Coração artificial que promete ajudar aqueles que não têm doador

24 Dezembro, 2019
Um grupo de cientistas da OHSU conseguiu o desenvolvimento de um novo coração artificial que pode ser usado em transplantes de coração em um futuro próximo.
 

Um grupo multidisciplinar de pesquisadores está desenvolvendo um novo tipo de coração artificial que pode ser uma alternativa aos transplantes de coração. Em que consistem estes órgãos? Como funcionam? Nesta oportunidade queremos resolver todas estas questões

Transplantes de coração

Os transplantes de coração são operações cirúrgicas nas quais se substitui um coração debilitado, que não é capaz de cumprir sua função adequadamente, por outro saudável de um doador.

São operações complexas que envolvem certos riscos, uma vez que um órgão vital tão importante quanto o coração está comprometido. Esse motivo, juntamente com a escassez de doadores, faz do transplante cardíaco uma intervenção que é realizada como última opção.

Por isso os transplantes de coração são reservados para pessoas com problemas cardíacos graves, que não tiveram sucesso com outros tipos de tratamentos, como tomar certos medicamentos ou outras cirurgias menos drásticas.

Frequência cardiaca

No entanto, as doenças cardíacas têm uma alta prevalência na população e são a principal causa de morte em muitos países. Existem muitas condições que podem envolver a necessidade de um transplante de coração, entre elas, encontramos:

 
  • Doenças coronárias
  • Arritmias ventriculares
  • Defeitos cardíacos congênitos
  • Doenças das válvulas cardíacas
  • Fraquezas dos músculos do coração

Todas essas condições acabam causando um grande enfraquecimento do coração, que culmina em insuficiência cardíaca. Nesta doença o coração continua bombeando sangue, no entanto o faz tão fracamente que não é capaz de distribuir sangue suficiente para todo o organismo.

Você pode estar interessado: 7 dicas para manter uma dieta saudável para o coração

Fatores a serem considerados nos transplantes de coração

A falta de disponibilidade de órgãos para transplantes faz com que o processo de seleção do candidato ideal para um transplante, seja cuidadosamente estudado. Dessa maneira, há alguns fatores a serem considerados ao escolher o candidato ideal.

Aspectos como idade avançada, existência de outras doenças ou alcoolismo e tabagismo podem impedir a pessoa afetada de receber um transplante de coração. Em muitos desses casos o paciente fica sem opções de tratamento.

Você pode estar interessado em saber: Como reconhecer as diferenças entre um infarto, uma parada cardíaca e um ataque cardíaco

Válvulas cardíacas artificiais

Sem dúvida alguma, para quem não pode fazer um transplante de coração, o desenvolvimento de dispositivos de assistência ventricular artificial tornou-se uma opção fantástica.

Os dispositivos de assistência ventricular são bombas mecânicas implantadas no peito e conectadas ao coração. Sua função é transmitir impulsos elétricos que ajudam o coração a bombear corretamente e com mais força.

 

No entanto, esse tipo de tratamento geralmente é uma opção temporária. Por exemplo, é frequentemente aplicado como um tratamento anterior enquanto aguarda um transplante de coração.

Batimento cardiaco

Corações artificiais

Primeiramente, para todos os casos mencionados acima, nos quais o transplante de um coração doador não é uma opção, a ideia de corações artificiais que podem substituir um coração danificado é altamente esperançosa.

Nesse contexto, as pesquisas da Universidade de Saúde e Ciências do Oregon (OHSU) pareciam mostrar que esse futuro otimista estava mais próximo do que parecia.

Já naquela época a OHSU foi a primeira a desenvolver uma válvula cardíaca artificial. Agora, continuam as pesquisas no campo dos transplantes de coração, reunindo um grupo de cientistas de várias áreas.

Assim, uma equipe de pesquisa formada por engenheiros, médicos e pesquisadores, conseguiu desenvolver um coração protético totalmente artificial, com o qual pareciam alcançar resultados promissores.

Coração artificial: em que consiste?

A prótese seria constituída por dois ventrículos artificiais de titânio. Estes possuem um mecanismo que permitiria o movimento do sangue, impulsionando-o para o organismo. Além disso, o “coração” teria um dispositivo de controle e uma bateria. Portanto, este deveria ser carregado no bolso, mas espera-se que, no futuro, seja transplantável, sob a pele.

 

O design simples da prótese é precisamente a sua melhor vantagem. Devido ao seu pequeno número de peças e à ausência de válvulas, há menos elementos que podem quebrar e falhar.

Atualmente, o grupo possui dois protótipos. Assim então, o primeiro é destinado ao transplante de coração em animais grandes, como nas vacas. O outro é destinado a transplantes de pequenos órgãos, como nas ovelhas. Este último seria de um tamanho adequado para o transplante em humanos.

Da mesma forma, vários exames clínicos foram realizados em animais, que responderam bem ao transplante. Certamente, esses resultados promissores alimentaram pesquisas, que devem ser implementadas em humanos em pouco tempo.

Atualização: o programa de transplante cardíaco da OHSU tinha 30 anos quando foi suspenso. E, de acordo com dados do Registro Científico de Transplante, realizou 30 transplantes de coração entre 2015 e 2016. Finalmente, no verão de 2019 a equipe anunciou a possibilidade de ativá-lo novamente.