Como detectar o astigmatismo em crianças?

Uma criança com astigmatismo sofre atrasos na escola e dificuldades de leitura porque não consegue se concentrar corretamente. A detecção do problema é fundamental para a correção adequada e oportuna.
Como detectar o astigmatismo em crianças?

Última atualização: 06 Fevereiro, 2021

O astigmatismo em crianças é um defeito de visão muito comum. Na verdade, afeta quase 15% de toda a população, com a maioria dos casos começando na infância ou na adolescência.

Isso acontece porque o astigmatismo tem um certo componente hereditário. Essas informações podem ajudar a orientar o diagnóstico, pois também estão frequentemente associadas a outros distúrbios visuais, como a miopia, que tem herança familiar.

O problema é que, se o astigmatismo em crianças não for detectado precocemente, pode afetar significativamente o seu desempenho escolar. Portanto, neste artigo, explicaremos tudo que você precisa saber sobre o problema e como ele é diagnosticado.

O que é o astigmatismo em crianças?

O astigmatismo é um erro de refração, assim como a miopia e a hipermetropia. Erros de refração são alterações a nível ocular que impedem o olho de focar os raios de luz adequadamente na retina. O resultado disso é a visão turva.

No caso do astigmatismo, a dificuldade ocorre ao tentar focar um objeto que está a qualquer distância. Ou seja, a visão de longe e a de perto são afetadas igualmente.

A principal diferença em relação à miopia é que, neste caso, o que se deteriora é a visão de objetos que estão distantes. Por sua vez, na hipermetropia, o defeito ocorre com a visão de perto. É importante saber distingui-los porque cada um é corrigido de uma forma diferente.

Mãe e filha usando óculos
O astigmatismo infantil tem um componente hereditário que o torna mais comum entre pais e filhos.

Qual é a causa do astigmatismo em crianças?

O astigmatismo em crianças, como já mencionamos, geralmente tem um componente hereditário. Em outras palavras, é muito mais frequente quando um dos pais, ou ambos, também sofrem com isso. No entanto, também há casos em crianças sem histórico familiar, pois a condição genética não é essencial.

O olho da criança astigmática tem uma córnea mais achatada do que o normal. Essa lente anterior do globo ocular é uma das óticas do olho que permite que os raios de luz incidam sobre a retina. Sua forma normal é côncava.

Por ser achatada, os raios não se projetam na retina, mas na frente ou um pouco atrás. Em algumas ocasiões, o formato do cristalino também se altera, além do da córnea.

Os tipos da doença

O astigmatismo em crianças pode ser de diferentes tipos, dependendo de estar ou não associado a outros erros refrativos. Para entendê-lo, é necessário primeiro explicar o que são os meridianos oculares. Se olharmos para o olho de frente, um meridiano divide o globo ocular de cima para baixo. O outro faz isso da esquerda para a direita.

Temos, em primeiro lugar, o astigmatismo míope. Nesse caso, um ou ambos os meridianos do olho focalizam como um olho com miopia. Por outro lado, o astigmatismo em crianças pode ser hipermetrópico. Nesse caso, o olho foca mal em distâncias curtas. Finalmente, o astigmatismo pode ser misturado, combinando defeitos dos dois anteriores.

Quais são os sintomas de astigmatismo em crianças?

Para detectar o astigmatismo na infância, é importante prestar atenção aos sintomas. É um pouco mais complexo de suspeitar do que a miopia ou a hipermetropia, nas quais os sinais são mais óbvios e complicam imediatamente o desempenho escolar.

Um dos sintomas mais frequentes é o atraso escolar. A criança pode parecer desatenta ou dispersa, talvez até hiperativa. Porém, a falta de concentração vem da incapacidade de focar nas letras dos livros ou na lousa durante a aula.

Essas crianças tendem a ter dores de cabeça frequentes e a apertar os olhos para tentar focar. Outro gesto típico é inclinar a cabeça para ver melhor. Isso os leva a ficar com os olhos vermelhos ou com uma sensação de coceira devido ao esforço excessivo.

O baixo interesse pela leitura que demonstram vem das dificuldades visuais, não de outra origem. Ao ler em voz alta, alguns tendem a pular linhas inteiras do texto ou mudar as sílabas.

Menino enxergando mal
Os problemas de leitura decorrentes do astigmatismo infantil vêm da visão, não de um distúrbio intelectual.

Como é diagnosticado?

Para diagnosticar o astigmatismo em crianças, além de observar todos os sintomas, é fundamental que a criança vá ao oftalmologista. Lá, ela será submetida a um exame oftalmológico e a uma série de métodos e exames complementares que ajudarão a direcionar a suspeita inicial.

Os oftalmologistas, em um exame oftalmológico, geralmente usam lentes diferentes para avaliar todos os aspectos da visão. Assim que o astigmatismo for estabelecido, a criança provavelmente precisará de óculos ou de lentes de contato. No entanto, isso deve ser decidido caso a caso.

O que devemos lembrar é que o astigmatismo em crianças afeta a sua educação. Por isso é importante ficar atento aos sintomas, como a maneira como a criança lê ou se sofre de dores de cabeça. A tarefa de detecção é da responsabilidade dos pais e educadores, que são as pessoas que mais passam tempo com as crianças.

Pode interessar a você...
6 coisas curiosas que todo paciente com miopia deve saber
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
6 coisas curiosas que todo paciente com miopia deve saber

Os pacientes com miopia podem melhorar sua condição naturalmente com algumas mudanças no seu estilo de vida. Veja aqui conosco.



  • Frecuencia de ametropías en niños. (n.d.). Retrieved June 30, 2020, from http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-75312010000300004
  • Bermúdez, Marta, Yolanda López, and Luisa Fernanda Figueroa. “Astigmatismo en niños.” Ciencia y tecnología para la salud visual y ocular 4.7 (2006): 57-62.
  • Características del astigmatismo en niños. (n.d.). Retrieved June 30, 2020, from http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-21762019000200008
  • Lee, Jason, and Daniele P. Saltarelli. “Management of Astigmatism in Children.” Practical Management of Pediatric Ocular Disorders and Strabismus. Springer, New York, NY, 2016. 51-58.
  • Zeng, Wen-hui. “Astigmatism on optical quality in young patients with low to moderate myopia.” International Eye Science 18.12 (2018): 2293-2296.
  • Liu, Yanlin, et al. “Evaluating internal and ocular residual astigmatism in Chinese myopic children.” Japanese journal of ophthalmology 61.6 (2017): 494-504.
  • Shah, Rupal L., et al. “Genome-wide association studies for corneal and refractive astigmatism in UK Biobank demonstrate a shared role for myopia susceptibility loci.” Human genetics 137.11-12 (2018): 881-896.
  • Shao, Xu, et al. “Age-Related changes in corneal astigmatism.” Journal of Refractive Surgery 33.10 (2017): 696-703.
  • Garg, Pragati, and Astha Agrawal. “Prevalence of astigmatism in headache.” Indian Journal of Clinical and Experimental Ophthalmology 4.2 (2018): 268-272.
  • Ijaz, Rida, Hijab Ijaz, and Naeem Rustam. “Prevalence of Astigmatism in School Going Children.” Pakistan Journal of Ophthalmology 33.3 (2017).