5 motivos para não fazer uma dieta rápida

· 2 de agosto de 2018
O problema que encontramos quando adotamos uma dieta rápida é que, ao voltar a comer de forma regular depois de perder o peso desejado, voltamos a recuperar os quilos perdidos, às vezes até mais. 

A constante obsessão por perder peso certamente tem provocado uma busca por dietas alimentares que tragam resultados imediatos. Uma dieta rápida pode ser a solução a curto prazo, mas pode se converter em um caos depois de alguns dias de tantas restrições. 

Neste artigo mostraremos 5 razões pelas quais você não deve cometer este erro. Eliminar os quilos que ganhou nas férias ou festividades é um objetivo que precisa de planejamento. Estas dietas são vendidas como bem-sucedidas, porém em certos casos geram problemas de saúde nos indivíduos.

Estes regimes alimentares podem ser destrutores. Caracterizam-se por serem hipocalóricos, propõem um desequilíbrio na alimentação e incentivam desordens no estado físico e psicológico de quem recorre a eles.

5 motivos pelos quais não devemos adotar uma dieta rápida

Estas modalidades, também conhecidas como “milagrosas”, podem impactar negativamente a saúde das pessoas. Neste sentido, oferecemos 5 motivos que argumentam por que não devemos fazer uma dieta rápida.

Não perca essas Dicas para iniciar uma boa dieta

1. Produzem emagrecimento exagerado

Na dieta rápida se come pouca quantidade de alimentos

Em períodos muito curtos, estas dietas podem fazer com que percamos peso de uma forma desmedida. Talvez seja isso que você busca, mas asseguramos que não é a melhor forma para o bem-estar. Estas dietas produzem um efeito rebote. Quer dizer que, em pouco tempo, também recuperará os quilos perdidos.

Neste processo são gerados mecanismos neuroendócrinos que aumentam o apetite e evitam que sintamos saciedade. Além disso, contribuem com a ativação de armazenamento de energia na forma de gordura, o que desencadeia a lentidão do metabolismo.

Isso se converte em um círculo vicioso de tentativas falhas que podem derivar em doenças no aparelho digestivo, excretor e cardiovascular. 

2. Dificuldade para manter hábitos alimentares

Estas dietas são muito restritivas e eliminam uma grande quantidade de alimentos que em situações normais trazem grandes quantidades de nutrientes. Um exemplo disso são os carboidratos e as proteínas.

Por isso, ao adotar uma dieta rápida podemos sofrer enjoos, desmaios e dores de cabeça. Estes regimes impedem a manutenção de uma alimentação equilibrada que ajude o organismo a funcionar corretamente.

Lembre que não deve prevalecer o desejo de ter um corpo escultural sobre a necessidade de cuidar da saúde. Todos os grupos de alimentos são importantes. Um bom plano alimentar não se trata de excluir alimentos, e sim de saber quando, quanto e como consumi-los.

3. Risco de deficiência nutricional

Uma dieta rápida procura a redução da ingestão de calorias e propõe uma escassa variedade de alimentos aptos para uma alimentação saudável. Durante os dias da dieta você terá um baixo teor de vitaminas e minerais.

Alimentos que deve evitar em uma dieta rápida

Esta situação pode gerar enfraquecimento no sistema imune, o que favorece o aparecimento de infecções e anemia. Além disso, perderá massa muscular e densidade óssea. A isso adicione o fato da pele se tornar seca e a chance de aparecer estrias, entre outras coisas.

Leia mais: 3 simples formas de queimar mais calorias no próximo treinamento

4. Enfraquecimento do organismo

Adotar frequentemente estas dietas gerará um custo maior para o organismo, que terá suas consequências a longo prazo. Poderemos sofrer com um transtorno alimentar que enfraquece as capacidades dos órgãos e que gerará problemas em seu funcionamento.

A carência de carboidratos e proteínas contribui para o enfraquecimento do coração. Além disso, a situação piora quando se reduz a ingestão de minerais como o ferro, zinco, cálcio e magnésio, e vitaminas.

5. Fuja da dieta rápida que leve o nome de algum famoso

Estas dietas, além das restrições que impõem, não avaliam as características individuais das pessoas. Impõem uma estrutura geral e não levam em consideração o estado de quem decido segui-la.

Um nutricionista sempre levará em consideração a idade, altura e condições físicas e psicológicas do paciente para gerar um plano alimentar que o ajude a conquistar seus objetivos. A meta sempre deve ser de cuidar da saúde e encontrar o bem-estar físico e emocional.

Em lugar de fazer uma dieta rápida, um nutricionista pode indicar um plano de alimentação saudável

As dietas milagrosas não te ajudarão com estas pretensões. Se você encontrou na internet que um famoso fez uma dieta, procure ajuda profissional antes de aplicá-la. Porque essa pessoa sim contratou um especialista que avaliou seu estado e desenvolveu um plano exclusivo, que certamente funcionou e divulgou para fazer publicidade.

Quando se trata de dietas, os milagres não existem

Lembre que, quando o objetivo é perder peso, não existem deidades que ajudem nem milagres que façam que estes sejam eliminados em pouco tempo. Talvez perder mais de 2 quilos em uma semana seja uma “conquista” positiva para seu estado físico, mas negativo para o seu organismo.

O processo de perder peso deve ser progressivo, e para dominá-lo devemos ser constantes. Apressar os resultados é submeter o organismo a uma situação praticamente bélica. Melhore seus hábitos de alimentação, coma adequadamente e faça exercício.

Com estes detalhes, a perda de peso será gradual. Depois de dois ou três meses já não terá aqueles quilos incômodos para sempre. Não se produzirá o efeito rebote e seu organismo te agradecerá. A dieta rápida não é a melhor opção para você, por isso recomendamos procurar um nutricionista.