O que é a amenorreia hipotalâmica e por que ela ocorre?

11 Outubro, 2020
Mulheres que se submetem a dietas severas de perda de peso ou exageram nos exercícios podem desenvolver amenorreia hipotalâmica. Ela também pode ser causada pelo estresse crônico.

A amenorreia hipotalâmica é uma das anormalidades de saúde que mais surpreendem porque ocorre com frequência em mulheres com um estilo de vida aparentemente saudável. No entanto, ela pode afetar qualquer mulher; não é preciso ter um problema de saúde para que ela se desenvolva.

Segundo algumas estimativas, até 30% das mulheres podem ter amenorreia hipotalâmica em algum momento de suas vidas. Muitas delas nem percebem o problema até que decidem engravidar. Então, param de tomar pílulas anticoncepcionais, mas não conseguem menstruar novamente.

Em geral, a amenorreia hipotalâmica é uma doença que pode ser tratada com sucesso, pelo menos na maioria dos casos. Essa condição pode ser superada com bastante facilidade. No entanto, não devemos subestimá-la.

O que é a amenorreia hipotalâmica?

Ciclo menstrual

A amenorreia hipotalâmica é uma condição comum. É definida como uma doença caracterizada pela ausência de menstruação em idade reprodutiva. É causada por uma anormalidade no hipotálamo, uma parte do cérebro que controla o funcionamento do sistema nervoso e da glândula hipófise.

Considera-se amenorreia quando uma mulher não tem um período menstrual por três meses consecutivos ou mais; além disso, quando uma menina já tem 15 anos e ainda não começou a menstruar. Em condições normais, a menstruação só deve parar durante a gravidez ou menopausa.

Por que acontece?

A amenorreia hipotalâmica ocorre quando o hipotálamo libera o hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH) muito lentamente ou para de liberá-lo. Este é o encarregado de iniciar o ciclo menstrual. As principais razões pelas quais isso acontece são três:

  • Estresse.
  • Perda de peso desmedida.
  • Exercício físico excessivo.

Pode-se afirmar que a amenorreia hipotalâmica é uma resposta fisiológica a esses eventos. Tanto o estresse quanto a perda de peso e o exercício excessivo fazem com que o hipotálamo aumente a geração do hormônio liberador de corticrotopina (CRH).

Isso, por sua vez, leva a um aumento do hormônio adrenocorticotrópico (ACTH), que é produzido na hipófise, e do cortisol, que é gerado pelas glândulas adrenais. Todas essas mudanças inibem a produção de GnRH no hipotálamo e levam à interrupção do ciclo menstrual.

Os efeitos no organismo

Data prevista para a menstruação

O primeiro efeito da amenorreia hipotalâmica no corpo é, obviamente, a impossibilidade, ou grande dificuldade de engravidar. No entanto, o hormônio GnRH não só desempenha o papel de iniciar o ciclo menstrual, mas também desempenha um papel em outras funções.

O hormônio liberador de gonadotrofina ou GnRH estimula a liberação de outros hormônios essenciais para que a ovulação ocorra:

  • Hormônio luteinizante (LH).
  • Hormônio Folículo Estimulante (FSH).

Obviamente, se não houver ovulação, também não haverá fertilidade. Se, em qualquer caso, uma mulher com esta anomalia engravidar, existe um risco aumentado de aborto espontâneo ou parto prematuro.

Quando a amenorreia hipotalâmica ocorre em uma mulher muito jovem, pode não haver um desenvolvimento correto das características sexuais secundárias. Dessa forma, uma mulher pode ter pelos no peito ou no rosto e ter um tom de voz mais grave, por exemplo.

Da mesma forma, o hipotálamo e o GnRH também ajudam a regular o sono, a fome e a temperatura corporal. Por esse motivo, a amenorreia hipotalâmica costuma ser acompanhada de exaustão, insônia, diminuição do desejo sexual e depressão.

Você também pode se interessar: Transtorno de insônia: causas e tratamento

Fatos a considerar sobre a amenorreia hipotalâmica

A amenorreia hipotalâmica foi associada à perda de massa óssea. Portanto, as mulheres que sofrem com ela tendem a ser mais propensas a desenvolver osteoporose e outros problemas ósseos. Existe também um risco aumentado de problemas cardíacos e digestivos.

Leia também: Como reduzir os danos da osteoporose após a menopausa

Diante dos fatores que desencadeiam essa anomalia, deve-se observar o seguinte:

  • Exercício: é prejudicial quando combina uma atividade de alta intensidade com uma ingestão energética deficiente para aquele nível.
  • Perda de peso: é um problema quando você perde mais de 5 kg em um curto espaço de tempo e/ou tem um Índice de Massa Corporal (IMC) de 20 ou menos. Dietas muito rígidas não são aconselháveis.
  • Estresse: se for crônico, torna-se fator de risco. Às vezes, o corpo interpreta a demanda excessiva de exercícios físicos como um fator estressante.

Também se sabe que mulheres com histórico familiar de amenorreia hipotalâmica têm uma maior probabilidade de desenvolver essa condição. Assim, um fator genético também está envolvido neste problema.

No entanto, agindo contra os fatores de risco, podemos prevenir e tratar o problema na maioria dos casos. Portanto, se você tiver alguma suspeita, não hesite em consultar um médico e seguir as suas indicações.

  • Rodríguez-Fernández, J. M., García-Acero, M., & Franco, P. (2013). Neurobiología del estrés agudo y crónico: su efecto en el eje hipotálamo-hipófisis-adrenal y la memoria. Universitas médica, 54(4), 472-494.
  • Barros-Delgadillo, J. C., Trejo-Castañeda, H., Christopher, E., & Gaviño-Gaviño, F. (2010). Diferencia de respuesta a los antagonistas de GnRH en ciclos de hiperestimulación ovárica más inseminación intrauterina. Ginecología y Obstetricia de México, 78(01), 15-28.
  • Fiszlejder, L. (2008). Etiopatogenia de la amenorrea hipotalámica funcional: Interacción de las respuestas hormonales del sistema nervioso central y neuropéptidos periféricos. Revista argentina de endocrinología y metabolismo, 45(2), 75-88.