Quais alimentos contêm ácido linoleico?

14 Novembro, 2020
Vamos contar quais alimentos contêm ácido linoleico em sua composição e quais são os seus benefícios para a saúde. Suas propriedades são muito interessantes, então incorporá-lo na dieta é uma ótima decisão.

Existem vários alimentos que contêm ácido linoleico. Este lipídio tem benefícios para a saúde cardiovascular e foi sugerido que ele poderia ser positivo no estabelecimento de uma meta de perda de peso.

A verdade é que este é um nutriente essencial para a saúde, que deve estar presente em uma dieta variada para auxiliar na prevenção de doenças crônicas. Alguns profissionais de nutrição recomendam a suplementação com ácido linoleico para complementar a dieta, embora ele também possa ser obtido através da alimentação.

Encontramos o ácido linoleico em vegetais

As principais fontes de ácido linoleico são os alimentos vegetais. Em particular, as oleaginosas e os óleos contêm grande quantidade desse lipídio. No entanto, também é possível encontrá-lo em ovos e em alguns cereais.

Os óleos de sementes também contêm esse ácido graxo, embora existam especialistas que desaconselham o seu consumo regular, e menos ainda fritar com esse tipo de gordura. Os efeitos adversos dos outros componentes lipídicos podem superar os benefícios.

Para garantir a ingestão correta de ácido linoleico na dieta, é fundamental que a alimentação seja variada. A introdução de oleaginosas, via de regra no lanche do meio da manhã e no lanche da tarde, é uma opção eficaz para cumprir esse propósito.

Em todo caso, não devemos esquecer que esse lipídio pertence ao grupo dos ácidos graxos ômega 6. A ingestão de ácidos graxos ômega 3 e ômega 6 deve ser balanceada para evitar estados inflamatórios no organismo. Isto é o que afirma uma pesquisa publicada na revista Nutrients. A perda desse equilíbrio pode ser um fator de risco para o desenvolvimento da obesidade.

Oleaginosas
A presença de ácido linoleico nas oleaginosas é abundante, e eles representam a sua melhor fonte.

Leia também: Nozes: conheça as melhores propriedades

Os alimentos com ácido linoleico reduzem o risco de doenças

Existem estudos, como o publicado na revista Public Health Nutrition, que associam o consumo regular de alimentos ricos em ácido linoleico à redução de alguns tipos de câncer, principalmente de mama. No entanto, as evidências não confirmaram essa relação, portanto, são necessárias mais pesquisas a esse respeito.

Avaliações mais recentes também associam o consumo regular do nutriente a um risco menor de desenvolver obesidade e aterosclerose. Um artigo publicado na revista Nutrients em 2019 estabelece uma possível correlação de longo prazo para a redução de riscos em doenças crônicas não transmissíveis.

Parece claro que o consumo de gorduras saudáveis ​​é um fator protetor contra o desenvolvimento de várias doenças. Esse tipo de lipídio inclui todos aqueles que não foram submetidos a tratamento térmico, processo pelo qual se transformam em gorduras trans, perdendo a sua qualidade.

Isso também pode te interessar: Quais óleos vegetais são bons para a saúde?

Consumir de forma proporcional

Apesar dos benefícios atribuídos ao consumo do ácido linoleico, a suplementação artificial dessa substância não é recomendada. Incluir alimentos que contenham ácido linoleico na dieta é suficiente para experimentar os seus efeitos positivos.

Não devemos esquecer, como já dissemos, que esse lipídio pertence ao grupo dos ômega 6, que faz parte da família de todos os ômega. Quando não se alcança o equilíbrio dos ácidos graxos no corpo, certos efeitos inflamatórios benéficos desaparecem.

Sendo assim, com foco na promoção da saúde cardiovascular, é imprescindível incluir na alimentação produtos ricos em lipídios ômega 3, como o abacate, o azeite extravirgem e os peixes oleosos. Entre estes últimos, é preferível escolher os de pequeno porte, pois contêm menos metais pesados.

Sementes com ácido linoleico
O consumo de ácido linoleico deve ser balanceado na dieta para obter os seus benefícios.

Consuma alimentos que contenham ácido linoleico

Para se manter saudável e reduzir a incidência de doenças como obesidade e problemas cardiovasculares, é importante consumir alimentos que contenham ácido linoleico. Esses nutrientes têm efeitos positivos quando ingeridos regularmente.

As melhores fontes são produtos à base de plantas, como as oleaginosas, sementes ou mesmo grãos integrais. De qualquer forma, evite comprar os que já foram aquecidos, pois essa característica pode diminuir suas propriedades benéficas, e eles podem inclusive chegar a ser prejudiciais.

No entanto, apesar dos efeitos benéficos deste lipídio na saúde, não há evidências que sugiram a suplementação artificial com comprimidos ou fórmulas destinadas a essa finalidade. Essas apresentações não seriam úteis para o tratamento de doenças crônicas.

Uma dieta variada e balanceada fornece ácidos graxos suficientes para atender às necessidades básicas. Portanto, concentre-se em modificar seus hábitos de alimentação e comece a desfrutar das propriedades do ácido linoleico.

  • Simopoulos AP., An increase in the omega 6/omega 3 fatty acid ratio increases the risk for obesity. Nutrients, 2016.
  • Zhou Y., Wang T., Zhai S., Li W., Meng Q., Linoleic acid and breast cancer risk: a meta analysis. Public Health Nutr, 2016. 19 (8): 1457-63.
  • Hartigh LJ., Conjugated linoleic acid effects on cancer, obesity and atherosclerosis: a review of pre clinical and human trials with current perspectives. Nutrients, 2019. 11 (2): 370.
  • Leizer, Cary, et al. “The composition of hemp seed oil and its potential as an important source of nutrition.” Journal of Nutraceuticals, functional & medical foods 2.4 (2000): 35-53.
  • Naughton, Shaan S., et al. “Linoleic acid and the pathogenesis of obesity.” Prostaglandins & other lipid mediators 125 (2016): 90-99.
  • Viladomiu, Monica, Raquel Hontecillas, and Josep Bassaganya-Riera. “Modulation of inflammation and immunity by dietary conjugated linoleic acid.” European Journal of Pharmacology 785 (2016): 87-95.
  • Jandacek, Ronald J. “Linoleic acid: a nutritional quandary.” Healthcare. Vol. 5. No. 2. Multidisciplinary Digital Publishing Institute, 2017.