Tipos de abortos que você deve conhecer

25 de dezembro de 2019
Existem diferentes tipos de abortos e as leis contemplam diferentes situações e prazos.

O aborto é a interrupção da gravidez antes dos 180 dias de gestação. Existem três tipos de aborto: espontâneo, natural ou provocado. Além disso, a interrupção da gravidez, natural ou induzida, pode ser precedida por perda de sangue através da vagina.

Tipos de aborto de acordo com o motivo

Mulher grávida. Tipos de aborto

Espontâneo

É um dos tipos em que a vontade não intervém. A maioria ocorre durante as primeiras 12 semanas de gravidez. Além disso, em muitos casos, não requer nenhum tipo de intervenção médica ou cirúrgica. Algumas de suas causas são, por exemplo, as alterações cromossômicas e as da artéria uterina. Entre os fatores anatômicos que podem causar aborto espontâneo estão miomas e endometriose.

Por outro lado, tabagismo, uso de álcool e drogas, além de situações traumáticas, aumentam as chances.

Também pode te interessar: Por que o aborto espontâneo pode ocorrer?

Induzido

É um dos tipos resultantes de manobras realizadas deliberadamente com o objetivo de interromper a gravidez.

Terapêutico

Neste caso, a interrupção da gravidez é devido a causas médicas, para preservar a saúde da mãe e/ou do feto. Mas, ele é permitido quando existe risco de morte ou apenas riscos de perigos intermediários, como gravidez de risco, saúde psicológica, etc.

De acordo com a situação legal

Mulher conferindo um teste de gravidez. Tipos de aborto

Aborto ilegal

É considerado aborto ilegal quando praticado contra qualquer uma das leis do país em que é praticado. Quando é proibido por lei, as circunstâncias fazem com que o aborto seja realizado em condições precárias e perigosas para a saúde. Por isso, em países onde é proibido, as estatísticas de mortalidade e morbidade materna são mais altas do que aquelas em países onde é legal.

Aborto legal

Até as leis mais progressistas punem as gestantes e profissionais que realizam abortos fora dos prazos permitidos com multas ou prisão.

Em quase todos os países do mundo, o aborto é legal em alguns casos, exceto em:

  • O Vaticano
  • El salvador
  • Malta
  • Nicarágua
  • Honduras
  • República Dominicana

O sistema de prazos consiste em permitir várias semanas ou dias de gestação dentro dos quais o aborto é legal. No caso da Espanha, por exemplo, o prazo é de 14 semanas, com um período de reflexão de três dias. Por outro lado, o sistema de premissas consiste em diferentes razões pelas quais é legal abortar. Na Espanha, tem-se um sistema misto. De 14 semanas a 22, as causas descriminalizadas são patologia fetal e risco grave para a saúde materna.

Leia também: Detecção de anomalias congênitas no recém-nascido

Tipos de aborto de acordo com o método de indução

Teste de gravidez.

1. Aborto farmacológico

O aborto com pílulas é praticado até a semana 7. Primeiramente, são administrados um ou mais comprimidos de mifepristona. Após 24 ou 48 horas, o misoprostol é administrado para evacuar o saco gestacional do útero. Mas, atenção, pois esses medicamentos só podem ser obtidos em hospitais e centros credenciados.

2. Aborto instrumental

Por fim, nesse tipo de aborto, dependendo das técnicas utilizadas, podemos classificá-lo em:

  • Aborto por dilatação e aspiração ou método de Kaman: primeiro, o colo do útero é dilatado progressivamente. Então o conteúdo é aspirado. Não são feitos cortes ou incisões, nem cirurgia. Instalações, equipamentos e profissionais médicos são necessários. É feito no máximo até a semana 17 e geralmente dura entre 5 e 10 minutos.
  • Cirúrgico. É feito através de uma operação com ginecologistas ou cirurgiões.
  • Por dilatação e evacuação: é um tipo de aborto usado em torno de 16 a 19 semanas. Implica maior risco, pois a gestação é mais avançada. Requer sempre anestesia geral ou sedação e é uma intervenção cirúrgica. O útero é preparado para dilatar e depois é evacuado com instrumentos cirúrgicos. O processo leva entre 10 e 30 minutos, mas a recuperação no centro pode levar várias horas.
  • Curetagem: consiste em raspar as paredes do útero, também usado para outras técnicas ginecológicas e é usado apenas em ocasiões excepcionais, por recomendação da OMS.
  • Farmacológico tardio ou por indução: mistura o método farmacológico para dilatar o útero com o método cirúrgico para remover o conteúdo por evacuação. É realizado em casos extremos, após 19 a 20 semanas, e envolve certos riscos. Por isso, deve ser avaliado pela equipe médica e requer admissão e anestesia geral. Às vezes pode ser necessário repetir a indução.
  • Durán, R. I. B. (2012). ABORTO ESPONTÁNEO. Liberabit. Revista de Psicología.

  • Alejandro Manzur, Y. (2010). Aborto recurrente. Revista Médica Clínica Las Condes. https://doi.org/10.1016/S0716-8640(10)70553-8

  • Martins, E. F., Almeida, P. F. B. de, Paixão, C. de O., Bicalho, P. G., & Errico, L. de S. P. de. (2017). Causas múltiplas de mortalidade materna relacionada ao aborto no Estado de Minas Gerais, Brasil, 2000-2011. Cadernos de Saúde Pública. https://doi.org/10.1590/0102-311×00133116<;/p>