Tipos de esquizofrenia e suas características

A esquizofrenia pode causar alucinações, delírios e até movimentos anormais. Explicamos quais sintomas predominam em cada um dos tipos em que o transtorno é classificado.
Tipos de esquizofrenia e suas características

Última atualização: 05 Dezembro, 2020

Em todos os tipos de esquizofrenia, há uma alteração na forma de interpretar a realidade. Ocorrem alucinações, delírios e variações no comportamento e no pensamento. É uma doença que tem um grande impacto na vida de quem a sofre e também nas pessoas à sua volta.

A esquizofrenia é um transtorno mental que, até recentemente, era dividido para estudo em diferentes subtipos. Na verdade, em geral, cinco tipos de esquizofrenia são diferenciados de acordo com os traços que predominam em cada caso.

Esta doença pode representar um risco, pois os pacientes perdem a capacidade de controlar as suas ações. Portanto, neste artigo explicamos tudo que você precisa saber sobre os diferentes tipos de esquizofrenia e como cada um deles é caracterizado.

O que é a esquizofrenia?

A esquizofrenia, como acabamos de apontar, é um transtorno mental. Geralmente aparece por volta dos 20 anos de idade. Este é um dado importante porque, muitas vezes, ela é confundida com outras patologias. No entanto, raramente o diagnóstico é feito na infância ou após os 45 anos.

Esta doença afeta o comportamento, a capacidade de pensar e as emoções. A verdade é que os sintomas variam muito. As alucinações são uma das mais frequentes. Elas podem ser tanto auditivas quanto visuais.

A pessoa com esquizofrenia experimenta sensações que não existem, como ouvir uma voz ou ver uma pessoa que não é real. Um sintoma que costuma mostrar a alteração do pensamento é que o paciente fala de forma desorganizada, sem sentido.

Outro sinal comum são movimentos anormais, como mover o braço excessivamente ou adotar uma postura estranha por um tempo. Como explicaremos mais tarde, em alguns tipos de esquizofrenia esse distúrbio do movimento pode se tornar a principal característica.

Alucinações
As alucinações são sintomas clássicos da esquizofrenia, quando o paciente vê e ouve coisas irreais.

Quais são os tipos de esquizofrenia?

Como explica um artigo escrito na Universidade de Salamanca, tanto os tipos de esquizofrenia quanto a aceitação do transtorno em si são relativamente recentes. Nos tempos antigos, acreditava-se que as pessoas que sofriam dessa doença estavam “possuídas pelo mal”.

Por isso, pode-se dizer que a psicologia avançou notavelmente. Antes da publicação do DSM-V (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, quinta edição), distinguiam-se cinco tipos de esquizofrenia, os quais explicaremos a seguir.

Esquizofrenia paranoica

Nestes casos, os sintomas predominantes são as alucinações auditivas e os delírios. De acordo com o que publicou a Revista Médica Electrónica, este é o mais comum entre os tipos de esquizofrenia.

Esquizofrenia desorganizada

São pessoas que apresentam uma grande alteração de afetividade. Possuem dificuldade para agir adequadamente em todas as situações. Ou seja, tendem a ser desinibidos e apresentar comportamentos caóticos, como rir quando alguém conta uma má notícia.

Catatônico

Dentre os tipos de esquizofrenia, a catatônica é uma das mais fáceis de reconhecer. São pessoas que conseguem ficar em pé por muito tempo sem se mover ou sem ter qualquer expressão no rosto.

Embora permaneçam imóveis, na realidade seus pensamentos estão a toda velocidade. Tanto que elas se desconectam do mundo exterior e não respondem aos estímulos externos.

Residual e indiferenciada

A esquizofrenia indiferenciada é aquela em que nenhum sintoma específico predomina, mas ocorre uma combinação de todos os mencionados anteriormente. O termo residual consiste no fato de que certos sinais se mantêm, apesar de haver um tratamento.

Que tipos de esquizofrenia existem de acordo com o DSM-5?

Hoje, o DSM-5 é o manual padrão usado para diagnosticar transtornos mentais. Em relação aos tipos de esquizofrenia, essa ferramenta incluiu inúmeras mudanças em relação às edições anteriores.

Segundo um estudo da Revista Iberoamericana de Psicosomática, a principal mudança é a eliminação desses subtipos. O que se busca atualmente é determinar o sintoma que predomina no início da doença.

Dessa forma, em vez de haver tipos de esquizofrenia, o que se esclarece são os especificadores de curso. Assim, o que se pretende é que o psicólogo ou psiquiatra tenham uma maior facilidade no momento da avaliação e tratamento do paciente.

Tratamento da esquizofrenia
As classificações da doença têm como objetivo aprimorar a forma de abordá-la, fornecendo ferramentas aos profissionais da saúde.

Leia também: Esquizofrenia infantil: tudo que você precisa saber

Os tipos de esquizofrenia ainda são usados ​​como classificação

Os tipos de esquizofrenia são, em geral, cinco: paranoide, desorganizada, catatônica, indiferenciada e residual. Apesar de muitos especialistas terem retirado essa classificação, muitos outros continuam a utilizá-la porque pode ser útil no estabelecimento do tratamento.

O que devemos ter em conta é que qualquer um dos tipos de esquizofrenia é grave. Representam um risco para a vida de quem a sofre e até para o seu ambiente social. Portanto, o principal é buscar sempre a ajuda de um profissional.

Pode interessar a você...
Transtorno esquizofreniforme, o que é isto?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Transtorno esquizofreniforme, o que é isto?

O transtorno esquizofreniforme é conhecido como um tipo de esquizofrenia e, como tal, apresenta uma sintomatologia semelhante.