Canesten: usos e efeitos colaterais 

06 Janeiro, 2020
O canesten é um medicamento cuja substância ativa é o clotrimazol. É utilizado no tratamento de infecções fúngicas superficiais, incluindo infecções vaginais. Como se utiliza? Nós dizemos aqui.  
 

O canesten pode ser apresentar-se em creme, pó para uso cutâneo, como cápsula mole ou comprimido vaginal, dependendo da aplicação a que se destina.

O princípio ativo que se enquadra sob a marca “canesten” é o clotrimazol. Aqui mostramos quais os seus usos e seus possíveis efeitos colaterais.

Usos e indicações terapêuticas

O canesten é indicado no tratamento tópico de infecções fúngicas superficiais causadas por dermatófitos, fungos e leveduras, como:

  • Infecções dermatófitas: micose – Tinea pedis, tinea manuum, tinea cruris e tinea corporis
  • Pitiríase versicolor
  • Candidíase vulvovaginal
  • Balanite candidíase

Mecanismo de ação do canesten 

O clotrimazol é um antifúngico ou antimicótico derivado do grupo imidazol, que impede o crescimento de fungos, atuando no nível da síntese do ergosterol, um esterol que compõe a membrana celular de fungos e algumas leveduras.

A inibição da síntese do ergosterol causa alterações estruturais e funcionais da membrana citoplasmática, resultando em uma alteração na permeabilidade da membrana, que em última instância causa a lise ou ruptura celular.

Fórmula química do clotrimazol

Aplicação

Em primeiro lugar, você deve saber que a forma de administração é geralmente cutânea ou vulvar. Por outro lado, a duração do tratamento depende da localização e extensão da infecção fúngica. Em geral, o seguinte é recomendado:

 
  • Infecções dermatófitas: de 3 a 4 semanas
  • Pitiríase versicolor:  de 1 a 3 semanas
  • Candidíase vulvovaginal ou balanite candidíase: de 1 a 2 semanas

Além disso, como já mencionamos no início do artigo, existem outras apresentações disponíveis no mercado para o tratamento intravaginal da vulvovaginite, como comprimidos vaginais e creme vaginal com aplicador (Ginecnestesia), dependendo da localização da infecção.

Também é aconselhável limpar e secar muito bem as áreas afetadas antes de aplicar o canesten. Uma fina camada de creme é aplicada na área afetada e nas áreas circundantes, realizando uma massagem leve até a completa absorção, de 2 a 3 vezes ao dia.

Finalmente, como orientação: uma tira de creme de aproximadamente 2 cm é suficiente para tratar uma área do tamanho da mão (costas e palma da mão); esses 2 cm são equivalentes ao comprimento da última falange do dedo indicador.

Saiba: Como preparar um sabonete natural para combater infecções vaginais

Quando é contraindicado? 

O canesten é contraindicado em caso de hipersensibilidade ao clotrimazol, a qualquer outro antifúngico do grupo imidazol, ou a qualquer um de seus excipientes.

Possíveis efeitos colaterais do canesten 

Sem dúvida alguma, alguns dos efeitos adversos possíveis mais comuns são os seguintes:

  • Distúrbios ao nível do sistema imunológico, como reações alérgicas (síncope, hipotensão, dispneia, urticária).
  • Distúrbios da pele e tecidos subcutâneos, como bolhas, edema, eritema, prurido, sensação de queimação, irritação, erupção cutânea, e assim por diante.
 

Você pode estar interessado em conhecer: 5 remédios caseiros para controlar o odor e o corrimento vaginal excessivo

Finalmente, leve em conta que esses sintomas geralmente não determinam a supressão do tratamento, e são mais frequentes nos primeiros dias de uso do canesten.

Canesten em creme

Tenho candidíase e estou grávida, posso usar canesten?

Em primeiro lugar, é bom saber que a candidíase geralmente não representa um risco para o desenvolvimento da gravidez ou o crescimento do bebê, como pode acontecer com doenças sexualmente transmissíveis ou outras infecções. Além disso, o clotrimazol é um dos medicamentos comumente usados ​​durante a gravidez.

Por outro lado, as pesquisas realizadas tanto a nível experimental, como após a comercialização, revelam que não são de esperar efeitos nocivos para a mãe e a criança se o canesten for usado durante a gravidez. No entanto, durante os primeiros 3 meses de gravidez, o benefício do uso do medicamento deve ser avaliado antes de ser administrado.

Como curiosidade: um estudo recente revelou que mulheres que sofrem de Candida spp. durante o segundo trimestre da gravidez apresentam maior risco de parto prematuro e menor peso do recém-nascido, do que aqueles que sofriam de Candida spp. durante o primeiro trimestre de gravidez.

 

Finalmente, embora esse tipo de infecção não seja um risco especial para o bebê, pode se espalhar no momento do parto. Por outro lado, a candidíase é transmitida à criança através do contato com a vagina durante um parto natural. Por isso, se houver suspeita de infecção vaginal por candidíase durante a gravidez, é aconselhável visitar o ginecologista.

  • Agencia Española del Medicamento (2019). Centro de información del medicamento. Ficha técnica. Canestén. Disponible en: https://cima.aemps.es/cima/dochtml/ft/52626/FT_52626.html
  • Rang HP, Dale MM (2012). Farmacología 7ª edición. Antimicóticos, 52: 652
  • Holzer I, Farr A, Kiss H, et al (2017). The colonization with Candida species is more harmful in the second trimester of pregnancy. Arch Gynecol Obstet, 295:891-895. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2825576
  • Ford N, Shubber Z, Jao J, Abrams EJ, Frigati L, Mofenson L. Safety of cotrimoxazole in pregnancy: a systematic review and meta-analysis. J Acquir Immune Defic Syndr. 2014;66(5):512–521. doi:10.1097/QAI.0000000000000211