O que é a aversão ao sabor e como ela pode ser superada?

A aversão ao sabor vai além da rejeição marcante de um alimento. Especificamente, faz parte da teoria clássica do condicionamento.
O que é a aversão ao sabor e como ela pode ser superada?

Última atualização: 25 Agosto, 2021

Você já sentiu o seu estômago revirar só de ouvir o nome de uma refeição? Essa sensação está associada à aversão ao sabor, uma condição que provoca a rejeição de certos alimentos pois, após ingeri-los, sentimos uma sensação de mal-estar.

Embora a comida nem sempre seja a causa do desconforto, sua ingestão costuma estar associada ao aparecimento de sintomas. Assim, uma simples menção ao seu nome causa calafrios. Por que isso acontece? A aversão está relacionada ao condicionamento clássico. Vamos falar mais sobre isso a seguir.

Condicionamento clássico

O condicionamento clássico é baseado no ato de combinar diferentes estímulos associando-os, mesmo quando eles não estão relacionados entre si. É um tipo de aprendizagem comportamental descoberta pelo psicólogo russo Ivan Pavlov.

Nesse contexto, existe um estímulo neutro e um não condicionado que, juntos, podem gerar uma resposta automática. A aprendizagem que ocorre dentro da estrutura do condicionamento clássico é baseada na combinação de estímulos neutros e não condicionados em ocasiões repetidas.

Mulher com aversão à comida
Na aversão ao sabor, a comida está associada ao desconforto digestivo experimentado após um consumo anterior.

Aversão ao sabor

Como o condicionamento clássico está relacionado à aversão ao sabor? O alimento que nos causa rejeição seria o estímulo neutro que é emparelhado com a doença, ou seja, o estímulo não condicionado.

Essa associação nos leva a dar uma resposta incondicional, que seria a de se sentir mal. Após essa união, o estímulo inicialmente neutro passa a condicionar uma resposta de rejeição do alimento.

Assim, a aversão ao sabor condicionado ocorre quando adoecemos após comer um determinado alimento que acabamos associando à causa da doença. Consequentemente, só de pensar nisso já nos sentimos mal, independentemente de a comida ser a causa do desconforto ou não.

Embora isso possa não estar totalmente relacionado com a teoria do condicionamento clássico, visto que estamos diante de uma aversão seletiva, já foi mostrado onde reside a importância do estímulo.

Nesse sentido, podemos dizer que o preparo biológico que os seres vivos possuem está pronto para estabelecer associações entre estímulos e resultados. Dessa forma, os animais tendem a evitar comer os alimentos que os machucam, pois é uma questão instintiva de garantir a sobrevivência.

O que pode causar a aversão ao sabor?

Em geral, as razões pelas quais certos alimentos geram aversão ao sabor são desconhecidas. Muitas vezes, mesmo depois de verificarmos que o alimento não tinha relação com o que veio a seguir, continuamos a sentir rejeição por ele. Estamos cientes de que não havia conexão entre eles e, ainda assim, não conseguimos ingeri-lo novamente.

Isso pode ocorrer após ter comido o alimento em questão apenas uma vez e após algumas horas, quando o organismo apresenta os primeiros sintomas, mas a rejeição também pode durar dias e até anos.

Como lidar com isso?

A aversão ao sabor é tratada principalmente no campo da psicologia. Isso significa que, na maioria das vezes, a doença não é causada por uma alergia a alimentos, mas pelas associações que a mente faz entre a comida e o desconforto subsequente.

Uma das formas de contornar isso é estabelecendo novas parcerias. Assim, em vez de associar a comida à vontade de vomitar, é melhor associá-la a um bom restaurante ou a um momento agradável. Você também pode tentar variar a receita. Por exemplo, se for espaguete com molho de tomate, troque o molho por um cremoso ou azeite.

Finalmente, expor-se gradualmente ao alimento que desencadeia a aversão pode funcionar. Comece com o seu aroma, depois experimente um pouco, até comer porções maiores. Se não houver bons resultados com esses métodos, é melhor procurar ajuda profissional.

O psicólogo pode oferecer outras estratégias para superar a aversão. Isso é importante especialmente se a rejeição de alimentos impede a manutenção de uma dieta saudável e balanceada.

Nutricionista
O acompanhamento nutricional é fundamental quando a aversão ao sabor compromete a qualidade da dieta.

O que devemos lembrar sobre a aversão ao sabor?

Às vezes, a aversão ao sabor desaparece com o tempo e não requer nenhum tratamento especial. Porém, há quem a mantenha por meses ou anos. Eles podem até desenvolver rejeição a vários alimentos. Nesse caso, é melhor procurar atendimento médico ou psicológico, pois isso pode afetar a qualidade da dieta.

Pode interessar a você...
O que é a sadorexia?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
O que é a sadorexia?

Você já ouviu falar da sadorexia? A seguir, contaremos tudo sobre essa patologia perigosa cada vez mais comum entre os adolescentes.



  • Pérez, A. M., & Cruz, J. E. (2003). Conceptos de condicionamiento clásico en los campos básicos y aplicados. Interdisciplinaria20(2), 205-227.
  • Hernández, A. J. C. La aversión en la modificación conductual.
  • Ibáñez, E. C. (2001). La aceptabilidad de los alimentos: nutrición y placer. Arbor168(661), 65-85.
  • Chambers KC. Conditioned taste aversions. World J Otorhinolaryngol Head Neck Surg. 2018;4(1):92-100. Published 2018 May 5. doi:10.1016/j.wjorl.2018.02.003
  • Bower, G. H., Hilgard, E. R., & Palacios, J. M. S. (1989). Teorías del aprendizaje. Trillas.
  • Acosta, A. M. P., Rozo, J. A., & Baquero, H. T. (2003). Hitos de la perspectiva molar del condicionamiento clásico. Psicología desde el Caribe, (12), 1-12.
  • Mitjana, L. R. Esta teoría desarrollada por Iván Pávlov propone una explicación sobre el condicionamiento clásico.