Bradicardia: causas, sintomas e tratamento

Você já sentiu que seu coração estava batendo mais lentamente do que de costume? Essa condição é conhecida como bradicardia. Neste artigo, vamos contar quais são as suas causas e quais tratamentos ajudam a resolvê-la.
Bradicardia: causas, sintomas e tratamento

Última atualização: 12 Maio, 2021

Se o coração está batendo mais devagar do que o normal, falamos de bradicardia. Em condições normais, o ritmo cardíaco começa quando é gerado um impulso elétrico que, logo depois, é enviado pelo nó sinusal – também chamado de “sinoatrial” – localizado no átrio direito.

Este nó é responsável por estabelecer a frequência e o ritmo cardíacos. Por esse motivo, é considerado uma espécie de “marcapasso”. Se as vias de condução forem danificadas ou se houver uma via adicional, o coração muda de ritmo; portanto, pode bater muito rápido (taquicardia), muito lento (bradicardia) ou de maneira irregular.

Esses batimentos anormais são conhecidos como “arritmias” e podem ocorrer nas câmaras superiores (átrios) e nas inferiores do coração (ventrículos). Hoje, nos concentraremos na definição de bradicardia e nos tratamentos disponíveis para ela.

O que é a bradicardia?

O termo bradicardia se refere a várias condições nas quais o coração bate mais devagar do que o normal. Especificamente, com menos de 60 batidas por minuto.

De acordo com um artigo publicado na Trends in Cardiovascular Medicine, este é um fenômeno normal em jovens atletas ou como parte do processo de envelhecimento ou doença. Por sua vez, pode ser classificado de acordo com o nível de alternância na hierarquia do sistema de condução cardíaca.

Batimentos cardíacos
Se o coração bater mais lentamente do que de costume, estamos na presença da bradicardia.

Causas de bradicardia

A bradicardia pode ocorrer em atletas ou em pessoas que entram em estado de relaxamento profundo. Também é comum em pacientes com doenças cardíacas ou que estão sob certos tratamentos medicamentosos. Suas possíveis causas, de acordo com a Clínica Mayo, incluem as seguintes:

  • Danos ao tecido cardíaco devido ao envelhecimento.
  • Alterações no tecido cardíaco devido a doenças cardíacas.
  • Cardiopatias congênitas.
  • Infecções no tecido cardíaco.
  • Complicação de uma cirurgia cardíaca.
  • Falta de controle dos níveis de potássio ou cálcio no sangue.
  • Apneia obstrutiva do sono.
  • Doenças inflamatórias, como lúpus.
  • Medicamentos para distúrbios do ritmo cardíaco.

Sintomas principais

A apresentação clínica das arritmias varia de sinais eletrocardiográficos assintomáticos a uma ampla variedade de sintomas. No caso da bradicardia, os mais comuns são os seguintes:

  • Tonturas ou vertigens.
  • Desmaio.
  • Fadiga.
  • Dor no peito.
  • Dificuldade para respirar.
  • Confusão.

É importante observar que, se os sintomas forem graves, o manejo farmacológico e a colocação de um marcapasso de emergência devem ser indicados. É claro que essa indicação sempre deve ser feita pelo profissional.

Complicações da doença

Sem tratamento imediato, a bradicardia pode levar a complicações de saúde. A seguir, detalhamos as mais relevantes.

  • Incapacidade do coração de bombear sangue suficiente (insuficiência cardíaca).
  • Parada cardíaca súbita ou morte súbita.
  • Desmaios repetidos.
  • Alterações na pressão arterial (hipotensão e hipertensão).

Diagnóstico

Para estabelecer o diagnóstico de bradicardia, é fundamental encontrar uma relação causal entre os sintomas e as várias anormalidades que podem aparecer no eletrocardiograma (ECG). Dada a natureza intermitente e imprevisível dessa condição, o processo pode ser difícil.

É importante levar em consideração o histórico médico e realizar um ECG de superfície de 12 derivações. Também pode ser feito um registro holter de eletrocardiograma (Holter ECG de longa duração) e um teste de esforço.

Tratamento da bradicardia

O tratamento da bradicardia deve ser limitado aos pacientes em que há uma correlação clara entre os sintomas e o ritmo. Pacientes assintomáticos não requerem tratamento específico.

Em geral, a primeira medida para o tratamento de pessoas sintomáticas é a suspensão de qualquer medicamento que diminua o ritmo cardíaco. Além disso, qualquer condição subjacente relacionada deve ser controlada.

O cardiologista é o mais indicado para realizar os exames e controles necessários.

Por último, quando outros tratamentos não funcionam, o médico sugere o implante de um marcapasso permanente. Em caso afirmativo, o profissional informará todos os detalhes necessários, como riscos, benefícios e preparação para a colocação do mesmo.

Tratamento com marcapasso
Se a primeira linha de tratamento para a bradicardia não funcionar, o médico pode sugerir um marcapasso.

Prognóstico

A progressão e o prognóstico da bradicardia dependerão de vários fatores, incluindo os seguintes:

A evolução natural dessa alteração é altamente diversa e com frequência imprevisível. Pacientes que tiveram episódios de desmaios devido à bradicardia podem continuar a ter recorrência.

A incidência de morte súbita é baixa e o tratamento com marcapasso não parece melhorar a sobrevida geral. No entanto, reduz a morbidade.

Em qualquer caso, é aconselhável manter um controle médico regular, pois intervenções adequadas evitam complicações. O médico de família ou o profissional de cardiologia solicitará exames e tratamentos sempre que a alteração o exigir.

Pode interessar a você...
Como o estresse afeta o coração?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Como o estresse afeta o coração?

Saiba como o estresse afeta o coração e todo o sistema cardiovascular. Quase todas as doenças físicas são influenciadas pela saúde mental.



  • Vogler, J., Breithardt, G., & Eckardt, L. (2012). Bradiarritmias y bloqueos de la conducción. Revista Española de Cardiología, 65(7), 656–667. https://doi.org/10.1016/j.recesp.2012.01.025
  • Sidhu S, Marine JE. Evaluating and managing bradycardia. Trends Cardiovasc Med. 2020 Jul;30(5):265-272. doi: 10.1016/j.tcm.2019.07.001. Epub 2019 Jul 9. PMID: 31311698.
  • Alliance, A. (2018). Programa de Estudio y Tratamiento de las Arritmias Cardiacas. https://www.heartrhythmalliance.org/files/files/A-A Uraguay/100915-FINAL-AA-Uruguay-Bradicardia (ritmo cardíaco lento).pdf
  • Hernández, G. A. (2007). Symptomatic bradicardia and pacemaker use in the emergency room. Revista Facultad de Medicina (Colombia), 55(3), 191–209.
  • Vogler, J. (2015). ´ n Bradiarritmias y bloqueos de la conduccio. 65(7), 656–667.