5 erros na dieta de um paciente com colesterol alto

Pacientes com colesterol alto devem seguir uma série de recomendações para controlar esse problema através da dieta.
5 erros na dieta de um paciente com colesterol alto

Última atualização: 22 Janeiro, 2021

Pacientes com colesterol alto estão cientes da importância da alimentação, quando se trata de controlar essa condição. No entanto, por desconhecimento ou desinformação, algumas pessoas cometem erros na dieta, fazendo com que muitos esforços sejam em vão.

Essa situação é bastante frustrante durante o tratamento. E o mais preocupante é que pode levar a várias complicações porque, às vezes, pode piorar o problema.

Por isso, é essencial que todos saibam quais são esses erros e por que eles acontecem, pois, embora pareçam inofensivos, são prejudiciais. A seguir, queremos compartilhar em detalhe os 5 mais comuns, para que todos possam começar a controlá-los adequadamente.

Erros na dieta que podem dificultar o controle do colesterol

Todos os pacientes diagnosticados com colesterol alto ou hipercolesterolemia devem seguir as recomendações dietéticas do médico. Embora isso às vezes envolva mudanças drásticas na dieta habitual, é crucial evitar agravamentos ou outras consequências.

Erro na dieta de um paciente com colesterol alto: comer gorduras que obstruem as artérias

Mas seguir uma dieta apropriada não significa apenas comer mais frutas e vegetais. Embora algumas pessoas ignorem, há outras mudanças significativas que são essenciais. De fato, elas podem variar em cada caso particular, já que cada corpo e situação podem ser diferentes.

Você acha que está cometendo erros na dieta? Não consegue regular seus níveis de colesterol ruim (LDL)? Se você respondeu afirmativamente a essas perguntas, descubra se está cometendo erros em algum aspecto da sua dieta.

1. Ignorar o açúcar na dieta

O consumo de açúcar não tem impacto direto nos níveis de colesterol no organismo. No entanto, os produtos que o contêm em grandes quantidades (como sobremesas, bolos, pães, doces, etc.) também tendem a ser ricos em gorduras nocivas, como gorduras trans ou saturadas.

Por isso, ingeri-los regularmente pode influenciar o sobrepeso e a obesidade, distúrbios intimamente ligados ao aumento de LDL. Da mesma forma, o alto índice glicêmico desses alimentos eleva os níveis de glicose no sangue, um problema que, a longo prazo, pode causar outras patologias.

Erro na dieta de um paciente com colesterol alto: não controlar o consumo de açúcar

Leia também: Quais são as proteínas magras e como elas contribuem para a dieta?

2. Concentrar-se apenas nos alimentos com colesterol

Há quem acredite que a melhor maneira de melhorar sua dieta é eliminando alimentos que contenham essa substância em abundância. Contudo, embora essa seja uma das medidas que devem ser tomadas, é um erro focar apenas nessa ideia.

O colesterol é um componente gorduroso obtido de alguns alimentos e de sua síntese endógena. Portanto, não é suficiente reduzir seu consumo nas refeições. Além de eliminar alimentos ricos em colesterol, é essencial evitar as fontes de gorduras trans e saturadas, que sobrecarregam o fígado.

3. Eliminar toda a gordura da dieta

Eliminar todas as fonte de gordura (até as saudáveis, como o azeite) talvez seja um dos erros na dieta que a maioria dos pacientes com colesterol alto mais cometem.

Em vez de diminuir todas as fontes de gordura, o correto é aprender a escolher as fontes benéficas.

Os alimentos contêm uma mistura dos diferentes tipos de gorduras: saturadas, monoinsaturadas, e poli-insaturadas (ômega 3 e 6). Dentre todas essas, é conveniente ingerir aquelas que tenham uma quantidade mínima de gorduras saturadas e mais gorduras benéficas.

As gorduras saturadas aumentam o risco de doenças cardiovasculares, enquanto as gorduras insaturadas contribuem para aumentar o colesterol bom (HDL), para ajudar a prevenir doenças coronárias ou um acidente cardiovascular.

Nesse sentido, alguns exemplos de boas gorduras são o abacate, o azeite de oliva e as oleaginosas. Além disso, recomenda-se alimentos que contenham fibra de maneira natural, como a aveia e as leguminosas.

Saiba mais: Dicas para aumentar o colesterol bom

4. Passar de uma dieta milagrosa para outra

As dietas milagrosas parecem ser uma maneira rápida de restaurar os níveis de colesterol, já que ajudam a reduzir o sobrepeso. O problema com esses planos de alimentação é que eles são restritivos ou se limitam a apenas certos tipos de grupos de nutrientes. Ademais, podem representar um risco para a saúde.

Por causa disso, muitas das pessoas que obtêm resultados rápidos enfrentam o fracasso algumas semanas depois. Embora percam peso e reduzam medidas, após o retorno aos hábitos alimentares habituais, todos os esforços são desperdiçados.

Por outro lado, uma boa dieta para reduzir o colesterol deve ser permanente. Se houver melhora apenas por alguns dias, os níveis vão diminuir, mas aumentarão novamente, assim como o peso.

5. Tomar estatinas com suco de toranja

As estatinas geralmente são recomendadas para diminuir os altos níveis de colesterol. Mas o consumo de suco de toranja é um dos erros da dieta que pode interferir em sua assimilação adequada. Embora essa bebida seja muito saudável e baixa em calorias, não é recomendada nesses casos.

Se você tiver dúvidas, consulte um nutricionista

É importante corrigir os erros na dieta para que o plano de reduzir o colesterol não seja um fracasso. Da mesma forma, é essencial fazer acompanhamento médico regular. Mudanças na dieta devem ser aprovadas por um médico e em nenhum caso o tratamento deve ser suspenso.



  • Colpo, A. (2005). LDL Cholesterol:” Bad” Cholesterol or Bad Science? Journal of American Physicians and Surgeons.
  • De Andrés, S., Lucena, A., & De Juana, P. (2004, July). Interacciones entre los alimentos y las estatinas. Nutricion Hospitalaria.
  • Ma, H. (2006). Cholesterol and Human Health. Nature and Science.
  • Scirica, B. M. (2005). Treatment of Elevated Cholesterol. Circulation.
  • Schaefer, E. J. (2002). Lipoproteins, nutrition, and heart disease. American Journal of Clinical Nutrition.
  • Verschuren, W. M. M. (2012). Diet and cardiovascular disease. Current Cardiology Reports.