O uso do smartphone pode prejudicar seu filho

29 de janeiro de 2019
Seu filho não desgruda do smartphone? Está na hora de fazer alguma coisa. Descubra como fazer com que ele use o smartphone de forma benéfica.

Seu filho faz uso do smartphone excessivamente? Alguns pais permitem que seus filhos usem o smartphone para se distrair, no entanto, o uso excessivo pode ser prejudicial à sua saúde e desenvolvimento.

Hoje é comum que as crianças tenham seu próprio smartphone.

De fato, se seu filho ainda não possui um, prepare-se porque não deve estar muito longe de te pedir.

Primeiramente, as crianças se tornam pessoas sedentárias. Isso pode desenvolver doenças como obesidade e até diabetes.

Além disso, o smartphone causa dependência e quando a criança não o tem em mãos pode apresentar irritabilidade, agressividade e raiva.

Com que idade o uso do smartphone é recomendado?

O aniversário ou o Natal são ideais para dar um celular para seu filho. Mas, alguma vez você já se perguntou qual é a melhor idade para que as crianças tenham um telefone? De acordo com um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Estatística, em 2016 uma em cada quatro crianças de 10 anos de idade já tinha um celular  próprio.

Aos 12 anos, três de cada quatro crianças já usam o smartphone. Esta idade coincide com a passagem do ensino primário para o fundamental. Além disso, se os amigos de seu filho tiverem telefones, provavelmente ele também vai te pedir um.

O uso do smartphone não depende da idade de seu filho, mas sim de se ele está preparado ou não para tê-lo. Também influenciam as circunstâncias e necessidades de seu filho. Ainda, é importante levar em conta se usará o telefone para se comunicar ou procurar coisas por curiosidade na rede e ver vídeos sem supervisão.

Com que frequência eles devem usar o smartphone?

Desde pequenas as crianças são expostas às telas dos celulares. Mas, precisam de limites já que seu consumo excessivo pode afetar consideravelmente sua saúde, desenvolvimento pessoal e escolar.

Usar celular por mais tempo do que o indicado pode trazer consequências tais como:

  • Irritabilidade.
  • Alterações do sono.
  • Agressividade.
  • Déficit de atenção.
  • Obesidade.
  • Transtornos alimentares

Se seu bebê tiver menos de dois anos, evite expô-lo à tela do celular. Apenas em casos de videochamadas. Após os dois e até os cinco anos, o uso do smartphone não deverá passar dos 30 minutos por dia. Entre cinco e doze anos, seu uso pode variar entre 60 a 90 minutos por dia. Finalmente, quando eles ultrapassam a idade de doze anos, você deve evitar que use o telefone mais de 3 horas por dia.

Ensine seu filho a tirar proveito do uso do smartphone

O mais comum é que as crianças queiram usar o celular para vídeos e jogos online. No entanto, como pai, você deve tirar proveito de suas preferências.

Ou seja, existe uma grande variedade de aplicativos projetados para as crianças brincarem enquanto trabalham em suas habilidades motoras e cognitivas.

Baixe pelo menos três desses aplicativos e peça ao seu filho para experimentá-los. Se ele não gostar, não se preocupe, continue tentando, provavelmente vai cativá-lo completamente.

Além disso, existem muitos vídeos educativos e divertidos que seus filhos podem desfrutar enquanto aprendem lições como as tabelas de multiplicação.

Apps para a aprendizagem

Com a chegada do smartphone os brinquedos foram perdendo terreno. As telas se tornaram a opção favorita dos menores na hora de jogar.

Ainda, existem diferentes jogos desenvolvidos para que seu filho reforce os conhecimentos adquiridos na escola ou que lhes permita desenvolver suas criatividade e habilidades motoras.

Por exemplo, alguns aplicativos imitam a forma e os sons de instrumentos musicais, como pianos, xilofones ou guitarras. Com eles, seu filho pode desenvolver o sentido da audição e ao mesmo tempo, despertar interesse pela música.

Além disso, há apps que ensinam as crianças através de jogos a contar, falar em outras línguas e aprender o alfabeto, por exemplo. Os jogos de quebra-cabeça ou tangram são ideais para que seu filho trabalhe habilidades especiais e cognitivas.

Para reforçar a sua aprendizagem com o smartphone, você só deve escolher os aplicativos ideais. Lembre-se de perguntar do que ele gosta, e então você vai saber qual jogo poderia interessá-lo.

Poder pesquisar temas relacionados às tarefas escolares

Às vezes, as crianças podem levar para casa uma tarefa com a qual você tenha problemas para ajudá-las. No entanto, você não deve se preocupar, pois é aí que o uso do smartphone pode te tirar dos apuros.

Você não dispõe da internet para pesquisar alguma pergunta ou tarefa que seu filho tenha, como também pode fazer uso de aplicativos como calculadoras, enciclopédias interativas, atlas e mapas geográficos.

Entretenimento saudável

O smartphone também pode ser usado para curtir em família. Sim, é isso mesmo que você está lendo. Lembre-se que entre os tipos de aplicativos para celular existem centros de entretenimento, aplicativos para ver filmes e reproduzir músicas.

Se você conectar seu telefone à TV da família, seu filho vai desfrutar dos filmes e desenhos animados de sua preferência enquanto compartilha um momento diferente com todos. Estes filmes podem ser fábulas animadas que ensinam uma lição de moral para a criança.

No entanto, não devemos nos esquecer que o uso do smartphone deve ser supervisionado por você. Evite deixar seu filho manipulando o telefone sozinho, já que poderia encontrar vídeos ou páginas na internet que não são aptas para a sua idade.

Veja também: As crianças do século XXI e tecnologia

O que você deve evitar como pai

O uso do smartphone pode prejudicar seu filho, por isso deve ser monitorado

Além de monitorar e controlar o tempo que seu filho passa usando o smartphone, você deve estar ciente das páginas em que ele navega e dos aplicativos que baixa.

Às vezes, as crianças podem acessar sites que colocam sua integridade moral em risco.

Por exemplo, o uso das redes sociais sem qualquer tipo de monitoramento pode expor seu filho a interagir com estranhos e ter acesso a conteúdo pornográfico ou violento.

Para evitar isso, você pode criar um perfil específico de navegação para o seu filho. Neste, você bloqueia o acesso a determinadas páginas e configura de tal forma que só você é quem pode baixar arquivos para o celular.

Conteúdo violento

Algumas listas de reprodução de vídeo podem incluir clipes com material violento não apropriado para menores.

Apenas com alguns cliques, seu filho pode acessar vídeos de natureza adulta.

Entretanto, você deve tirar proveito do modo de “navegação para crianças” para bloquear este tipo de conteúdo. Tenta estar perto de seu filho quando ele quiser assistir vídeos, para selecionar que conteúdo pode assistir ou não.

Pornografia

Uma pesquisa publicada pelo International Journal of Developmental and Educational Psychology mostrou que a cada três de quatro crianças de 13 anos de idade, se depararam com pornografia enquanto navegavam na internet.

Além de ter acesso a esse tipo de conteúdo, algumas crianças colocam sua integridade moral em risco ao deixar seus dados pessoais nas caixas de registro de sites pornográficos.

Para evitar isso você deve rever constantemente o histórico de buscas. Se descobrir que seu filho andou visualizando material pornográfico, converse com ele e explique porque não deve frequentar este tipo de páginas.

Falar com estranhos

Um dos maiores riscos que seu filho corre através do uso do smartphone sem supervisão é entrar em chats ou criar perfis sociais nos quais podem chegar a conversar com estranhos. Seu filho vai pensar que ele está conversando com um amigo, porém, estará conversando com um estranho, o que supõe um risco para ele e para a família em geral.

Na web, muitos pedófilos buscam por informações pessoais. Alguns são tão convincentes que convencem as crianças a lhe enviarem fotos e inclusive são capazes de convencê-las a marcar um encontro.

Para minimizar esse risco, é recomendável ter acesso às redes sociais de seu filho e limitar o uso do smartphone. Além disso, tente perguntar quais sites ele frequenta e com quem bate papo.

Leia também: Como ensinar seu filho a cuidar do meio ambiente

Conclusão

O uso de smartphones pode ser uma ferramenta para o seu filho aprender de uma forma mais criativa e interativa. No entanto, os pais são os principais responsáveis ​​pelo conteúdo que as crianças consomem através deste dispositivo.

É importante que você verifique constantemente as configurações de privacidade no navegador e nos perfis sociais de seu filho.

  • Blanco, J., de Caso, A. M. y Navas, G. (2012). Violencia escolar:Ciberbulling en redes sociales. International Journal of Developmental and Educational Psychology INFAD Revista de Psicología.
  • Rojas Morales, D. M. (2015). Ciberacoso de niños, niñas y adolescentes en las redes sociales: Un estudio sobre los sistemas de protección y prevención judicial. Sin Datos.
  • Catalina García, B., López de Ayala López, M. C., & García Jiménez, A. (2014). Los riesgos de los adolescentes en Internet: Los menores como actores y víctimas de los peligros de Internet. Revista Latina de Comunicacion Social. https://doi.org/10.4185/RLCS-2014-1020