Terapia tripla para artrite reumatóide: vantagens e desvantagens

Existem várias opções de tratamento para a artrite reumatóide. Uma das mais utilizadas é a terapia oral tripla. Nós explicamos para você.
Terapia tripla para artrite reumatóide: vantagens e desvantagens

Última atualização: 13 maio, 2022

A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória autoimune caracterizada por dor crônica em várias articulações, principalmente nos punhos e dedos. O atraso no diagnóstico e o insucesso da abordagem estão associados à incapacidade de longo prazo. Aqui estão as vantagens e desvantagens da terapia tripla para artrite reumatóide.

Atualmente, essa doença acomete entre 0,4 e 1% da população, sendo até 6 vezes mais comum em mulheres, segundo estudos. Em geral, os tratamentos para essa doença buscam aliviar a dor e a rigidez articular, além de prevenir a progressão dos danos.

A terapia mais utilizada é com drogas antirreumáticas modificadoras da doença. O uso de um único medicamento para o manejo dessa condição é comum. No entanto, se isso não melhorar os sintomas, a terapia combinada ou tripla pode ser necessária para controlar a artrite reumatóide.

Medicamentos usados

Hoje, existe um grande número de medicamentos que podem ser usados no manejo da AR. Pesquisas afirmam que o metotrexato é um dos medicamentos de primeira linha.

Nesse sentido, podemos encontrar os seguintes grupos:

  • Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs): ibuprofeno e naproxeno. Eles reduzem o inchaço e a dor nas articulações.
  • Medicamentos antirreumáticos modificadores da doença (DMARDs): metotrexato, hidroxicloroquina, leflunomida e sulfassalazina. Aliviam os sintomas e retardam a evolução.
  • Corticosteroides: prednisona e dexametasona. Eles diminuem a inflamação, diminuindo a resposta imune.
  • Medicamentos biológicos: abatacepte, adalimumab, certolizumab, etanercept, infliximab, rituximab, sarilumab, tofacitinib e tocilizumab. São proteínas biológicas que inibem a cascata de inflamação dos tecidos interrompendo os sinais.

Em geral, esses medicamentos podem ser indicados em monoterapia ou em terapias combinadas, dependendo das características da artrite reumatoide.

O que é a terapia tripla?

A terapia tripla é um tratamento médico no qual 3 medicamentos orais são indicados em paralelo para o alívio dos sintomas da AR. Em geral, esse esquema terapêutico é prescrito quando não há resposta à abordagem com um ou dois medicamentos.

Na maioria das pessoas, metotrexato, sulfassalazina e hidroxicloroquina são combinados. Outros esquemas combinam metotrexato com drogas biológicas.

Dor da artrite reumatóide.
A dor crônica é difícil de lidar. Os pacientes ficam desanimados com o passar do tempo e a persistência dos sintomas.

Vantagens e desvantagens da terapia tripla na artrite reumatóide

Cada um dos medicamentos usados no tratamento da artrite reumatóide oferece grandes benefícios. A principal vantagem associada à terapia tripla é a maior eficácia no alívio. Estudos afirmam que esse plano combinado tem maior potência e melhores resultados.

Da mesma forma, pessoas com artrite reumatoide que recebem terapia tripla conseguem obter melhora clínica em menos tempo, de forma sustentada e com menor risco de piora dos sintomas. Além disso, a pesquisa mostrou que a combinação de metotrexato, sulfassalazina e hidroxicloroquina é útil no ataque agressivo precoce dessa condição.

Esta opção terapêutica apresenta vantagens importantes do ponto de vista de custos. Nesse sentido, a terapia tripla para artrite reumatoide é uma estratégia mais barata em relação ao uso de medicamentos biológicos de nova geração, segundo estudos.

Da mesma forma, o alívio rápido está associado a menos absenteísmo no trabalho.

Embora os medicamentos utilizados sejam relativamente seguros, a principal desvantagem da terapia tripla são os eventos adversos associados ao seu uso. A hidroxicloroquina está associada a erupções cutâneas, dor abdominal e diarreia.

Algumas pesquisas afirmam que a sulfassalazina geralmente causa dor de cabeça, tontura, náusea e vômito. Por sua vez, o metotrexato apresenta toxicidade nos níveis hepático, pulmonar e hematológico.

O metotrexato tem toxicidade hepática.
O efeito adverso da toxicidade hepática deve ser monitorado com exames regulares nesses pacientes.

Uma estratégia com grandes benefícios na artrite reumatóide

A artrite reumatoide é uma doença crônica que apresenta uma grande variedade de opções terapêuticas. O uso de metotrexato e anti-inflamatórios no início da patologia é comum. No entanto, a terapia combinada e a estratégia tripla apresentam maior eficácia no alívio rápido dos sintomas e na interrupção do dano articular.

Os reumatologistas são os especialistas responsáveis pela indicação. Seu uso dependerá da idade, constituição, estado geral e gravidade da condição.

This might interest you...
Como prevenir a artrite reumatoide
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Como prevenir a artrite reumatoide

A artrite reumatoide pode ser prevenida, pois existem alguns fatores de risco modificáveis para a doença. A seguir explicaremos mais esse assunto.



  • Massardo Loreto. Artritis reumatoide temprana. Rev. méd. Chile. 2008;  136( 11 ): 1468-1475.
  • Secco A, Alfie V, Espinola N, Bardach A. Epidemiología, uso de recursos y costos de la artritis reumatoidea en Argentina. Revista Peruana de Medicina Experimental y Salud Pública. 2020;37(3):532-40.
  • Abásolo Alcázar L. Triple terapia en la artritis reumatoide. Reumatología Clínica. 2014;10(5):275-277.
  • Moreland LW, O’Dell JR, Paulus HE, Curtis JR, et al. A randomized comparative effectiveness study of oral triple therapy versus etanercept plus methotrexate in early aggressive rheumatoid arthritis: the treatment of Early Aggressive Rheumatoid Arthritis Trial. Arthritis Rheum. 2012 Sep;64(9):2824-35.
  • De Jong PH, Quax RA, Huisman M, Gerards, et al. Response to glucocorticoids at 2 weeks predicts the effectiveness of DMARD induction therapy at 3 months: post hoc analyses from the tREACH study. Ann Rheum Dis. 2013 Oct;72(10):1659-63.
  • Mulero Mendoza J. Tratamiento de la artritis reumatoide. Revista Clínica Española. 2004; 204(5): 273-282.