Ambroxol: principais usos, indicações e reações adversas

10 Outubro, 2020
O ambroxol deve sua eficácia à capacidade de atuar de maneira intracelular, promovendo a síntese e secreção de surfactante alveolar e brônquico.

O ambroxol, administrado como cloridrato, é um fármaco que pertence à família dos medicamentos mucolíticos. Portanto, é usado para o tratamento de processos brônquicos.

É um metabolito da bromexina, sendo este o pró-fármaco. Uma pró-droga é uma droga que, por si só, não tem ação terapêutica. No entanto, quando administrada e absorvida, sofre uma série de reações químicas e é transformada em outra substância que possui efeitos terapêuticos.

O ambroxol vem em forma de solução, xarope, gotas pediátricas ou comprimidos. As recomendações para a administração deste medicamento são:

  • Adultos: entre 60 e 90 mg/dia em duas ou três doses.
  • Crianças com idade superior a 5 anos: recomenda-se a administração de 15 mg/5 ml, o que corresponde a uma colher de chá, 2 ou 3 vezes ao dia.
  • Crianças de 2 a 5 anos: meia colher de sopa de xarope 2 ou 3 vezes ao dia.
  • Crianças menores de 2 anos: meia colher de chá de xarope duas vezes por dia.

Indicações terapêuticas do ambroxol

Mulher tomando xarope

Como mencionamos, este é o metabólito ativo da bromexina. Na sua forma de cloridrato, tem efeitos mucolíticos. É eficaz em processos brônquicos que requerem a mobilização da fleuma para impedir a formação de um muco espesso nos alvéolos pulmonares.

O ambroxol pode ser administrado isoladamente ou em combinação com outros medicamentos broncodilatadores para melhorar o efeito nos processos brônquicos. Por exemplo, em combinação com salbutamol, o ambroxol aumenta sua atividade espasmolítica e tem um efeito na atividade mucociliar, o que aumenta a expectoração.

Como o ambroxol exerce seu efeito no corpo?

Este medicamento atua nos pneumócitos do tipo II (células dos alvéolos). Causa uma estimulação da produção de surfactante. Graças a isso, é possível reduzir a viscosidade e a adesividade do muco. Dessa maneira, o tampão formado se dissolve e a mobilização da secreção é facilitada.

Em suma, o ambroxol deve sua eficácia à capacidade de agir de maneira intracelular, promovendo a síntese e secreção de surfactante alveolar e brônquico, que forma um filme em todo o epitélio respiratório.

Além disso, esta droga é capaz de aumentar a potência vibratória do epitélio celular. Dessa forma, a adesividade do muco é reduzida e o deslizamento e o transporte das secreções brônquicas para o exterior são facilitados. Seu objetivo é evitar obstruções concomitantes.

Não deixe de ler: Asma aguda grave: sintomas e tratamento

Farmacocinética: o que acontece com esse fármaco no corpo?

O ambroxol, como vimos, é administrado por via oral. Uma vez tomado, a dose é rapidamente absorvida pelo intestino. Quando tomado com o estômago vazio, a concentração plasmática máxima é atingida após 2 horas e meia. Sua biodisponibilidade é de 60%, o que significa que, ao exercer a ação, apenas 60% da dose administrada está disponível.

Este medicamento se liga extensivamente às proteínas plasmáticas para se distribuir por todo o corpo. Esse fato é importante, pois, se for administrado junto com outro medicamento que também se liga muito às proteínas plasmáticas, o ambroxol pode ser deslocado e aumentar sua concentração livre no plasma. Como consequência, seus efeitos seriam intensificados e um quadro tóxico poderia ter início.

Descubra também: Como a pneumonia afeta o corpo?

Reações adversas do ambroxol

Intoxicação por medicamentos

As reações adversas mais comuns desencadeadas pela administração de ambroxol são gastrointestinais. No entanto, elas geralmente desaparecem quando o tratamento é interrompido. Alguns dos efeitos colaterais mais frequentes são:

  • Diarreia
  • Náuseas
  • Vômitos
  • Dores de cabeça

Como este medicamento pode irritar a mucosa gástrica, não é recomendável tomá-lo caso você sofra de gastrite ou úlcera péptica. Além disso, mulheres grávidas ou que amamentam devem evitá-lo, pois ele pode causar vômitos.

Apesar disso, o ambroxol é um medicamento muito bem tolerado. Não foram relatados sintomas graves devido à overdose de ambroxol. Os sintomas mais comumente observados após a administração de altas doses incluem:

  • Diarreia
  • Vômitos
  • Problemas gastrointestinais
  • Erupções cutâneas
  • Fadiga

No caso de uma overdose, recomenda-se uma lavagem do trato digestivo induzida por vômitos e, se não houver contrações, a administração de carvão ativado.

Conclusão

O ambroxol é um metabólito ativo da bromexina usado no tratamento de processos brônquicos nos quais a secreção de muco precisa ser aumentada. Pode ser administrado em conjunto com outros medicamentos que promovem a sua ação, como o salbutamol.

No entanto, se você estiver tomando outros medicamentos, consulte seu médico ou farmacêutico para saber se pode tomar ambroxol, pois eles podem interagir e provocar efeitos indesejados.

  • Gonzalez Garay, A. G., Reveiz, L., Velasco Hidalgo, L., & Solis Galicia, C. (2014). Ambroxol for women at risk of preterm birth for preventing neonatal respiratory distress syndrome. Cochrane Database of Systematic Reviews. https://doi.org/10.1002/14651858.CD009708.pub2
  • Narita, A., Shirai, K., Itamura, S., Matsuda, A., Ishihara, A., Matsushita, K., … Suzuki, Y. (2016). Ambroxol chaperone therapy for neuronopathic Gaucher disease: A pilot study. Annals of Clinical and Translational Neurology. https://doi.org/10.1002/acn3.292
  • Weiser, T. (2008). Ambroxol: A CNS drug? CNS Neuroscience and Therapeutics. https://doi.org/10.1111/j.1755-5949.2007.00032.x