Quais são os sintomas da regurgitação infantil?

26 de junho de 2020
A regurgitação infantil pode apresentar certos sintomas que podem indicar uma patologia mais importante. A seguir, explicaremos quais são.

A regurgitação infantil é um fenômeno comum em bebês com menos de um ano de idade. A regurgitação consiste na passagem do conteúdo do estômago para a faringe ou para a boca. Ao contrário do vômito, a regurgitação ocorre sem esforço ou náuseas.

Trata-se de algo que ocorre em mais de 50% dos bebês. No entanto, ocasionalmente, a regurgitação infantil pode ser um sinal de doença do refluxo gastroesofágico. Neste artigo, explicaremos quais são suas causas e sintomas.

Por que a regurgitação infantil ocorre?

A regurgitação infantil ocorre porque o sistema digestivo da criança ainda não está totalmente desenvolvido. O esôfago tem uma válvula que regula a passagem de alimentos para o estômago, o esfíncter esofágico inferior.

Nos recém-nascidos, ele ainda é imaturo, de modo que o conteúdo do estômago tende a retornar ao esôfago. Quando o bebê cresce, essa válvula se desenvolve e as regurgitações desaparecem naturalmente.

Além disso, outro fator que favorece a regurgitação é a postura do bebêAs crianças, antes dos 8 meses de idade, passam a maior parte do dia deitadas. Isso também favorece o movimento dos alimentos em direção à boca.

O fato de a dieta da criança ser quase inteiramente baseada em leite também é um fator importante nesse processo. Quando o bebê começa a comer alimentos sólidos, as regurgitações diminuem. Da mesma forma, a quantidade de comida que ele come influencia. Quanto mais “cheio” o bebê, mais provável é a ocorrência desse fenômeno.

Leia também: Gastroenterite no bebê: como devo agir? 

Quando se preocupar com a regurgitação infantil?

Bebê comendo papinha
As regurgitações costumam ser normais no início da vida dos bebês, pois são uma consequência da falta de maturação do seu sistema digestivo.

Como já dissemos, a regurgitação infantil é um fenômeno fisiológico na maioria dos bebês. No entanto, é aconselhável consultar o pediatra se o bebê:

  • Não ganha peso.
  • Suas regurgitações são muito intensas.
  • Ele está cansado, lento ou com sono.
  • As regurgitações ocorrem com força ou são acompanhadas de sangue.
  • O bebê apresenta sinais de desidratação. Quando isso acontece, o bebê molha menos as fraldas, tem olhos fundos, mucosa seca, etc.
  • Se o líquido que regurgitar for verde ou marrom.

Quando isso ocorre, o bebê pode ter refluxo gastroesofágico. Ou seja, se as regurgitações persistirem ao longo do tempo ou apresentarem esses sintomas, é possível que seja algo mais sério.

O refluxo contínuo pode causar alteração da mucosa esofágica, uma vez que o conteúdo estomacal possui um pH ácido. De fato, pode até causar anemia ou complicações aéreas. O bebê pode apresentar episódios de apneia, tosse persistente ou bronquite de repetição.

Para diagnosticar o refluxo, são solicitados alguns exames complementares como endoscopia, pHmetria esofágica e exames radiológicos.

Você pode se interessar: 6 posições para amamentar o seu bebê

O que fazer diante da regurgitação

Alimentação infantil
A posição e a rotina no momento da alimentação infantil influenciam a ocorrência da regurgitação.

Embora quase sempre seja algo normal, a regurgitação também pode ser desconfortável para a criança e para os pais. Existem algumas medidas que podem nos ajudar a reduzir a regurgitação infantil. Antes de mais nada, é aconselhável manter o bebê na posição vertical, não completamente deitado.

Especialmente após cada refeição, por meia hora, você pode colocar travesseiros ou fraldas sob o colchão para obter uma certa inclinação. Da mesma forma, evite brincadeiras muito ativas após a alimentação.

Segundo, é importante alimentar o bebê com calma e evitar que ele coma demais. Da mesma forma, é recomendável incentivar o arroto. O ato de arrotar impede que o ar se acumule no estômago e, além disso, promove a digestão.

Se você estiver alimentando seu bebê com fórmula, é ainda mais importante não dar muito. O leite artificial é mais difícil de ser digerido.

Quando nada disso ajuda ou o bebê atende aos critérios de gravidade, o médico pode recomendar medicamentos. As medicações agem reduzindo a quantidade de ácido no estômago. No entanto, você não deve dar remédios para o bebê a menos que o médico os receite. Os medicamentos mais comumente usados ​​para o refluxo gastroesofágico são:

  • Bloqueadores de H2, que diminuem a produção de ácido.
  • Inibidores da bomba de prótons, que reduzem a quantidade de ácido que o estômago produz.

Em alguns casos, os medicamentos não ajudam, mas existem técnicas cirúrgicas específicas para esta condição. No entanto, a cirurgia é realizada apenas quando o bebê tem problemas respiratórios graves ou uma causa anatômica subjacente.

Por fim, a regurgitação infantil é normal. No entanto, é importante estar atento aos sinais de alerta acima mencionados e consultar um médico se você tiver alguma dúvida.

  • Gastroesophageal reflux in infants – UpToDate. (n.d.). Retrieved April 23, 2019, from https://www.uptodate.com/contents/gastroesophageal-reflux-in-infants
  • Reflujo gastroesofágico en los bebés. (n.d.). Retrieved April 23, 2019, from https://www.guiainfantil.com/salud/cuidadosespeciales/reflujo/index.htm
  • Ramos, H. A., Ferrer González, J. P., & Castillo, L. O. (n.d.). Reflujo gastroesofágico en niños. Retrieved from https://www.aeped.es/sites/default/files/documentos/rge.pdf
  • Reflujo gastroesofágico en bebés – Bebés y niños. (n.d.). Retrieved April 23, 2019, from https://www.webconsultas.com/bebes-y-ninos/afecciones-tipicas-infantiles/reflujo-gastroesofagico-en-bebes
  • Regurgitación en los bebés – familydoctor.org. (n.d.). Retrieved April 23, 2019, from https://es.familydoctor.org/regurgitacion-en-los-bebes/
  • Reflujo gastroesofágico en bebés. (n.d.). Retrieved from https://medlineplus.gov/spanish/refluxininfants.html