a cirurgia de coração aberto é necessária?

Normalmente, a cirurgia de coração aberto é realizada quando uma pessoa necessita de uma cirurgia de revascularização do miocárdio (CABG por sua sigla em inglês). O objetivo é restaurar o fluxo sanguíneo para o coração, a fim de reduzir o risco de ataque cardíaco.

A doença coronariana ocorre quando as artérias se estreitam e endurecem. Isso ocorre devido ao acúmulo de gordura nas paredes das mesmas, em forma de placa. Nessas condições, o sangue não consegue fluir adequadamente, e isso pode levar a um bloqueio.

A cirurgia de coração aberto também é realizada para substituir ou reparar válvulas ou outras áreas danificadas ou anormais, e para implantar dispositivos ou fazer um transplante.

Cirurgia cardíaca
Não existe um único tipo de cirurgia de coração aberto; há pelo menos duas modalidades.

Cirurgias de coração aberto mais comuns

As cirurgias de coração aberto mais comuns são duas: cirurgia de revascularização do miocárdio e intervenção valvar cardíaca. Vamos ver cada uma delas com mais detalhes.

Cirurgia de revascularização miocárdica

Também é conhecida como enxerto de bypass da artéria coronária (CABG). É a modalidade mais comum e ocorre quando os vasos sanguíneos que transportam o sangue se estreitaram. Para corrigir essa condição, é feito um bypass da artéria coronária.

O procedimento envolve a retirada de uma porção de uma veia de outra parte do corpo e a criação de um novo caminho para redirecionar o fluxo sanguíneo de forma que alcance o músculo cardíaco. Se a artéria tiver várias áreas bloqueadas, várias derivações serão necessárias.

Cirurgia de válvula cardíaca

O coração possui quatro válvulas: aórtica, mitral, pulmonar e tricúspide. Cada uma delas bombeia sangue para uma das câmaras em que o coração está dividido. Se as válvulas estiverem anormais, uma cirurgia de coração aberto pode ser feita para corrigir isso.

Às vezes elas se estreitam e o sangue não consegue fluir adequadamente; esta condição é chamada de estenose. Outras vezes, as válvulas não se fecham como deveriam e o sangue flui para trás, e não para a frente: trata-se do refluxo ou da insuficiência valvar. Tudo isso causa vários problemas que devem ser corrigidos.

Como é executada?

A cirurgia de coração aberto leva de três a seis horas. Ela começa com uma incisão vertical, no centro do tórax, entre 20 e 25 centímetros. O esterno, que é o osso localizado no centro do tórax, é cortado (esse procedimento é chamado de esternotomia). O coração fica totalmente exposto à vista.

Às vezes, é usada uma máquina de circulação extracorpórea que extrai o sangue por meio de tubos e assume a ação de bombeamento do coração. Isso faz com que o órgão pare. A cirurgia também pode ser feita sem esta máquina.

Feito o procedimento, o cirurgião fecha o esterno juntando as duas metades. Isso pode ser feito com fios ou pelo método de fixação rígida. A incisão inicial é, então, fechada.

Como se preparar para uma cirurgia de coração aberto?

É normal que uma pessoa se sinta ansiosa antes de uma cirurgia de coração aberto. O mais aconselhável é se informar bem sobre o procedimento e confiar na equipe médica. Centenas dessas intervenções são realizadas todos os dias com resultados muito positivos.

É possível que o médico indique a suspensão do consumo de cigarros e de alguns medicamentos duas semanas antes. Da mesma forma, nenhum alimento deve ser consumido desde a meia-noite anterior. O paciente deve lavar o tórax com sabonete antibacteriano e raspar os pelos dessa área, se houver.

Quais são os riscos?

Quanto mais avançada a condição cardíaca, maior o risco da cirurgia de coração aberto. No entanto, qualquer intervenção desse tipo tem alguma margem de complicações esperadas. Nesse caso, as principais são o sofrimento de ataques no miocárdio ou acidentes vasculares cerebrais devido à modificação circulatória.

Também pode ocorrer insuficiência pulmonar ou renal, juntamente com a formação de coágulos. Isso se manifestará com distúrbios da urina e falta de ar (dispneia). Infecções e sangramento são outras complicações que devem ser previstas.

Quanto aos neurológicos, foram registradas perda de memória e falta de clareza mental. Isso também é atribuído aos efeitos da anestesia geral usada.

Recuperação após a cirurgia de coração aberto

O comum é que, após a cirurgia, seja indicada a permanência na unidade de terapia intensiva por 24 horas. O paciente terá dois ou três tubos de drenagem torácica, bem como um suprimento de fluido e um cateter para eliminar a urina. A internação hospitalar pode ser prolongada por 7 a 10 dias.

Gerenciamento da incisão

A ferida cirúrgica é ampla, o que requer cuidados especiais. Deve-se lavar bem as mãos antes e depois de tocar na incisão e manter a área quente e seca. Deve ser verificada todos os dias para possíveis sintomas de infecção ou quaisquer anormalidades. O banho só é aconselhável quando for possível verificar que a cicatrização ocorreu de forma adequada.

Dor

O controle da dor é realizado com analgésicos prescritos. Pode haver dor nos músculos de todo o corpo, principalmente na garganta e no peito. Os medicamentos devem ser tomados com muita disciplina e conforme as orientações médicas.

Descanso

É muito conveniente descansar o máximo possível, mas algumas pessoas têm dificuldade para dormir após uma cirurgia de coração aberto. É aconselhável não consumir cafeína, adaptar a cama para um maior conforto e tomar o analgésico meia hora antes de deitar.

Reabilitação

Os programas de reabilitação cardíaca incluem atividade física, gerenciamento de fatores de risco e medidas para tratar o estresse, ansiedade e depressão. Esses planos são altamente recomendados pelos seus grandes benefícios.

Cirurgia de coração
Esta intervenção traz riscos, mas os avanços médicos os minimizaram.

Paciência diante de uma cirurgia de coração aberto

É importante observar que a recuperação da cirurgia de coração aberto é lenta e gradual. Resultados ou melhorias imediatas não devem ser esperados. Pode levar até seis semanas antes do paciente começar a se sentir melhor.

É fundamental ir às consultas e seguir todas as instruções do médico. Esta intervenção é um procedimento que pode ter sucesso e melhorar a expectativa e a qualidade de vida de uma pessoa com problemas cardíacos.

Pode interessar a você...
As partes do coração e suas funções
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
As partes do coração e suas funções

Embora tenhamos ciência da sua importância, poucos entendem bem as partes do coração e o seu funcionamento. Saiba mais sobre o tema neste artigo.



  • Pastor-García, M., Gimeno-Martos, S., Zurriaga, Ó., Sorlí, J. V., & Cavero-Carbonell, C. (2020, January). Anomalías congénitas cardíacas en la Comunitat Valenciana 2007-2014, el registro poblacional de anomalías congénitas. In Anales de Pediatría (Vol. 92, No. 1, pp. 13-20). Elsevier Doyma.
  • Avanzas, P., Muñoz-García, A. J., Segura, J., Pan, M., Alonso-Briales, J. H., Lozano, Í., … & Hernández-García, J. M. (2010). Implante percutáneo de la prótesis valvular aórtica autoexpandible CoreValve® en pacientes con estenosis aórtica severa: experiencia inicial en España. Revista española de cardiología, 63(2), 141-148.
  • Peralta, A. J. M., Marcillo, M. P. Y., Loor, G. E. C., Loor, G. M. M., Moreira, P. G. Á., & Moreira, M. E. C. (2019). Riesgos y cuidados a los pacientes sometidos a una cirugía a corazón abierto. RECIAMUC, 3(4), 283-312.
  • Intriago, Gema Alexandra Saltos, et al. “Procedimientos adecuados para los pacientes en cirugías de corazón abierto.” RECIAMUC 3.3 (2019): 1156-1175.
  • Montaigne, David, et al. “Daytime variation of perioperative myocardial injury in cardiac surgery and its prevention by Rev-Erbα antagonism: a single-centre propensity-matched cohort study and a randomised study.” The Lancet 391.10115 (2018): 59-69.
  • Mendoza, Fernán. “Valvulopatías en insuficiencia cardiaca.“Lo que el internista debe saber”.” Acta Médica Colombiana 41.3 (2016): 8-17.
  • Ortiz-Vázquez, Marlo, et al. “Comparación de pacientes sometidos a cirugía de Fontan con y sin derivación cardiopulmonar.” Archivos de cardiología de México 86.1 (2016): 1-10.
  • EXTENSA, GUÍA EN VERSIÓN, and Y. ANEXOS. “GUÍA DE PRÁCTICA CLÍNICA DE REHABILITACIÓN CARDIACA.” (2018).
  • Monroy Favela, Lilibeth. “Determinación de la incidencia del delirio post operatorio en los pacientes intervenidos de cirugía cardiaca, bajo anestesia general balanceada mediante al monitoreo de entropía.” (2018).
  • Arribas, J. M., et al. “Incidencia y mecanismo etiológico de ictus en cirugía cardiaca.” Neurología (2017).