Úlceras bucais: tudo que você precisa saber

As úlceras bucais ocorrem quase sempre em pessoas com menos de 60 anos, e geralmente não são motivo de preocupação. Se causarem sintomas muito intensos, tiverem características estranhas ou forem muito recorrentes, não devem ser ignoradas.
Úlceras bucais: tudo que você precisa saber

Última atualização: 01 Junho, 2021

As úlceras bucais, também conhecidas como aftas, são lesões que aparecem nos lábios ou na base das gengivas. Também podem aparecer na parte interna das bochechas, no céu da boca e ao redor das amígdalas.

Essas lesões costumam ser dolorosas, e atividades como escovar os dentes, comer, beber ou falar podem causar algum desconforto. As úlceras bucais geralmente têm uma forma ovalada e esbranquiçada com uma área avermelhada ao redor.

Estima-se que afetem cerca de 25% da população. Aparecem com mais frequência em mulheres, adolescentes e pessoas com histórico familiar dessa condição. Não são contagiosas e quase nunca constituem um risco para a saúde.

Tipos de úlceras bucais

Podemos classificar as úlceras bucais de diferentes maneiras. Se aparecerem muito ocasionalmente, são agudas; quando são recorrentes, são consideradas crônicas. De acordo com as suas manifestações clínicas, podem ser de três tipos: maiores, menores ou herpetiformes. Vejamos os detalhes de cada uma delas:

Maiores

As úlceras maiores ou aftas têm mais de 10 milímetros de diâmetro. Podem aparecer individualmente ou em grupos. Penetram mais profundamente no tecido e geralmente permanecem por mais de uma semana; algumas, inclusive, permanecem durante meses. Podem deixar uma cicatriz quando desaparecem e geralmente estão localizadas nos lábios, palato, língua, faringe e área interna da bochecha.

Menores

As aftas menores têm um diâmetro inferior a 10 milímetros e são a forma mais comum. São superficiais e estão localizadas nas bordas da língua ou na mucosa interna dos lábios ou bochechas. Causam uma dor intensa que se irradia para as áreas adjacentes, mas na maioria das vezes desaparecem espontaneamente em menos de uma semana. Aparecem várias vezes em lapsos espaçados.

Herpetiformes

Esse tipo de úlcera bucal forma feridas semelhantes às causadas pelo herpes. No entanto, não são contagiosas, embora voltem a aparecer. Surgem em grupos de várias aftas pequenas que não excedem 3 milímetros. A tendência é de que se aglutinem formando lesões maiores.

Aftas na boca
As úlceras bucais podem ser menores, maiores ou herpetiformes.

Continue lendo: Higiene bucal das crianças

Por que as úlceras bucais aparecem?

As causas das úlceras são múltiplas. Na maioria das vezes, ocorrem devido aos seguintes gatilhos:

  • Fricção com dentes desalinhados, quebrados ou mordidas na própria boca, bem como fricção inadequada com dentaduras ou aparelhos de ortodontia.
  • Lesões causadas por escovação vigorosa ou produtos de higiene bucal ou dentária contendo lauril sulfato de sódio (LSS).
  • Alimentos muito quentes que causam queimaduras.
  • Tabagismo.
  • Reação a certos medicamentos e alterações hormonais causadas pela menstruação em mulheres.
  • Estresse emocional e privação de sono.

Em alguns casos, as úlceras bucais são causadas por uma deficiência de vitamina B12, zinco, ácido fólico ou ferro. Também podem ser uma resposta alérgica a bactérias na boca.

Existem casos mais graves em que essas lesões são uma manifestação de problemas sérios de saúde, como doença inflamatória intestinal, diabetes mellitus, HIV/AIDS, doença de Crohn, doença celíaca, doenças autoimunes ou câncer oral.

Você também pode estar interessado: Remédios caseiros para acabar com as incômodas aftas

Tratamentos para as úlceras bucais

A maioria das úlceras bucais são inofensivas e não requerem tratamento. Geralmente desaparecem em 7 a 14 dias. Em princípio, é adequado estabelecer o que as provoca, se são os produtos usados, alimentos ou medicamentos. Nesse caso, o mais indicado é substituir esses elementos por outros.

Caso sejam decorrentes de lesão ou de uma causa desconhecida, o tratamento das aftas consiste em adotar algumas medidas caseiras e utilizar remédios naturais para o alívio dos sintomas:

  • Enxágue a boca com água morna levemente salgada três vezes ao dia durante quatro minutos. Faça também gargarejos com água fria.
  • Beba muito líquido e evite alimentos quentes, picantes, cítricos ou comidas muito salgadas ou temperadas. E é claro, evite o cigarro.
  • Para acalmar a dor, pode-se tomar analgésicos de venda livre, como o paracetamol.
  • Pratique esportes ou utilize técnicas de relaxamento para o estresse. Isso ajuda a desviar a atenção do desconforto.
  • Use uma escova de dentes com cerdas macias e vá ao dentista para manter os dentes em boas condições.

Entretanto, se os sintomas forem muito graves, as medidas caseiras não funcionarem ou o problema se tornar recorrente, o mais indicado é agendar uma consulta profissional. Pode ser necessário algo além dos simples remédios naturais.

Possíveis complicações

A principal complicação potencial é o problema se tornar crônico ou que ocorra uma superinfecção das úlceras. Para evitar que isso aconteça, o médico pode indicar o uso de antissépticos orais tópicos contendo cloridrato de clorexidina, hexetidina, iodo povidona, cloreto de benzalcônio ou borato de sódio.

O médico deve indicar como o paciente deve usá-los. Em alguns casos, também é possível prescrever antibióticos, especialmente se as úlceras forem grandes ou ocorrerem de forma muito frequente.

Escovar os dentes
A escovação adequada é uma grande aliada na prevenção das aftas.

Prevenção e recomendações para evitar as úlceras bucais

A melhor maneira de prevenir as aftas é manter hábitos de higiene adequados. É necessário escovar os dentes pelo menos três vezes ao dia, usar fio dental e utilizar um enxaguante bucal que não seja irritante. Também é importante consultar o dentista pelo menos uma vez por ano.

Uma dieta saudável e equilibrada ajuda a prevenir essa condição. Se for recorrente, é melhor evitar os alimentos que podem irritar a boca, como os ácidos, picantes ou com temperos muito fortes. Também é importante estar atento a possíveis alergias.

A atividade física regular, bem como a prática de técnicas de relaxamento são medidas eficazes no controle do estresse. Embora, em termos gerais, as úlceras bucais não devam ser motivo de preocupação, em alguns casos elas requerem atenção médica:

  • Se começarem a se espalhar e aumentar gradualmente de tamanho.
  • Se não causarem dor ou desconforto.
  • Se durarem mais de três semanas.
  • Se tiverem uma aparência estranha ou formarem uma mancha na boca.

Quando a dor for muito intensa ou esse tipo de lesão gerar sintomas adicionais, como febre, também é aconselhável ir ao médico. Às vezes, isso é crucial para evitar problemas mais sérios.

Pode interessar a você...
Aftas na garganta: o que são e como tratá-las?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Aftas na garganta: o que são e como tratá-las?

Embora sejam mais comuns na boca, as aftas também podem surgir na garganta e causar bastante incômodo. Saiba mais detalhes neste artigo.



  • Sánchez Ñamo, I. J. (2015). Efectos que producen las prótesis totales removibles mal adaptadas AUTORA: Irma Jacqueline Sánchez Ñamo TUTOR: Dr. Silvio Gustavo Coronado Sarmiento. Guayaquil, Junio (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología).
  • Rodríguez, G. (1998). Ácido fólico y vitamina B12 en la nutrición humana. Revista Cubana Aliment Nutr, 12(2), 107-19.
  • Bascones-Martínez, A., Figuero-Ruiz, E., & Esparza-Gómez, G. C. (2005). Úlceras orales. Medicina clínica, 125(15), 590-597.
  • Pontón, Mariano Marx-Sánchez, et al. “Prevalencia de alteraciones bucales en el Centro Dermatológico Dr. Ladislao de la Pascua.” Dermatología Revista Mexicana 61.2 (2017): 87-97.
  • Weber, P., and F. Pascal. “Aftas y aftosis.” EMC-Tratado de Medicina 21.4 (2017): 1-7.
  • Mendieta Álvarez, Verónica Andrea. Efectos negativos del tabaquismo en la enfermedad periodontal. BS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología., 2019.
  • Rodríguez Guerrero, Katiuska, Rafael Alberto Clavería Clark, and Maritza Peña Sisto. “Consideraciones actuales sobre envejecimiento y cáncer bucal.” Medisan 20.12 (2016): 2526-2535.
  • Vázquez Marrero, Annia Iris, Milagros de la Caridad Pérez Suárez, and Marlen Esperanza García Zaldívar. “Eficacia del láser en el tratamiento de la estomatitis aftosa recurrente.” Correo Científico Médico 23.1 (2019): 281-287.
  • Pernas, Mayra García, et al. “Efecto del oleozón oral en el tratamiento de las aftas bucales.” Revista Cubana de Medicina Natural y Tradicional 3 (2020).