Vulvodinia: tudo o que você precisa saber

6 de julho de 2019
Você sente ardor e inflamação na área da vagina? Tem relações sexuais dolorosas? Você pode sofrer de vulvodinia, uma dor que afeta a área genital das mulheres e que hoje descobriremos como tratar.

A vulvodinia é um desconforto na área da vulva que se caracteriza por queimação, inflamação e dor latejante. Geralmente afeta 16% da população feminina. Por essa razão, hoje queremos expor informações de interesse sobre essa condição para encontrar uma solução o mais rápido possível.

Em seguida, descobriremos como isso afeta a qualidade de vida das pacientes e o modo como influencia nas relações sexuais. Além disso, vamos dar algumas dicas que serão úteis.

Quando se deve ir ao médico?

Comichão por vulvodinia

O desconforto na área da vulva pode ter diferentes causas. Por exemplo, limpar-se demais com papel higiênico pode causar irritação e ardor. Em algumas ocasiões, ter uma alergia ao látex (preservativos) também pode causar sintomas semelhantes.

No entanto, vamos ver quando devemos ir ao médico, porque o que realmente está acontecendo conosco é que temos vulvodinia. Pois, um diagnóstico precoce é sempre melhor.

Talvez você esteja interessado em ler: 5 remédios caseiros para controlar o odor e o corrimento vaginal excessivo

Sintomas de vulvodinia

A razão pela qual a vulvodinia é considerada uma dor crônica é porque ela tem uma duração média de 3 meses, conforme declarado no artigo “Vulvite: 5 causas e 5 sintomas” 

Portanto, se o desconforto se estender por mais de 4 dias, não hesite em ir ao médico imediatamente.

  • Ardor: a doença geralmente é acompanhada por uma sensação de ardor e uma dor que podemos definir como latejante.
  • Coceira: há uma sensação de coceira que não é aliviada de qualquer forma (lavando a área com sabão apropriado).
  • Dispaurenia: este termo refere-se à relação sexual dolorosa que geralmente ocorre quando se sofre de vulvodinia.

É importante deixar claro que esses sintomas podem aparecer de forma constante ou apenas em momentos específicos. Por exemplo, ao tocar na área, ou manter relações sexuais.

Seja como for, se isso for mantido por semanas, devemos contar ao nosso médico de confiança. Desta forma, você poderá ter um diagnóstico para iniciar um tratamento o mais rápido possível.

Causas da vulvodinia

Pílulas anticoncepcionais

Para expor as causas da vulvodinia vamos nos basear no que  indica o artigo Sintomas, tratamentos e prevenção da vulvovaginite. Entre elas, estão expostos como possíveis gatilhos:

  • Herpes: lesões que causam feridas na área da vulva.
  • Alergias: devido ao uso de lenços umedecidos ou o látex do preservativo.
  • Hormônios: alterações hormonais por amamentação, ou uso de anticoncepcionais.
  • Endometriose: esta doença (que é a presença de tecido endometrial fora do útero) também pode causar vulvodinia.

Estas são algumas das causas da vulvodinia que podem levar ao vaginismo. Isto é, contrações involuntárias dos músculos da vagina, fruto da ansiedade e do medo, em antecipação à dor que ocorrerá na relação sexual.

É isso que faz com que o relacionamento do casal seja ainda mais doloroso. Se isso acontecer, você deve ver o médico imediatamente.

Não deixe de ler ademais: Endometriose: 5 aspectos pouco conhecidos que melhoram sua qualidade de vida

Tratamentos possíveis

No momento em que é diagnosticada a vulvodinia; existem diferentes tratamentos para seguir.

No caso de haver sinais claros de ansiedade e antecipação da dor nas relações sexuais, a possibilidade de sofrer uma intervenção psicológica será considerada. É possível que drogas como antidepressivos possam ser prescritas também.

O que acontece se o motivo for externo? Serão testadas alternativas como cremes anestésicos e anti-inflamatórios. No entanto, se as causas são graves, por exemplo, devido à endometriose, a ideia de um tratamento cirúrgico pode ser considerada.

Um problema com solução

Exame ginecológico para detectar a vulvodinia

Como você pode ver, a vulvodinia tem uma solução, embora para cada pessoa seja diferente dependendo das causas que levaram à esta dor crônica. Portanto, não devemos escolher o silêncio nesses casos.

O fato de passar mal nas relações sexuais ou perceber constante desconforto na área da vagina, deve ser dito ao médico ginecologista.

É por isso que é tão importante que, pelo menos uma vez por ano, as mulheres realizem um exame ginecológico para verificar se está tudo bem. Você merece desfrutar de uma vida sexual completa. A vulvodinia tem solução, não deixe de consultar um profissional!

  • García-Pérez, H., & Harlow, S. D. (2010). Cuando el coito produce dolor: una exploración de la sexualidad femenina en el noroeste de México. salud pública de méxico52(2), 148-155.
  • Gómez-Sánchez, P. I., Chalela, J. G., & Gaitán-Duarte, H. (2016). Vulvodinia: clasificación, etiología, diagnóstico y manejo. Revisión sistemática de la literatura. Revista colombiana de obstetricia y ginecología58(3), 222-231.
  • Vieira-Baptista, Pedro, & Silva, Joana Lima. (2016). Alterações à classificação da dor vulvar persistente: (vulvodinia). Acta Obstétrica e Ginecológica Portuguesa10(1), 12-14. Recuperado em 03 de abril de 2019, de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-58302016000100003&lng=pt&tlng=pt.