Beijo de Singapura: o que é e como fazer

O beijo de Cingapura é prazeroso tanto para o homem quanto para a mulher. Os diferentes movimentos e posturas ajudam nunca sentir tédio na cama.
Beijo de Singapura: o que é e como fazer

Escrito por Yamila Papa Pintor

Última atualização: 26 maio, 2022

Muito erótico e prazeroso, o beijo de Singapura tem uma longa história, e aparentemente foi “aprimorado” pelas gueixas asiáticas para proporcionar sensações ainda mais intensas.

A seguir contaremos mais sobre esse beijo e ensinaremos como fazê-lo, além de mostrar outras informações interessantes. Não perca!

História do beijo de Singapura

O beijo de Cingapura nasceu na Índia.

Embora seja conhecido como ‘beijo de Singapura’, suas origens remontam à Índia há mais de 3.000 anos. Naquela época havia um grupo de mulheres que se dedicava a criar diferentes técnicas para levar os homens ao prazer supremo.

Essas mulheres identificaram como estimular os parceiros durante o sexo. Esse conhecimento chamado kabazza ou pompoir cruzou séculos e fronteiras. Portanto, ainda hoje ele ainda é praticado em diferentes partes do mundo.

Tailândia e Japão foram dois dos países que em pouco tempo aumentaram o número de ‘profissionais’ desse beijo. De fato, a conhecida gueixa japonesa foi além ao incluir os músculos abdominais no movimento.

Também é importante citar a experiente senhorita Diane de Poitiers, que viveu na Europa e foi amante de nada menos que dois reis (Francisco I e Henrique II). A questão é que, aplicando métodos orientais aos seus encontros íntimos, tanto ela como os seus parceiros conseguiam desfrutar o prazer ao máximo.

Como o beijo de Singapura é feito?

Além da história, pode ser interessante aprender como é feito esse beijo milenar e erótico. Em essência, trata-se de atingir um orgasmo mais intenso por meio de certos movimentos femininos.

Durante a penetração, a mulher deve contrair e relaxar os músculos vaginais para simular uma sucção. A sensação que um homem tem é semelhante à experimentada durante o sexo oral. Porém, a diferença é que durante o beijo de Cingapura ambos sentem prazer juntos.

Mulher prestes a fazer o beijo de Cingapura.

Embora esses movimentos possam ser “fáceis” ou “naturais” para algumas mulheres, para outras é preciso prática, seja durante o sexo ou fora dele.

Como primeiro passo para a realização desta técnica é necessário que o homem esteja deitado e a mulher se sente em cima dele. Embora não haja uma posição específica para fazer o beijo de Singapura, não podemos esquecer de que ela é quem domina a situação.

Quando o homem penetra na mulher:

  • Ela deve manter os quadris parados por alguns segundos.
  • Se concentrar em mover apenas o músculo pubococcígeo (localizado no assoalho pélvico).
  • A cadência deve ser lenta e rítmica, comprimindo e liberando o órgão sexual masculino várias vezes.

Mas como identificar o músculo pubococcígeo? Bem, da próxima vez que você for ao banheiro para urinar, tente interromper o fluxo do líquido ‘comprimindo’ o púbis. Esses são justamente os músculos necessários para a execução do beijo de Singapura.

Conforme você os repete, será mais fácil e você suportará mais tempo. De fato, estudos como o da professora Isabel CN Sacco e sua equipe mostram como as participantes mais treinadas conseguem manter a pressão no canal vaginal por mais tempo.

Como melhorar a técnica?

Se quiser melhorar a sua ‘performance’, também pode ser realizada a terapia Kegel. Ela é adequada para homens e mulheres, e foi projetada para fortalecer os músculos pélvicos.

Outra alternativa é se deitar de costas na cama ou no sofá, contrair a vagina por alguns segundos, descansar e fazer de novo. Acompanhe o exercício com respirações profundas. Aos poucos, aumente o período em que você aperta e diminua as pausas.

Algumas mulheres também usam as chamadas ‘bolas chinesas’, que são colocadas como um tampão durante o exercício de contração. Desta forma, a região pélvica é fortalecida, o que ajuda a melhorar o desempenho sexual.

Além disso, revisões recentes como a conduzida por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Montreal (Canadá) indicam que o treinamento dos músculos do assoalho pélvico é, por sua vez, eficaz na prevenção da incontinência urinária leve.

Casal prestes a se beijar.

Quais são os benefícios que o beijo de Singapura oferece?

Ao contrário de outras técnicas, este método dá a homens e mulheres a possibilidade de experimentar um orgasmo mais intenso. A satisfação é, portanto, feminina e masculina.

Como já comentamos, a mulher está no controle da situação. Além disso, essa técnica estimula o clitóris e a vagina ao mesmo tempo e trabalha os músculos do assoalho pélvico.

Por sua vez, o homem experimenta novas sensações ao desfrutar o sexo de forma mais prolongada.

Se tiver coragem de experimentar, lembre-se destas dicas nos seus próximos encontros, assim como das medidas de proteção e higiene para que você e o seu parceiro estejam seguros.

Pode interessar a você...

Quais beijos são os mais excitantes?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Quais beijos são os mais excitantes?

Você sabe quais beijos são mais excitantes e por quê? Acha que o seu favorito pode estar na nossa lista? Descubra a seguir.



  • Cacciari, L. P., Pássaro, A. C., Amorim, A. C., & Sacco, I. C. N. (2017). High spatial resolution pressure distribution of the vaginal canal in Pompoir practitioners: A biomechanical approach for assessing the pelvic floor. Clinical Biomechanics, 47, 53–60. https://doi.org/10.1016/j.clinbiomech.2017.05.015
  • Dumoulin, C., Cacciari, L. P., & Hay-Smith, E. (2018). Pelvic floor muscle training versus no treatment, or inactive control treatments, for urinary incontinence in women. The Cochrane Database of Systematic Reviews10(10), CD005654. https://doi.org/10.1002/14651858.CD005654.pub4
  • Lesley Downer (2003). Madame Sadayakko: The geisha who bewitched the West. New York: Dutton/Signet.
  • Martín, A. G., del Olmo Cañas, P., Moreno, N. C., Varela, M. M., & Lluva, C. G. (2005). Reeducación del suelo pélvico. Enfuro, (94), 19-22.
  • Mineko Iwasaki, Rande Gail Brown (2002). Geisha, a Life. New York: Atria Books.