Tosse com catarro verde: o que significa?

A cor do catarro que acompanha a tosse pode fazer parte do diagnóstico de várias doenças do trato respiratório. Descubra aqui o que significa a tosse com catarro verde.
Tosse com catarro verde: o que significa?

Última atualização: 12 Julho, 2021

O que acontece quando você tosse com catarro verde? É sempre uma infecção que precisa ser tratada com antibióticos? Esse fluido corporal é secretado pela mucosa do aparelho respiratório em mamíferos e, segundo fontes bibliográficas, sua função é manter a umidade do trato respiratório.

Além disso, o catarro aprisiona e facilita a expulsão de agentes estranhos para o exterior do corpo. Como nele também são encontrados lisozimas (substâncias antibacterianas) e anticorpos, podemos afirmar que possui propriedades antimicrobianas.

Por mais estranho que seja, a cor da fleuma revela, em muitos casos, a natureza da patologia do paciente. Hoje, vamos dizer a você o que significa a tosse com catarro verde e como controlá-la.

Sobre o catarro e suas cores

Por mais desagradável que possa parecer, entender de onde vem a coloração do catarro e por que essa mudança de cor ocorre é essencial para detectar várias doenças. As organizações médicas compartilham o significado desta variação:

  • Verde ou amarelo: indicativo de bronquite, fibrose cística, pneumonia e sinusite.
  • Marrom: bronquite, fibrose cística, abscesso pulmonar (cavidade cheia de pus no pulmão), pneumonia e pneumoconiose (infiltração pulmonar de substâncias minerais).
  • Branco: indica bronquite, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), insuficiência cardíaca congestiva e doença do refluxo gastroesofágico (DRGE).
  • Preto: infecção fúngica (fungo no trato respiratório), abscesso pulmonar, pneumoconiose e uso de tabaco.
  • Vermelho: patologias que envolvem hemorragias internas do trato respiratório, como as já descritas, abscessos, tuberculose ou câncer de pulmão.

Como vimos, a coloração da expectoração é representativa do que o sistema imunológico está tentando expulsar do corpo. Uma tosse acompanhada de catarro marrom pode significar, por exemplo, que o paciente inala sujeira ou compostos minerais há muito tempo, ou que existe sangue seco em alguma parte do trato respiratório.

Por outro lado, uma coloração avermelhada indica uma patologia preocupante em alguns casos, pois pode representar sangramento em alguma parte do corpo em contato com a cavidade nasal e com a boca. Agora, o que significa a tosse com catarro verde? A seguir, nós daremos a resposta.

Homem com tosse e dor de garganta
A tosse pode vir acompanhada de dores no peito e na garganta, que também serão indicativas para o diagnóstico.

Tosse com catarro verde: o que significa?

Como antecipamos, a presença de catarro verde na tosse indica que o corpo está lutando contra uma infecção. Por mais paradoxal que seja, essa coloração esverdeada se deve ao alto número de leucócitos mortos e outras substâncias derivadas da batalha contra o patógeno. As infecções mais comuns que causam essa situação são as seguintes.

Bronquite aguda

De acordo com a literatura, a bronquite aguda é a causa mais comum de diagnóstico em pessoas com tosse que procuram os ambulatórios. Nesse caso, estamos diante de uma infecção de origem viral, pois os rinovírus (causadores do resfriado comum) são a causa em 90% dos casos.

Embora não seja tão comum, também devemos destacar que algumas bronquites são causadas por bactérias. De acordo com a fonte citada, 32% dos pacientes com tosse há mais de duas semanas estão infectados com a bactéria Bordetella pertussis.

Alguns sintomas apresentados são os seguintes:

  • Desconforto no peito.
  • Fadiga.
  • Febre.
  • Falta de ar e respiração ofegante.

Fibrose cística

Estamos diante de uma patologia muito mais agressiva e grave do que a exposta anteriormente, pois está associada a um certo risco de mortalidade (até 1,33 por milhão de habitantes, segundo estudos). A Cystic Fibrosis Foundation (CFF) relata que esta doença é hereditária e é caracterizada por um mau funcionamento das glândulas exócrinas.

Em uma situação normal, as glândulas produzem muco, saliva e outros fluidos que ajudam o corpo a funcionar normalmente. Em pacientes com fibrose cística, esse muco é muito espesso, obstruindo os pulmões e os intestinos. Uma tosse persistente com catarro verde tenta se livrar desse muco espesso e disfuncional.

Outros dados essenciais sobre esta doença mostram que:

  • Não é uma doença contagiosa.
  • Até hoje, não há cura.
  • Ocorre em um em cada 3.200 recém-nascidos.

Pneumonia

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a pneumonia é a causa de 15% de todas as mortes em crianças menores de cinco anos. É uma patologia que responde a uma infecção, seja por vírus, bactérias ou fungos. Novamente, tosses com catarro verde são indicativos da luta imunológica contra esses microrganismos.

Alguns dos patógenos que o causam são a bactéria Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae tipo b, o fungo patogênico Pneumocystis jiroveci e o vírus sincicial respiratório. Eles provocam um enchimento dos alvéolos pulmonares do paciente com fluidos e pus, o que torna a respiração dolorosa e limita a absorção de oxigênio.

Sinusite

Uma tosse com catarro verde é típica de sinusite bacterianaDe acordo com estudos estatísticos realizados nos Estados Unidos, essa patologia atinge cerca de 31 milhões de pacientes por ano.

Nesse caso, bactérias patogênicas se instalam nos seios da face, causando entupimento do nariz, expulsão de catarro e dor ou pressão nas áreas ao redor do nariz e dos olhos.

Mulher com sinusite
A sinusite causa dores de cabeça atrás dos olhos e ao redor do nariz.

Você pode estar interessado: 5 dicas para combater a sinusite na gravidez

Como lidar com uma tosse com catarro verde?

Como vimos, uma tosse com catarro verde é indicativa de uma resposta imune a uma infecção ou doença hereditária, como a fibrose cística. Pode haver muitos remédios naturais que aliviam a irritação da garganta, mas dependendo da gravidade da patologia, tratamentos médicos podem ser necessários.

Em muitos casos, o sistema imunológico do paciente lida sozinho com a invasão. O corpo fica sem sintomas em cerca de uma semana.

Em outros casos, pode ser necessário o uso de antibióticos, inaladores para abrir as vias aéreas estreitadas nos pulmões e até mesmo cirurgia. A decisão caberá ao profissional que atende o caso.

Pode interessar a você...
8 sintomas da pneumonia que você não pode ignorar
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
8 sintomas da pneumonia que você não pode ignorar

A pneumonia pode causar diferentes problemas na saúde. Se você deseja conhecer as causas e os sintomas da pneumonia, aqui encontrará todas as respo...



  • Dvorkin, M. A., & Cardinali, D. P. (2011). Best &Taylor. Bases Fisiológicas de la Práctica Médica. Ed. Médica Panamericana.
  • What the color of your snot really means, healthessentials. Recogido a 30 de julio en https://health.clevelandclinic.org/what-the-color-of-your-snot-really-means/
  • DUQUE, A. E. D. (2008). Bronquitis aguda: diagnóstico y manejo en la práctica clínica. Universitas Médica49(1), 68-76.
  • Una introducción a la fibrosis quística para los pacientes y sus familias, Cystic fibrosis foundation. Recogido a  https://www.cff.org/PDF-Archive/En-Espa%C3%B1ol/Una-Introduccion-A-La-Fibrosis-Quistica-Para-Los-Pacientes-Y-Sus-Familias/
  • Cerda, J., Valdivia, G., Guiraldes, E., & Sánchez, I. (2008). Mortalidad por fibrosis quística en Chile (1997-2003). Revista médica de Chile136(2), 157-162.
  • Neumonía, WHO. Recogido a 30 de julio en https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/pneumonia
  • Martínez Campos, L., Albañil Ballesteros, R., Flor Bru, J., Piñeiro Pérez, R., Cervera, J., Baquero Artigao, F., … & Calvo Rey, C. (2013). Documento de consenso sobre etiología, diagnóstico y tratamiento de la sinusitis. Pediatría Atención Primaria15(59), 203-218.
  • Mattoo, Seema, and James D. Cherry. “Molecular pathogenesis, epidemiology, and clinical manifestations of respiratory infections due to Bordetella pertussis and other Bordetella subspecies.” Clinical microbiology reviews 18.2 (2005): 326-382.
  • Cordovilla, Rosa, et al. “Diagnóstico y tratamiento de la hemoptisis.” Archivos de bronconeumologia 52.7 (2016): 368-377.