6 mudanças que você passa quando se torna pai

· 18 de março de 2019
A intensidade da gravidez e a chegada dos filhos, não só afeta a mulher. O homem também vê sua vida mudar. A paternidade dá um giro de 180 º em sua vida.

A confirmação da gravidez transforma a vida, a mente e o corpo da mulher. Coisa igual ocorre com o homem. As mudanças que a paternidade causa afetam a mente, as relações, o estilo de vida e até a anatomia quando você se torna pai.

Sem dúvida que essas mudanças serão mais notórias naqueles homens comprometidos e entusiasmados com o novo papel que significa a paternidade. Aqueles que marcam uma distância com os filhos, provavelmente estão muito longe de ver suas vidas mudarem.

O que muda quando você se torna pai?

Ainda que as mudanças que a mulher vive durante a gravidez sejam as mais evidentes e as mais estudadas, os homens que iniciam o caminho de tornarem pais, também experimentam situações novas, tanto físicas como emocionais. A seguir nossa lista de 6 mudanças que ocorrem quando você se torna pai.

1. Os níveis hormonais se modificam

Em primeiro lugar, a química hormonal do homem também fica afetada quando se confirma a notícia da gravidez. Assim ficou demonstrado em um estudo realizado com 225 casais de pais, na Austrália.

Quando a mulher está grávida, a testosterona, o hormônio masculino por excelência, cai. Chega ao seu nível mais baixo nas três semanas prévias ao parto, pode baixar até 33% menos do que os níveis normais.

Por outro lado, a prolactina aumenta em até 20% quando você se torna pai. Este hormônio ajuda a desenvolver novos instintos como aguçar o ouvido quando o bebê chora, e a reduzir o instinto sexual durante os meses de gestação.

2. Aparece a “gravidez empática”

Quando você se torna pai compartilha as mesmas emoções do que a mãe

Alguns pais de primeira viagem sofrem com a chamada síndrome de Couvade ou “gravidez empática”. Os futuros pais ganham peso como se eles também estivessem grávidos, inclusive dizem sentir sintomas como as náuseas, os enjoos e até os populares desejos.

Além disso, esta síndrome aparece aproximadamente no terceiro mês da gravidez ou próxima da data do parto. A responsável por esta situação é, novamente, a prolactina que se eleva a níveis inéditos no homem.

Confira também: Tempo com a família: por que é tão importante?

3. Quando você se torna pai, aumenta o estresse

Juntamente com a alegria, chega o estresse. O homem se afunda em seus pensamentos: se preocupa em não se sentir capaz de sustentar econômica e emocionalmente sua parceira e o bebê. Se aborrece por não estar preparado para as expectativas de sua companheira, o que pode afetar a relação do casal ou sua produtividade no trabalho, por isso que gerará mais estresse.

A psicóloga argentina Laura Gutman, no livro “Maternidade e encontro com a própria sombra”, adverte que o homem vive seu próprio processo de adaptação. Passe de ter uma relação recíproca com sua parceira, uma que um cuidava do outro e agora se prepara para ser o apoio da mãe e do bebê.

Assim então, o estresse pela responsabilidade que se aproxima e a introspecção podem ser interpretados como falta de compromisso, mas certamente poucas vezes se apoia ou se pergunta a um homem sobre as emoções que ele sente durante a gravidez.

4. Mudam as prioridades

Muitos pais, homens e mulheres, gostam de acreditar que a chegada do bebê não lhes impedirá de desfrutar seu estilo de vida, de compartilhar tempo com os amigos e realizar suas próprias atividades. Querendo ou não, a paternidade e a maternidade, mudará suas prioridades.

Os futuros pais se preocuparão em cuidar da gravidez. Os mal-estares próprios da gestação afastarão o casal de muitos eventos e atividades. Os exigentes cuidados do recém-nascido, o farão ainda mais.

A paternidade implica em assumir sem medo essas renúncias. Temos que entender que são parte do processo de se tornar pai. É normal que sintam falta do círculo de amizades ou das atividades que realizava antes da paternidade. Mas, chegado o dia que todos sejam pais, se reencontrarão.

5. Aparecem novas habilidades

Quando você se torna pai quer passar o tempo todo com seu filho

Assim que você se tornar pai, aprenderá a dar massagens nos pés inchados de sua esposa grávida; participa na decoração do quarto do bebê; se prepara para apoia-la no parto ou participa nos cuidados do recém-nascido.

Certamente, o homem que conecta com a gravidez e a paternidade desperta uma sensibilidade e uma criatividade novas que lhe permite se envolver e se adaptar ao novo papel e esperar com alegria a chegada do bebê.

Compartilhar os exigentes cuidados do recém-nascido, além de cultivar o apego com o filho, ajuda o homem a superar as tensões que a gravidez possa ter gerado com a parceira.

6. Quando você se torna pai, o cérebro se modifica

Quando o homem se envolve no cuidado do bebê, a ocitocina dispara, o hormônio do amor. Novamente os hormônios ajudam a estreitar o vínculo de apego que une um pai ao filho.

Ao se elevar este hormônio, o cérebro do homem se modifica. Os laços afetivos que o homem tece com seu filho ficam favorecidos quando este se envolve ativamente no cuidado do filho, o que fica gravado em algumas zonas do cérebro. Assim demonstrou um estudo publicado em 2017, pela revista “Hormones and Behavior”.

Logo, o estresse que afeta o homem durante a gravidez encontra a cura no cuidado do recém-nascido. A ocitocina brinda o homem com a sensação de bem-estar que precisa para estar feliz com sua nova responsabilidade.

Não deixe de ler: Adoção: aceitando um novo membro na família

Recomendação final para as futuras mães

Sem dúvida alguma, em nossa sociedade profundamente machista, os homens foram educados a não se vincularem com seu universo emocional. Quando chega a notícia que vão ser pais, ficam petrificados. Acontece com muitos.

Por outro lado, o que acontece quando as mulheres são machistas, é que não deixam os homens se envolverem com o bebê. Nos casos mais extremos, o homem se sente tão aborrecido com responsabilidade e pelas mudanças que deve se adaptar, que é frequente que fuja do parceiro e da paternidade.

Agora, se você sentir que seu parceiro tenha se distanciado durante a gravidez, que está aborrecido com a paternidade, abra os canais de comunicação. Conversem diariamente sobre o que estão sentindo. Pense se você o deixou de fora dos preparativos, convide-o para acompanhá-la nos controles médicos. Desfrutem juntos da doce espera.

Em conclusão, os dois estão vivendo uma forte transformação. Adaptar-se é complexo, mas o amor ajudará a se vincular com a experiência mais fascinante de suas vidas.

  • Carol A. Morse, Sarah Durkin. Men’s Adjustment to Fatherhood: Implications for Obstetric Health Care. 09 March 2006.
  • Holly Rominov, Pamela D. Pilkington, Rebecca Giallo and Thomas A. Whelan, A SYSTEMATIC REVIEW OF INTERVENTIONS TARGETING PATERNAL MENTAL HEALTH IN THE PERINATAL PERIOD, Infant Mental Health Journal, 37, 3, (289-301), (2016).
  • Maiko Suto, Emi Isogai, Fumino Mizutani, Naoko Kakee, Chizuru Misago and Kenji Takehara, Prevalence and Factors Associated With Postpartum Depression in Fathers: A Regional, Longitudinal Study in Japan, Research in Nursing & Health, 39, 4, (253-262), (2016).
  • Olivia Wong, Tram Nguyen, Naomi Thomas, Frances Thomson‐Salo, Dennis Handrinos and Fiona Judd, Perinatal mental health: Fathers – the (mostly) forgotten parent, Asia-Pacific Psychiatry, 8, 4,(247-255), (2015).