O que são as aderências abdominais e pélvicas?

As aderências abdominais e pélvicas são faixas de tecido cicatricial que costumam surgir após uma cirurgia ou uma complicação nesta região do corpo.
O que são as aderências abdominais e pélvicas?

Última atualização: 03 Outubro, 2021

As aderências abdominais e pélvicas ocorrem após um evento inflamatório nos órgãos e superfícies que estão localizados nesta região do corpo. Em particular, são faixas de tecido cicatricial cujas manifestações clínicas podem variar.

Às vezes são assintomáticos, mas em certos casos são um gatilho para dores abdominais. Eles também podem causar desconforto abdominal, obstrução intestinal e infertilidade feminina.

Sua causa usual costuma ser a manipulação do conteúdo dessas cavidades durante cirurgias abertas. Ainda assim, pode haver outros fatores de risco, como certas doenças. Quer saber mais sobre isso?

O que são as aderências abdominais e pélvicas?

Como já mencionamos, as aderências abdominais e pélvicas são faixas de tecido cicatricial, com presença de vasos sanguíneos e nervos, entre duas superfícies. Frequentemente, ocorrem de uma alça intestinal para outra (órgão) ou de uma alça intestinal em direção à parede abdominal.

Isso faz com que as superfícies adiram umas às outras, o que afeta a mobilidade. Isso geralmente ocorre após um evento traumático ou um processo inflamatório que ativa os mecanismos que levam à reparação do tecido danificado.

O que são as aderências abdominais e pélvicas?
As aderências abdominais e pélvicas costumam se desenvolver após uma cirurgia nesta região do corpo.

Processo inflamatório associado

Ocorre a liberação de substâncias que aumentam a permeabilidade dos vasos sanguíneos e de diferentes metabólitos inflamatórios que atuam no local com a liberação intensa de fibrina (proteína que gera redes entre diferentes tecidos incluindo vasos sanguíneos). Assim, são criadas faixas para conectar superfícies que não deveriam ser conectadas.

Em condições normais, as superfícies viscerais são lisas e escorregadias. Além disso, entre as alças existe um líquido lubrificante que facilita os movimentos constantes. O fato de existirem essas faixas de cicatrizes que aderem os tecidos entre si impede a movimentação normal do conteúdo visceral da cavidade abdominal.

Em particular, não permite a mobilidade adequada das alças do intestino delgado e grosso, o que pode fazer com que elas se torçam entre si e obstruam o fluxo sanguíneo ou o trânsito intestinal. Da mesma forma, podem afetar a posição de diferentes órgãos, como o útero, onde se fixam aos ovários e impedem a ovulação.

Causas das aderências abdominais e pélvicas

Os gatilhos para as aderências abdominais e pélvicas podem ser não traumáticos (processos inflamatórios, infecciosos ou isquêmicos) ou traumáticos (cirúrgicos). Dentre estes, os mais frequentes são aqueles associados a intervenções cirúrgicas.

Cirurgias

Nos casos de cirurgias pélvicas abertas, a possibilidade de desenvolver aderências pélvicas pode ser de até 90%. Também pode ocorrer em casos de curetagem uterina.

Já nas cirurgias abdominais abertas as probabilidades são um pouco menores, mas ainda são altas, podendo chegar a 75%. Destas, os mais comuns são aqueles em que há manipulação do apêndice ou da vesícula biliar.

Outros fatores associados a essas intervenções são a manipulação de órgãos e a possível lesão incidental, seja pelo uso de eletrocautério, incisões, suturas ou por corpos estranhos deixados na região.

Doenças inflamatórias

A presença de algumas doenças inflamatórias pode levar ao desenvolvimento dessas faixas de cicatriz. Especificamente, isso ocorre nas seguintes patologias:

  • Endometriose.
  • Câncer.
  • Doença inflamatória intestinal (doença de Crohn ou colite ulcerosa).
  • Apendicite (inflamação do apêndice).
  • Colecistite (inflamação da vesícula biliar).
  • Diverticulite (bolsas inflamadas no trato gastrointestinal).
  • Doença inflamatória pélvica (inflamação crônica nos órgãos sexuais femininos).
  • Reação inflamatória à colocação de um dispositivo intrauterino (que gera aderências dentro da cavidade uterina).

Outras causas de aderências abdominais e pélvicas

  • Infecções abdominais e pélvicas, especialmente aquelas produzidas em feridas cirúrgicas ou tuberculose intestinal.
  • Doenças sexualmente transmissíveis (como clamídia) que podem causar doença inflamatória pélvica.
  • Aderências congênitas devido a malformações durante o desenvolvimento da cavidade peritoneal.
  • Rádio e quimioterapia.

Sintomas

Em muitos casos, as aderências abdominais e pélvicas são assintomáticas. Assim, costumam ser descobertas anos após seu aparecimento. No entanto, existem aquelas que apresentam complicações, como obstrução intestinal e infertilidade feminina.

Em casos ainda mais graves, causam a morte (isquemia) do tecido intestinal, perfuração de um órgão ou obstrução intestinal persistente. Em geral, sua principal manifestação é o desconforto abdominal constante. Além disso, pode ocorrer:

  • Distensão abdominal progressiva, infraumbilical, especialmente após a ingestão de alimentos.
  • Dor pélvica crônica, se houver envolvimento pélvico.
  • Dispareunia (dor durante o sexo).
  • Menstruação irregular.

Obstrução intestinal

Pode se manifestar como inchaço progressivo, dor abdominal intensa, dificuldade de passagem de gases e evacuação, náuseas e vômitos.

Infertilidade

Ocorre porque as trompas de Falópio e os ovários aderem a outras superfícies. Isso afeta a capacidade de liberação de óvulos, bem como sua fertilização e a transferência do óvulo fertilizado para a cavidade uterina.

Diagnóstico de aderências abdominais e pélvicas

Não existe um estudo de imagem que permita a sua identificação exata. A única forma de ter certeza é através da cirurgia abdominal aberta (laparotomia exploradora) com visualização direta das aderências abdominais ou pélvicas.

No entanto, existem diversos estudos de imagem que permitem elucidar a presença da sua complicação mais grave: a obstrução intestinal. Os exames mais usados são os seguintes:

  • Raio-X abdominal simples.
  • Estudos contrastados com bário.
  • Tomografia abdominal.
  • Pélvica com duplo contraste.
  • Ultrassom abdominal e pélvico.
Raio x do intestino
Os exames de imagem ajudam a determinar se há complicações graves, como obstrução intestinal.

Tratamento e prevenção das aderências abdominais e pélvicas

De acordo com uma revisão publicada nos Anais de Medicina e Cirurgia , o tratamento da doença pode ser adiado devido à dificuldade de um diagnóstico precoce. No entanto, isso é importante para evitar complicações.

Tratamento

A opção de primeira escolha é a adesiólise. Este procedimento é feito por meio de uma cirurgia abdominal aberta. Nela, o tecido cicatricial que compõe as faixas é cortado para liberar as estruturas que estão aderidas.

As aderências abdominais e pélvicas são cortadas com bisturi, laser ou eletrocauterização (a corrente elétrica é usada para queimar e cortar o tecido). Se a integridade de parte do tecido do órgão for comprometida, é feita uma ressecção dessa área específica.

Este tratamento geralmente é usado se houver obstrução intestinal. Quando o envolvimento do trânsito intestinal é mínimo ou a obstrução parcial, é possível iniciar o tratamento médico sem recorrer à cirurgia. No entanto, se houver complicações, será necessária uma intervenção.

O tratamento médico expectante consiste basicamente no seguinte:

  • Uma dieta absoluta.
  • A colocação de uma sonda nasogástrica (sonda do nariz ao estômago) para auxiliar na descompressão abdominal.
  • Administração de fluidos intravenosos para manter o equilíbrio de fluidos, eletrólitos e fluidos.

Prevenção

Embora a adesiólise seja muito eficaz, existe a possibilidade de recorrência com novas aderências, por isso ela só é realizada em casos de obstrução intestinal grave ou de outra complicação como a infertilidade. Na verdade, não existe um método de prevenção. No entanto, o manuseio adequado e mínimo é recomendado durante as cirurgias.

  • Evite cirurgias invasivas (use laparoscopia em vez de cirurgias abertas).
  • Reduza o uso de eletrocauterização, lasers e espaçadores.
  • Use o material de sutura apropriado.
  • Mantenha o peritônio úmido durante as cirurgias abertas.
  • Lave a cavidade peritoneal antes de fechá-la.
  • Evite deixar corpos estranhos.
  • Manipule suavemente os órgãos.

Atualmente, a prevenção tem sido considerada por meio de membranas estéreis e reabsorvíveis que podem ser colocadas nos órgãos, como barreiras antiaderentes, géis com ácido hialurônico/carboximetilcelulose ou o uso de anti-inflamatórios.

Pode interessar a você...
As 7 principais causas da infertilidade feminina
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
As 7 principais causas da infertilidade feminina

Você sabia que o sistema imunológico pode ser responsável por uma das causas da infertilidade feminina? Saiba mais neste artigo.



  • Tabibian N, Swehli E, Boyd A, Umbreen A, Tabibian JH. Abdominal adhesions: A practical review of an often overlooked entity. Ann Med Surg (Lond). 2017 Jan 31;15:9-13. doi: 10.1016/j.amsu.2017.01.021. PMID: 28203370; PMCID: PMC5295619.
  • Elizondo Hinojosa, J. López Gutierréz, J. Poblano Morales, M. Yañez López, J. Pérez García, R. Adherencias peritoneales posquirúrgicas: fisiopatología y prevención. Rev Hosp Jua Mex 2004;71(1):36-42.
  • Galindo F. Adherencias peritoneales. Cirugía Digestiva. Sociedad Argentina de Cirugía Digestiva. 2009;II(282):1-8.
  • Grijalva Cifuentes, A. E., Reinoso Trujillo, K. A., García Ferrín, R. M., & Ayora Nolivos, C. R. (2020). Síndrome Adherencial: Complicaciones. RECIMUNDO, 4(4), 362-370.
  • Quezada S Nicolás, León F Felipe, Llera K Juan de la, Funke H Ricardo, Gabrielli N Mauricio, Crovari E Fernando et al . Laparoscopic treatment of adhesive small bowel obstruction. Rev Chil Cir [Internet]. 2014;66(5):437-442.