Terapia de reposição de testosterona: benefícios e riscos

Você está considerando a terapia de reposição de testosterona para aumentar a resistência ou o desejo sexual? Leia e conheça os seus riscos e benefícios antes de tomar uma decisão.
Terapia de reposição de testosterona: benefícios e riscos

Última atualização: 10 Agosto, 2021

A terapia de reposição de testosterona é um tratamento amplamente utilizado atualmente. É recomendado como método para prevenir ou reverter as consequências relacionadas à baixa produção desse hormônio.

À medida que envelhecemos, os níveis de testosterona começam a diminuir lenta e gradualmente. Isso pode causar cansaço ou falta de desejo sexual. Consequentemente, a terapia de reposição de testosterona é considerada uma alternativa antienvelhecimento.

O que acontece com a testosterona ao longo dos anos?

A testosterona é um hormônio produzido pelos testículos que desempenha várias funções no corpo. Está relacionada à força e à massa muscular, impulso ou desejo sexual, produção de espermatozoides e glóbulos vermelhos e até densidade óssea.

Os níveis desse hormônio atingem seu pico durante a juventude. No entanto, de acordo com estudos, a testosterona começa a diminuir a partir dos 30 anos. Ao chegar aos 80, a produção caiu pela metade.

Para homens com mais de 50 anos, é importante determinar se isso se deve ao envelhecimento normal. A baixa testosterona também pode ser devido a alguma doença, como hipogonadismo ou problemas de tireoide. Outras causas, como obesidade, depressão, uso de álcool e reação a medicamentos, também podem ter relação.

Agora, quando o hormônio masculino cai abaixo de um certo nível, vários sintomas começam a aparecer:

  • Cansaço e diminuição da força.
  • Redução do volume muscular com aumento da gordura corporal.
  • Baixo desejo sexual e frequência de ereções reduzida.
  • Densidade óssea diminuída.
  • Ginecomastia (inchaço e sensibilidade nos seios).
  • Sentir-se desanimado e com dificuldade de concentração ou de se lembrar das coisas.
Perda da libido devido à baixa testosterona
A redução da testosterona poderia explicar algumas situações de diminuição da libido.

O que é a terapia de reposição de testosterona?

A terapia de reposição de testosterona é usada para ajudar a melhorar alguns sintomas, como os mencionados anteriormente. O tratamento pode ser administrado de várias maneiras. Pode ser aplicado na pele com um gel que vem em sachês, com teor equivalente a 50 miligramas de testosterona.

Existem também as cápsulas, que estão entre as mais procuradas. Elas são apresentadas como potencializadores hormonais, mas não especificam a quanto cada dose equivale.

O undecanoato de testosterona é usado em injeções. Uma ampola deste composto contém 1000 miligramas, dos quais 630 miligramas correspondem à testosterona. É administrado por via intramuscular em intervalos de 12 semanas.

Estima-se que, uma vez que o undecanoato é injetado, os níveis de testosterona permaneçam dentro da faixa fisiológica por aproximadamente três meses. Em relação a isso, os níveis normais de testosterona em homens devem ser os seguintes:

  • No sangue: 288 a 1070 nanogramas por decilitro (ng/dl).
  • Testosterona livre: 90 a 300 picogramas por decilitro (pg/ml).

Quais são os benefícios da terapia de reposição de testosterona?

Em uma revisão sobre o assunto, foram encontradas evidências em vários estudos de que homens com nível abaixo de 12 nanomoles por litro (nmol/L) melhoraram com a terapia de reposição de testosterona. Os escores de função erétil e motivação sexual aumentaram, assim como as relações sexuais bem-sucedidas.

Um estudo clínico também foi feito com 163 homens com hipogonadismo, que usaram o gel por até 42 meses. Este tratamento normalizou os níveis séricos médios e de testosterona livre. Além da função sexual, aumentou a massa muscular magra, com consequente redução da gordura.

Essas e outras pesquisas mencionam os benefícios da terapia de reposição de testosterona em vários aspectos metabólicos, como a capacidade de processar a glicose. Da mesma forma, são observadas melhorias na densidade mineral óssea, aumento da força, maior resistência e redução do colesterol total.

Por outro lado, foram encontradas evidências de que a terapia de reposição de testosterona afeta positivamente as variáveis relacionadas ao humor em homens com hipogonadismo. Finalmente, com base em pesquisas com homens mais velhos, o impacto da terapia de reposição de testosterona no funcionamento cognitivo é considerado bom.

Quem está apto a iniciar a terapia de reposição de testosterona?

Para começar, a terapia de reposição de testosterona não é recomendada e não é apropriada ou necessária em pessoas saudáveis. No entanto, atualmente existe um forte marketing em torno desse tipo de tratamento, o que faz com que os produtos para aumentar o nível desse hormônio sejam muito procurados.

Em muitos homens, há uma tendência a comprar produtos para aumentar a testosterona e neutralizar situações de baixa libido, por exemplo. Mas isso é necessário?

A verdade é que os seguintes casos são indicativos de uso, sempre prescritos por um médico:

  • Hipogonadismo.
  • Câncer de testículo.
  • Disfunção no hipotálamo ou hipófise.
  • Hipotireoidismo
  • Obesidade mórbida.
  • Efeitos colaterais da quimioterapia.

Portanto, nesses casos, considera-se necessário que os homens recebam terapia de reposição de testosterona para melhorar alguns sintomas. Mas nisso não ocorre em outras situações, pois os efeitos podem ser contraproducentes.

Contraindicações e riscos

Em vários estudos, além dos benefícios potenciais da terapia de reposição de testosterona, reações e resultados adversos também foram observados. Em um ensaio clínico, um alto índice de eventos cardiovasculares foi encontrado em homens com mais de 65 anos de idade que usaram o gel.

Por outro lado, considera-se que esse tipo de abordagem pode acelerar a progressão da hiperplasia prostática benigna. Da mesma forma, pode afetar pacientes com hipercalciúria e hipercalcemia devido a metástases ósseas.

A terapia de reposição de testosterona é totalmente contraindicada em vários casos, como em homens que têm ou tiveram tumores hepáticos, que têm carcinoma da próstata ou carcinoma da glândula mamária.

Sugere-se proceder com cautela na terapia de reposição de testosterona em pacientes com qualquer uma das seguintes condições:

  • Hipertensão arterial.
  • Insuficiência hepática ou renal.
  • Trombofilia ou fatores de risco para tromboembolismo venoso.
  • Epilepsia.
  • Enxaqueca.

Além disso, precauções extras devem ser tomadas devido à interação da terapia de reposição de testosterona com outros medicamentos, como anticoagulantes orais, corticosteroides e até mesmo insulina.

A terapia pode potencializar a depressão, a apneia do sono, e afetar a espermatogênese. Alguns homens também apresentam acne, pés inchados, sensibilidade mamária e aumento dos glóbulos vermelhos (policitemia).

Coágulo sanguíneo
A testosterona exógena pode estar associada a condições perigosas de coagulação excessiva.

Esta terapia não é milagrosa nem é indicada para todos os homens

À medida que os anos passam e começamos a envelhecer, surgem vários medos em relação à nossa saúde, vigor, força e até mesmo ao desempenho sexual. No entanto, isso não significa que devemos recorrer à terapia de reposição de testosterona.

Na verdade, é possível que alguns desses sintomas se devam a outras causas. Você deve fazer um exame de sangue para descobrir os seus níveis. Mesmo que o hormônio esteja baixo, se uma condição médica não for detectada como causa potencial do declínio, existem maneiras naturais de aumentar a testosterona.

O simples fato de estar cansado ou ter um desejo sexual reduzido não é razão suficiente para usar testosterona. Se a função erétil for um problema, esta terapia não necessariamente irá resolvê-lo.

Finalmente, a terapia de reposição de testosterona também não é algo milagroso ou a fonte da juventude eterna. Além disso, não está claro se ela ajuda os homens saudáveis. Ela tem benefícios, mas também tem seus riscos.

Pode interessar a você...
Alimentação para melhorar a fertilidade do homem
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Alimentação para melhorar a fertilidade do homem

Inúmeros estudos mostram que a dieta desempenha um papel fundamental na tentativa de melhorar a fertilidade do homem. Saiba mais a seguir.



  • Bhasin S, et al. Testosterone therapy in men with hypogonadism: an endocrine society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab. 2018; 103(5): 1715–1744.
  • Gilbert K, et al. Gaps in patient knowledge about risks and benefits of testosterone replacement therapy. Urology. 2017; doi:10.1016/j.urology.2016.12.066.
  • González C, Sánchez J. Terapia de sustitución androgénica en pacientes colombianos con hipogonadismo masculino. Revista Urología Colombiana. 2013; 22(1): 47-55.
  • Lamberts S, van den Beld A, van der Lely A. The endocrinology of aging. Science. 1997; 278 (5337): 419-424.
  • Morgentaler A, Zitzmann M, Traish AM, et al. Fundamental concepts regarding testosterone deficiency and treatment: international expert consensus resolutions. Mayo Clin Proc. 2016; 91(7): 881-896.
  • Ponce O, et al. The efficacy and adverse events of testosterone replacement therapy in hypogonadal men: A systematic review and meta-analysis of randomized, placebo-controlled trials. J Clin Endocrinol Metab. 2018: https://doi.org/10.1210/jc.2018-00404.
  • Osterberg E, Bernie A, Ramasamy R. Risks of testosterone replacement therapy in men. Indian J Urol. 2014; 30(1): 2-7.
  • Qaseem A, et al. Testosterone treatment in adult men with age-related low testosterone: A clinical guideline from the American College of Physicians. Annals of Internal Medicine. 2020; doi:10.7326/M19-0882.
  • Snyder PJ, et al. Lessons from the testosterone trials. Endocrine Reviews. 2018; doi:10.1210/er.2017-00234.
  • Schulman C. The aging male: a challenge for urologists. CurR Opin Urol. 2000; 10(4): 337-345.