Tratamento natural para a síndrome dos ovários policísticos

A saúde dos ovários está intimamente relacionada à dos outros órgãos. Uma congestão intestinal ou uma doença hepática podem afetar diretamente nossos órgãos reprodutivos e o sistema hormonal.
Tratamento natural para a síndrome dos ovários policísticos

Última atualização: 18 março, 2022

Cada vez mais mulheres sofrem de síndrome do ovário policístico (SOP). É caracterizada por irregularidades no período, dificuldade para emagrecer, excesso de cabelos, acne, queda de cabelo e problemas de fertilidade, entre outros sintomas.

De acordo com estatísticas recentes (2021), ” afeta 4-10% da população feminina em idade reprodutiva; mas o ovário policístico (OP) foi encontrado em 24% de meninas e adolescentes de entre 3 e 18 anos”.

Neste artigo, explicamos o que você deve levar em consideração para tratar naturalmente esse problema de saúde. Bem como os remédios mais eficazes para incluir na sua dieta.

Equilibre o fígado

O fígado é o órgão que limpa as toxinas do nosso sangue. Sua função está intimamente relacionada ao restante dos órgãos e, principalmente, ao sistema hormonal.

Para realizar um tratamento natural e completo devemos levar isso em consideração. Podemos facilitar a função hepática com plantas medicinais como cardo mariano ou boldo. Também é essencial evitar gorduras e aditivos alimentares nocivos em nossa dieta.

Regular o intestino

Se observarmos a proximidade do intestino com os ovários, bem como a relação entre todos os nossos órgãos internos, perceberemos que a congestão intestinal pode afetar a saúde de nossos órgãos reprodutivos.

É sempre importante manter um intestino saudável, pois se não funcionar adequadamente pode levar a muitos problemas de saúde a longo prazo.

Portanto, se além da síndrome dos ovários policísticos sofremos de prisão de ventre, intestino irritável, parasitas ou outras doenças intestinais, é melhor tratá-los naturalmente para que não piorem o equilíbrio dos ovários.

Para regular a função intestinal, é necessário seguir uma dieta rica em frutas e vegetais, leguminosas, grãos inteiros e oleaginosas. Em caso de prisão de ventre, adicionaremos alguns alimentos laxantes à nossa dieta, como sementes de linhaça ou ameixas secas.

Sementes de linho para aliviar ovários policísticos

Cuidado com o glúten

A intolerância ao glúten ou doença celíaca é uma doença que pode ser facilmente detectada. Isso ocorre porque o corpo reage imediatamente após comer um alimento com glúten.

No entanto, existem pessoas que apresentam diferentes graus de intolerância ao glúten. A consequência são alguns ligeiros desequilíbrios que, com o tempo, podem levar a certas doenças, incluindo a síndrome dos ovários policísticos.

Se você tem histórico de intolerância ao glúten ou alergia, ou se também sofre de problemas digestivos, recomendamos que leve em consideração essa possível explicação.

Vitex agnus-castus

A planta medicinal mais eficaz para tratar esta doença é o Vitex agnus castus. Um remédio que tem sido tradicionalmente usado para regular os níveis de hormônio, prevenir menstruações irregulares e restaurar a ovulação em mulheres que não menstruaram.

Tomar  Vitex agnuscastus é mais eficaz quando a SOP é acompanhada por baixos níveis de progesterona e prolactina. Se for esse o caso, se deve tomar 200 mg de extrato de  Vitex agnuscastus por dia. Idealmente, faça-o por pelo menos 3 ou 4 meses antes de avaliar os resultados.

chasteberry para tratar ovários policísticos

Maca para síndrome do ovário policístico

A maca é uma raiz andina conhecida e muito benéfica para a saúde da mulher. Em particular, ele atua como um regulador hormonal, independentemente de quais hormônios estejam alterados. Além disso, também é um excelente remédio para combater os sintomas da menopausa, conforme descrito neste estudo.

Podemos obter essa raiz em comprimidos ou pó. Em pó, é mais prático se quisermos controlar melhor a dose que tomamos, visto que se recomenda começar com uma pequena quantidade e aumentá-la aos poucos, porque é muito energizante e em alguns casos pode causar nervosismo.

  • Como tratamento de choque, você pode tomar 6 a 9 gramas por dia, o que podemos manter por um mês.
  • A dose de manutenção é de 3 gramas por dia (aproximadamente uma colher de chá rasa).

Óleo de linho

O óleo extraído da prensagem a frio das sementes de linhaça é rico em ômega-3 e ômega-6. Ambos os nutrientes regulam naturalmente os níveis hormonais e também promovem os ciclos de ovulação.

Tomaremos duas colheres de sopa (30 g) de óleo de linho diariamente. Se acharmos o sabor desagradável, pois pode nos lembrar o sabor do peixe, misturemos o óleo com algum alimento. Os benefícios serão os mesmos e você será poupado do desconforto.

Medicina Tradicional Chinesa: Acupuntura

Outra alternativa que tem sido utilizada para tratar cistos ovarianos é a acupuntura. Os benefícios descritos em vários artigos estão diretamente relacionados com o impacto que este método tem em ajudar as mulheres a perder peso, reduzindo também seu índice de massa muscular (IMC).

Conseqüentemente, a perda de peso melhora o perfil endócrino e diminui a probabilidade de formação de cistos. Portanto, além da acupuntura, é altamente recomendável acrescentar pelo menos 30 minutos de exercício à rotina diária.

Recomendações finais para síndrome do ovário policístico

Para complementar esses remédios naturais, também é essencial ter um estilo de vida saudável e evitar o excesso de peso. Por esta razão, é comum que o médico te encaminhe a um nutricionista, uma vez confirmada a presença de cistos ovarianos.

Ele dará as orientações necessárias sobre os alimentos permitidos e proibidos. É importante cumprir as indicações para conseguir a reverter a situação. Principalmente porque certas condições como obesidade, resistência à insulina, síndrome metabólica, entre outras, estão associadas à SOP.

A este respeito, um grupo de médicos especialistas publicou um guia de prática clínica para a síndrome dos ovários policísticos na Revista Archivos de Medicina. Se quiser se aprofundar no assunto, lá encontrará outras doenças relacionadas, entre outros aspectos de interesse.

This might interest you...
Remoção dos ovários
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Remoção dos ovários

Antes de optar por uma remoção dos ovários, você precisa pesar os prós e contras deste procedimento com o seu médico. Saiba mais aqui!

Imagens cortesia de digiyesica, Filip Bunkens e M. Martín Vicente.



  • Arentz S, Abbott JA, Smith CA, Bensoussan A. Herbal medicine for the management of polycystic ovary syndrome (PCOS) and associated oligo/amenorrhoea and hyperandrogenism; a review of the laboratory evidence for effects with corroborative clinical findings. BMC Complement Altern Med. 2014 Dec 18;14:511. doi: 10.1186/1472-6882-14-511. PMID: 25524718; PMCID: PMC4528347.
  • Chiliquinga, S., Aguirre, R., Agudo, M., Chú, Á., & Cuenca, S. (2017). Criterios diagnósticos y tratamiento integral terapéutico del síndrome de ovarios poliquísticos. Revista Cubana de Ginecología y Obstetricia, 43(3), 173-181. Disponible en: http://scielo.sld.cu/pdf/gin/v43n3/gin18317.pdf
  • Del Castillo, F., Martínez, A., & Del Castillo, R. (2014). Guía de práctica clínica de síndrome de ovario poliquístico. Disponible en: https://www.archivosdemedicina.com/medicina-de-familia/gua-de-prctica-clnica-de-sndrome-de-ovario-poliqustico.pdf
  • Murillo, G. A., Ramirez, B. S., & Fallas, A. Z. (2021). Evaluación del síndrome de ovario poliquístico. Revista Médica Sinergia6(1), 10. Disponible en: file:///C:/Users/tito%20nu%C3%B1ez/Downloads/Dialnet-EvaluacionDelSindromeDeOvarioPoliquistico-7967551.pdf
  • Ross K. Manejo nutricional de la menopausia inducida quirúrgicamente: Reporte de un caso. Salud de la mujer . Enero de 2021. doi: 10.1177 / 17455065211031492
  • Ruiz Rodríguez, R., Serrano Mera, V. K., Solis Guzmán, P. G., & Montes Mendoza, G. A. (2021). Síntomas y tratamiento de pacientes diagnosticadas con síndrome de ovario poliquístico. RECIAMUC4(4 (esp), 125-133. Disponible en: https://doi.org/10.26820/reciamuc/4.(4).diciembre.2020.125-133
  • Suarez Coba, B. H., Borja Tapia, P. E., Vela Chasiluisa, M. A., & Ontaneda Tenesaca, C. F. (2019). Diagnóstico y manejo del síndrome de ovario poliquístico. RECIMUNDO3(3), 970-1004. https://doi.org/10.26820/recimundo/3.(3).septiembre.2019.970-1004