Transplante de coração: como é o processo?

13 Junho, 2020
O transplante cardíaco é uma operação que costuma ser realizada quando o tratamento que o paciente estava fazendo não apresentou os resultados esperados. É uma cirurgia complexa, mas a taxa de sobrevivência é alta se o procedimento for realizado adequadamente.

Um transplante de coração é uma operação em que o coração saudável de um doador serve como um substituto para o coração doente de um receptor.

Essa cirurgia geralmente é realizada quando o tratamento que o paciente estava fazendo não surtiu os resultados esperados. Assim, a doença continua e piora, causando insuficiência cardíaca.

O transplante de coração é uma operação complexa. No entanto, a taxa de sobrevivência é alta se o procedimento for realizado adequadamente.

O transplante, de maneira genérica, deve ser realizado dentro de quatro horas após a extração. É por isso que os corações são oferecidos primeiro aos centros de transplante perto de onde o doador está localizado.

Razões pelas quais um transplante de coração pode ser necessário

Transplante de coração
O transplante de coração é a última alternativa a ser avaliada após observar uma falha na eficácia dos medicamentos.

Como mencionado acima, um transplante de coração é realizado apenas no caso de outros medicamentos e até cirurgias anteriores terem falhado. Em adultos, a insuficiência cardíaca pode ser causada por várias doenças. As mais importantes são as seguintes:

  • Problemas com as artérias coronárias ou válvulas cardíacas.
  • Cardiomiopatia, o que significa um enfraquecimento do músculo cardíaco.
  • Problemas cardíacos congênitos.
  • Arritmias ventriculares.
  • Amiloidose.
  • Problemas após um transplante cardíaco anterior.

Em crianças, os problemas mais comuns são cardiopatias congênitas ou cardiomiopatias. Nesses casos, a maioria delas se manifesta no nascimento ou na primeira infância.

Procedimento da cirurgia

Trata-se de uma cirurgia cardíaca aberta. O processo de transplante de coração leva várias horas. Além disso, caso o paciente já tenha feito outras cirurgias cardíacas anteriores, a operação será mais complicada e levará ainda mais tempo.

Durante o procedimento, além do uso de anestesia geral, é essencial ter uma máquina de circulação extracorpórea. Ela mantém o sangue rico em oxigênio do paciente circulando no corpo.

Cirurgia de transplante de coração
Essas operações são longas e requerem equipamentos altamente especializados, como uma máquina de circulação extracorpórea.

O profissional, através de uma incisão no peito, abrirá a caixa torácica para operar o coração. Após remover o coração doente e inserir o coração do doador, o cirurgião conecta os vasos sanguíneos correspondentes. Então, o fluxo sanguíneo é restaurado.

Existe a opção, em certos casos, de realizar um transplante de múltiplos órgãos. Ou seja, realizar o transplante de outro órgão, como pulmão, fígado ou rim, ao mesmo tempo em que ocorre o transplante de coração.

Você pode se interessar em ler: Pericardite: sintomas, causas e tratamento

Pós-operatório do transplante de coração

Após a operação de transplante de coração, é muito importante fazer revisões constantes e monitorar a evolução do paciente. Isso é fundamental, principalmente devido à possibilidade de rejeição que pode ocorrer no coração doado.

Os principais sintomas de rejeição que ocorrem são os seguintes:

  • Dificuldade para respirar.
  • Febre e fadiga.
  • Ganho de peso.
  • Urina insuficiente.

Para determinar com segurança a possível rejeição do coração doado, são realizadas biópsias do coração. O número de biópsias diminuirá com o passar do tempo. Isso envolve a inserção de um dispositivo em uma veia na direção do coração para remover uma amostra de tecido que será examinada.

Além da rejeição, há vários riscos adicionais que podem colocar o paciente em perigo. Estes são:

  • Problemas com as artérias coronárias. As artérias do coração podem se tornar espessas e endurecer. Isso pode levar à doença vascular do enxerto.
  • Efeitos colaterais de medicamentos. Especialmente por imunossupressores.
  • Câncer. Os imunossupressores também podem aumentar o risco de câncer.
  • Infecções. Os imunossupressores aumentam o risco de infecção.

Não deixe de ler: Síndrome coronária aguda (SCA)

Dispositivos de assistência ventricular

Cirurgia cardíaca
Nos casos em que o transplante não pode ser realizado, existem alternativas que simulam o bombeamento do coração.

Vale ressaltar que existem várias opções adicionais ao transplante cardíaco. Elas são destinadas a pessoas que, por várias razões, não podem ser submetidas à operação.

Para muitos pacientes, uma solução muito boa é um dispositivo de assistência ventricular (DVA) como tratamento a longo prazo. Trata-se de uma bomba mecânica que deve ser implantada no peito. Seu papel é ajudar o coração a bombear dos ventrículos para o resto do corpo.

Às vezes, esses dispositivos de assistência ventricular são usados ​​temporariamente como tratamento para pessoas que aguardam um transplante de coração.

Se um dispositivo de assistência ventricular não for suficiente para o paciente, mas ele estiver na fila de espera da operação, os profissionais poderão considerar o uso de um coração artificial total. Este dispositivo funciona substituindo os ventrículos do coração e pode ser bastante eficaz.