Blefarite: causas, sintomas e tratamento

31 de março de 2019
A blefarite é uma doença que consiste na inflamação da borda livre da pálpebra. É necessário tratá-la corretamente para evitar complicações.

A blefarite é definida como a inflamação da borda da pálpebra. É importante lembrar que existem várias glândulas responsáveis ​​por secretar substâncias na borda da pálpebra. Algumas dessas glândulas produzem gordura, são conhecidas como glândulas de Meibom, cuja disfunção é a causa mais frequente de blefarite.

Quando as glândulas de Meibom são obstruídas, a drenagem adequada das secreções não pode ser realizada e bactérias típicas da pele se proliferam.

Em geral, afeta as duas pálpebras do paciente. Principalmente, a região onde nascem os cílios. Isso acontece porque é a localização mais frequente das glândulas de Meibom.

Quais são os sintomas mais frequentes da blefarite?

Mulher com blefarite

Geralmente, os pacientes com esse distúrbio desenvolvem uma série de sinais característicos. Por exemplo, entre os sintomas mais comuns podemos destacar:

  • Fotossensibilidade ou sensibilidade à luz.
  • Olhos vermelhos e lacrimejo constantes. Além disso, o indivíduo pode apresentar olhos secos devido a alterações para manter o globo ocular hidratado.
  • Inchaço nas pálpebras. Também costumam adquirir uma tonalidade avermelhada e uma textura gordurosa.
  • Piscar frequente acompanhado de um ardor ou desconforto. O paciente descreve essa sensação como se tivesse areia nos olhos.

Além disso, outros sintomas também bastante frequentes incluem:

  • Alterações nos cílios. Como regra geral, há perda de cílios ou eles nascem na direção errada (cílios desviados).
  • Pele seca e descamada nas áreas próximas aos olhos e nas pálpebras. Se o problema persistir por muito tempo, é possível que se formem cicatrizes a longo prazo.
  • Presença de remelas duras na forma de uma crosta pela manhã.
  • Terçol. É um nódulo que está localizado na área do nascimento dos cílios. Geralmente é o resultado de uma infecção na área e causa desconforto.
  • Calázio. Quando as glândulas sebáceas se infectam, forma-se um nódulo que inclui tanto a parte externa quanto a interna da pálpebra. Neste caso, o resultado é a inflamação da pálpebra e geralmente apresenta um tom avermelhado.
  • Conjuntivite de forma habitual ou crônica.
  • Problemas na córnea, resultantes da irritação desta camada ou outras lesões relacionadas.

Talvez te interesse: 6 remédios alternativos e naturais para curar o ressecamento ocular

Quais são as possíveis causas da blefarite?

Começo da blefarite na pálpebra

Atualmente, a medicina ainda não conseguiu identificar a causa exata desse distúrbio. No entanto, especialistas dizem que há uma série de fatores ou desencadeantes da blefarite.

Assim, as causas mais frequentes são:

  • Obstrução das glândulas sebáceas das pálpebras. Esta alteração geralmente se deve a uma infecção bacteriana. Também é possível que seu funcionamento não seja adequado devido a causas desconhecidas.
  • Dermatite seborreica ou outras doenças da pele, como a rosácea.
  • Presença de ácaros, piolhos ou outros seres vivos nos cílios que podem danificar esta região.
  • Por fim, reações alérgicas a compostos oculares, tais como medicamentos, maquiagem, etc.

Qual é o tratamento mais adequado?

Primeiramente, o diagnóstico de blefarite será realizado (a equipe médica usará uma série de exames médicos para fazer isso). Em seguida, os especialistas estudarão as opções de tratamento mais adequadas para cada paciente. Entre os métodos terapêuticos mais utilizados estão:

  • Em primeiro lugar, o tratamento da alteração subjacente. Este é o caso da rosácea e da dermatite seborreica.
  • Logo, antibióticos para tratar infecções bacterianas nas glândulas sebáceas. Eles geralmente são aplicados localmente (usando gotas ou cremes). Eles também podem ser administrados por via oral.
  • Também, anti-inflamatórios para reduzir o inchaço nos olhos. Eles estão na forma de gotas ou pomadas.
  • Além disso, o uso de lágrimas artificiais no caso de olhos secos.
  • Finalmente, anti-histamínicos, caso o desencadeante seja uma alergia.

Descubra: Ibuprofeno: 7 alternativas naturais

Outro tratamento importante é o cuidado pessoal. Deve ser feito duas a quatro vezes por dia e consiste nas seguintes etapas:

  • Primeiramente, coloque uma compressa ou gaze molhada nas pálpebras por alguns minutos. Dessa maneira, as crostas se soltam facilmente quando você as remove com um novo pano úmido.
  • Logo em seguida, limpe a borda da pálpebra, esfregando suavemente com outra compressa com água.
  • Finalmente, enxágue abundantemente com água morna. Para secar a área corretamente você baterá suavemente com uma toalha limpa.