8 alimentos que você deve evitar se tem problemas nas articulações

30 de janeiro de 2017
Considerando que existem alimentos que podem ativar a resposta inflamatória de nosso organismo e prejudicar a saúde de nossas articulações, é conveniente minimizar seu consumo.

As articulações oferecem apoio ao corpo, já que conectam os ossos e facilitam nossa habilidade de movimento.

A dor articular é um problema muito comum que pode ser causado por inflamação, lesão ou por alguma doença crônica.

Seu aparecimento está relacionado com a velhice, ainda que também possa ocorrer em idades jovens, por algum traumatismo ou deterioração prematura.

Seja qual for o caso, é um problema que diminui a qualidade de vida, sobretudo quando interfere na mobilidade e na capacidade de realizar tarefas cotidianas.

Ainda que existam muitos métodos para minimizar a intensidade de seus sintomas, também existem alguns fatores que podem piorar a dor.

Por exemplo, o consumo de certos alimentos aumenta o nível de inflamação, reduz a absorção dos nutrientes e impede sua recuperação.

Isso aumenta o peso e leva ao acúmulo excessivo de resíduos no sangue, o que pode causar, entre outras coisas, doenças mais graves.

Como sabemos que algumas pessoas não sabem quais são estes alimentos, a seguir queremos revelar os 8 principais.

Evite-os!

1. Carnes vermelhas e processadas

Evitar carnes em problemas de articulações

As carnes processadas e vermelhas contêm substâncias químicas prejudiciais que podem aumentar o nível de inflamação do organismo.

Os nitritos e purinas vão ficando retidos no organismo e, a longo prazo, levam ao desenvolvimento de dor e rigidez nas articulações.

Leia também: Como utilizar a casca de limão para acalmar a dor articular

2. Açúcar refinado

O consumo excessivo de açúcar refinado, em todas as suas apresentações, também tem muito a ver com os desequilíbrios nos processos inflamatórios do corpo.

Eles aumentam a liberação de certos agentes chamados citoquinas, cuja atividade no corpo aumenta a dor e o inchaço.

Por ser muito calórico, seu consumo também aumenta o peso e, no final, a pressão sobre os músculos e articulações.

3. Leite e derivados

Evitar lácteos para problemas de articulações

O leite e seus derivados têm sido relacionados à tendência de sofrer com dores articulares desde idades muito jovens.

Este alimento contém altos níveis de uma proteína chamada caseína, cuja presença no corpo aumenta a inflamação.

Essa substância irrita os tecidos que protegem a articulação e, de fato, em quantidades excessivas, pode causar uma forte deterioração.

Por outro lado, dado que são alimentos ricos em gorduras saturadas, aumentam o peso corporal e estimulam a inflamação dos tecidos adiposos.

4. Sal

O consumo excessivo de sal está vinculado ao desenvolvimento de uma ampla variedade de doenças crônicas que afetam a qualidade de vida.

Esse produto altera o equilíbrio dos líquidos corporais e, por sua vez, aumenta o risco de problemas cardiovasculares e inflamatórios.

O organismo requer uma pequena quantidade para funcionar em ótimo estado, mas costumamos consumir até 10 vezes mais do que o necessário.

5. Óleo de milho

Evitar óleo de milho para problemas de articulações

O óleo de milho é rico em ácidos graxos que desencadeiam no corpo a produção de substâncias inflamatórias.

Por ser altamente calórico, prejudica as articulações e agrava a situação das doenças inflamatórias.

6. Ovos

Ainda que esteja comprovado que os ovos são saudáveis e proporcionam uma quantidade importante de proteínas ao corpo, seu consumo regular é desaconselhado para as pessoas com problemas em suas articulações.

Contam com uma quantidade significativa de ácido araquidônico, porque são de origem animal. Esta substância, presente na gema, ao que parece, aumenta a resposta inflamatória.

7. Grãos e farinhas refinadas

Evitar farinhas se tiver problemas nas articulações

Os grãos e farinhas refinadas são potentes agentes inflamatórios que podem levar à deterioração e dor nas articulações.

  • Com muitas calorias, dificultam o metabolismo, desencadeando a produção de substâncias que aumentam a sensação de dor.
  • Além disso, seu consumo diário e excessivo poderia ter uma relação com o aparecimento da inflamação crônica e doenças autoimunes.
  • Por outro lado, por suas calorias serem vazias, contribuem para o sobrepeso, para as doenças coronárias e diabetes.

Leia este artigo: Por que devemos evitar as farinhas refinadas? Descubra 7 efeitos negativos

8. Fast food e frituras

O fast food e as frituras comerciais contam com altos níveis de gorduras saturadas e farinhas, portanto, os efeitos no corpo pioram a inflamação dos tecidos gordurosos.

Eles podem influir no desenvolvimento de problemas cardíacos e, por sua vez, pioram a inflamação das doenças articulares.

Adapte sua dieta para proteger suas articulações

Para concluir, a dieta desempenha um papel primordial para a saúde articular, portanto, reduzir ou eliminar o consumo dos alimentos citados pode ajudar a minimizar a dor e os sintomas associados a ela.

Além disso, é conveniente aumentar o consumo de alimentos ricos em antioxidantes e ácidos graxos ômega 3, que têm um efeito anti-inflamatório.

Como sempre, nossa indicação é a consulta com o médico, porque ele vai orientar de acordo com cada caso.

Gostou deste artigo? Então, continue com a gente com mais dicas para a sua saúde e bem-estar.

  • Rozenberg, S., Body, J. J., Bruyère, O., Bergmann, P., Brandi, M. L., Cooper, C., … Reginster, J. Y. (2016). Effects of Dairy Products Consumption on Health: Benefits and Beliefs—A Commentary from the Belgian Bone Club and the European Society for Clinical and Economic Aspects of Osteoporosis, Osteoarthritis and Musculoskeletal Diseases. Calcified Tissue International. https://doi.org/10.1007/s00223-015-0062-x
  • Kjeldsen-Kragh, J., Borchgrevink, C. F., Laerum, E., Haugen, M., Eek, M., F o rre, O., … Hovi, K. (1991). Controlled trial of fasting and one-year vegetarian diet in rheumatoid arthritis. The Lancet. https://doi.org/10.1016/0140-6736(91)91770-U
  • Alhambra-Expósito, M. R., Arjonilla-Sampedro, M. E., Molina-Puerta, M. J., Tenorio-Jiménez, C., Manzano-García, G., Moreno-Moreno, P., & Benito-López, P. (2013). Recomendaciones dietéticas en la artritis reumatoide. Revista Española de Nutrición Humana y Dietética. https://doi.org/10.14306/renhyd.17.4.28