Antes de ser mãe, há algumas coisas que você deve saber

11 de julho de 2019
Antes de ser mãe, tudo é uma ilusão pela maravilhosa experiência da maternidade. No entanto, é importante conhecer essas 5 coisas que compartilharemos abaixo.

“Há muitas coisas que eu não sabia antes de me tornar mãe”. Quantas vezes ouvimos isso das mães que já têm seus bebês nos braços? Esta emocionante jornada da vida tem muitas surpresas para as quais, em alguns casos, gostaríamos de estar preparados.

Saiba essas 5 coisas antes de ser mãe

1. Será preciso perdoar muitas coisas

Primeiramente, antes de ser mãe, você tem uma ideia de maternidade muito superficial. Por mais que te contem, você nunca saberá o que isso significa até que experimente em primeira pessoa. Porque cada caso é único e você vai escrever a sua própria história.

Embora você aprenda todos os manuais e ouça todos os conselhos, o dia-a-dia mostrará que você terá que se deixar guiar acima de tudo por seu instinto. Você terá que perdoar muitas coisas que não será capaz de cumprir como esperado.

Nem todas as mães sentem amor à primeira vista pelo bebê. Às vezes, o vínculo precisa de mais tempo para ser criado. Mas não se culpe, porque o importante é que você siga seu ritmo natural.

Leia também: Como ser um bom pai

2. O relacionamento vai mudar

Antes de ser mãe, saiba que vai precisar de ajuda

Em segundo lugar, é inevitável que a relação entre o casal mude com a chegada dos filhos. No entanto, a mudança não precisa ser pior, mas está em nossas mãos direcionar esse novo estágio para que seja positivo para toda a família.

Antes de ser mãe, a vida gira em torno dos problemas do casal e da família, do trabalho, etc. Mas após o nascimento, toda a atenção é voltada para o recém-nascido, pois ele requer cuidados 24 horas por dia. E até que você não viva essa situação, não está ciente de até que ponto é assim.

As alterações hormonais, cansaço, sono, estresse, preocupações, tomada de decisão… Todos são testes para o casal, que deve enfrentar essa grande mudança com paciência, carinho e um grande senso de trabalho em equipe. Além de tentar manter o tesouro da intimidade e do romance.

3. Inicie o trabalho do assoalho pélvico antes de se tornar mãe

De todas as recomendações que você vai ouvir, não subestime aquelas que têm a ver com o assoalho pélvico. Desta parte do seu corpo que você pode não ter ouvido antes, sua qualidade de vida dependerá em grande medida.

O ideal é conhecer os exercícios com antecedência. Na verdade, será muito melhor se você os aprender antes da gravidez. Estar ciente do assoalho pélvico é cada vez mais urgente, especialmente para as meninas que já sofrem pequenas perdas de urina. Por exemplo, quando espirram ou riem. Então leve a sério.

Confira ademais: Preparação para o parto: o que é e quando é feita?

4. Alcançar a gravidez nem sempre é fácil

Antes de ser mãe termine seus projetos

Muitas mulheres esperam engravidar no primeiro mês. No entanto, isso acontece em um baixo percentual de casos, mas não sabemos disso até que comecemos a procurar informações porque achamos que não somos férteis.

Os médicos recomendam não se preocupar antes de tentar pelo menos um ano. No entanto, se queremos facilitar a concepção, podemos ajudar com um calendário de dias férteis e um teste de ovulação, bem como uma dieta equilibrada e nutritiva.

Além disso, também podemos realizar exames de rotina para detectar possíveis deficiências. No entanto, o mais importante é evitar a ansiedade e a frustração, vivendo este estágio com esperança e otimismo.

Leia também: Como aumentar a fertilidade nas mulheres?

5. Você vai querer voltar para os dias difíceis

Por fim, certamente muitos dos primeiros dias ou semanas com seu recém-nascido serão muito mais intensos do que você imaginou. E eles nem sempre serão acompanhados de emoções positivas.

No entanto, daqui a alguns anos você vai se lembrar deles com grande nostalgia e ainda vai querer revivê-los. Entenderá essa expressão que “os dias são longos, mas os anos são curtos”. Portanto, aprenda e aproveite cada momento.

  • Ferri Morales, A., & Amostegui azkúe, J. M. (2013). Prevención de la disfunción del suelo pélvico de origen obstétrico. Fisioterapia. https://doi.org/10.1016/s0211-5638(04)73110-7
  • Alemany, J., & Velasco, * Javier. (2005). Aspectos emocionales que rodean el nacimiento. Estado de la cuestión. Matronas Prof.
  • Barbieri, R. L. (2018). Female Infertility. In Yen & Jaffe’s Reproductive Endocrinology: Physiology, Pathophysiology, and Clinical Management: Eighth Edition. https://doi.org/10.1016/B978-0-323-47912-7.00022-6