O que é a androstenediona e como ela afeta o nosso corpo?

Os hormônios sexuais regulam um grande número de funções relacionadas à reprodução. Infelizmente, a variação de substâncias como a androstenediona pode causar alterações significativas.
O que é a androstenediona e como ela afeta o nosso corpo?

Última atualização: 02 Setembro, 2021

Todas as funções do corpo humano são reguladas por substâncias específicas chamadas de hormônios. A síntese hormonal é um processo complexo, que requer várias enzimas e outros compostos antes de obter o resultado final. A androstenediona é um dos precursores da síntese de andrógenos.

Os andrógenos são um conjunto de hormônios cuja função principal é o desenvolvimento das características sexuais secundárias masculinas. No entanto, eles também participam de outros processos importantes. Na verdade, estudos mostram que eles desempenham um papel relevante no desenvolvimento e manutenção do esqueleto.

O que é a androstenediona?

A androstenediona é um hormônio esteróide pertencente ao grupo dos andrógenos. Também é conhecida como andro, andros ou 4-androstenediona. O corpo humano é capaz de sintetizar esse composto em várias glândulas, embora ele também possa ser encontrado na carne e em algumas plantas.

A principal estrutura responsável pela produção desse hormônio é o córtex da glândula adrenal. As gônadas também participam da sua síntese, sendo possível encontrar altas concentrações nos testículos e ovários. Essa substância tem origem no colesterol, que deve passar por uma série de alterações enzimáticas para se tornar o composto.

A androstenediona não é um hormônio propriamente dito, pois sua atividade intrínseca é muito fraca. Nesse sentido, os especialistas o consideram um pró-hormônio, por ser um importante precursor da testosterona e de alguns estrógenos. É transformado em hormônios finais nas próprias gônadas ou nos tecidos periféricos.

Os níveis sanguíneos de androstenediona costumam ser baixos em ambos os sexos. Na verdade, estudos indicam que sua concentração varia entre 60 e 230 nanogramas por decilitro em homens entre 20 e 30 anos. No entanto, esses níveis podem ser aumentados em mulheres na menopausa devido à produção de estrona.

Alguns atletas usaram suplementos orais de androstenediona para melhorar o desempenho há alguns anos. No entanto, não há estudos científicos que comprovem esses efeitos. Além disso, as pessoas podem desenvolver reações colaterais devido ao aumento dos níveis plasmáticos de testosterona.

As glândulas adrenais produzem androstenediona
O córtex das glândulas adrenais é a área prioritária para a produção desse pró-hormônio.

Consequências dos altos níveis de androstenediona

É importante ressaltar que esse pró-hormônio é incapaz de se ligar aos receptores celulares. Nesse sentido, a própria substância não tem efeito no corpo. No entanto, altos níveis de androstenediona aumentam os níveis sanguíneos de testosterona e estrogênio.

As mulheres geralmente são as mais afetadas se os seus níveis de testosterona subirem acima dos valores normais. Esse fato pode ser traduzido no aparecimento de múltiplos sintomas, entre os quais se destaca o hirsutismo: crescimento excessivo de pelos faciais e corporais.

Níveis excessivos de andrógenos em mulheres também podem causar acne e ganho de peso, bem como alterações nos períodos menstruais e na genitália. As causas mais comuns desse distúrbio são a síndrome dos ovários policísticos e a síndrome de Cushing.

Por sua vez, os homens também sofrem várias alterações quando os níveis de androstenediona aumentam, que se devem a um desequilíbrio nas quantidades de estrogênio e testosterona. O aumento do primeiro pode causar o desenvolvimento de ginecomastia, ou seja, o aumento das glândulas mamárias.

Além disso, essa alteração acarreta outras mudanças, dependendo da sua causa. Entre os efeitos indesejados, destaca-se a diminuição do tamanho dos testículos. A causa mais comum é a presença de um tumor adrenal produtor de testosterona, ou tumores testiculares.

Consequências dos baixos níveis de androstenediona

Níveis baixos de androstenediona se traduzem em níveis reduzidos de hormônios sexuais em ambos os sexos. Esse fato retarda o início da puberdade nos meninos. Nesse sentido, eles não desenvolverão as características sexuais secundárias correspondentes ao seu sexo.

A diminuição dos andrógenos também tem grande impacto nos fetos durante a gestação, já que eles costumam nascer com alterações nos órgãos genitais. Por outro lado, a redução de estrogênio e testosterona também pode afetar pessoas na idade adulta. Os homens tendem a ter diminuição da libido, disfunção erétil, diminuição da contagem de esperma, perda de massa muscular e aumento da gordura corporal.

Felizmente, a deficiência de androstenediona não afeta muito as mulheres. Na verdade, os ovários iniciam um declínio gradual na produção de andrógenos nos anos que antecedem a menopausa.

Útero e ovários
Os ovários têm um modo particular de funcionamento que torna as deficiências de androstenediona menos óbvias nas mulheres.

Uma substância pouco conhecida, mas muito importante

A androstenediona é o principal precursor na produção de testosterona nos homens e de alguns estrogênios nas mulheres. Nesse sentido, o aumento ou diminuição da concentração dessa substância altera os níveis dos hormônios sexuais. Os níveis séricos deste pró-hormônio são muito baixos, mas podem ser úteis na detecção de algumas patologias.

As manifestações clínicas provocadas pelas alterações hormonais são muito evidentes em ambos os sexos e podem causar infertilidade. Portanto, você deve consultar um médico imediatamente na presença de sintomas que indiquem a presença de variações nos andrógenos.

Pode interessar a você...
Alopecia androgenética: sintomas, causas e tratamento
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Alopecia androgenética: sintomas, causas e tratamento

A alopecia androgenética afeta homens e mulheres. Atualmente, não há cura disponível, mas existem tratamentos que ajudam a controlá-la.



  • Picón Cesar M, Azriel Mira S. Andrógenos y hueso en la mujer. REEMO. 2000; 9(5): 184-189.
  • Marcos Becerro J. Las hormonas esteroideas sexuales, el envejecimiento y el ejercicio. Revista Andaluza de Medicina del Deporte. 2008;1(1):22-36.
  • Leder BZ, Longcope C, Catlin DH, Ahrens B et al. Oral androstenedione administration and serum testosterone concentrations in young men. JAMA. 2000 Feb 9;283(6):779-82.
  • Malaviya A, Gomes J. Androstenedione production by biotransformation of phytosterols. Bioresour Technol. 2008 Oct;99(15):6725-37.
  • Catlin DH, Leder BZ, Ahrens BD, Hatton CK et al. Effects of androstenedione administration on epitestosterone metabolism in men. Steroids. 2002 Jun;67(7):559-64.
  • Judge LW, Bellar DM, Hoover DL, Biggs D et al. Effects of acute androstenedione supplementation on testosterone levels in older men. Aging Male. 2016 Sep;19(3):161-167.