Evitar os vômitos frequentes em crianças pequenas

4 de julho de 2019
Se a criança apresentar vômitos frequentes, mantê-la hidratada é uma prioridade. Para isso, devemos seguir as instruções do pediatra que estarão de acordo com a idade da criança.   

Os vômitos não são algo incomum em crianças pequenas. De fato, é normal que apresentem em algum momento uma gastroenterite, por exemplo, e que os vômitos frequentes apareçam, causando mal-estar e preocupando os pais. Você sabe como evitar isso?

Caso não saiba, neste artigo explicamos o que são os vômitos, o que pode estar causando e como lidar com eles.

Vômitos frequentes: como detectá-los

Primeiro, devemos saber diferenciar o vômito da regurgitação. Assim, enquanto o vômito é o retorno involuntário do alimento ingerido involuntariamente e com esforço, a regurgitação ocorre quando, simplesmente, o recém-nascido ou o bebê foi alimentado rapidamente, engoliu ar e, sem esforço, devolveu o alimento pela boca.

Por esse motivo, é muito difícil distinguir entre vômito e regurgitação. Em qualquer caso, o vômito pode ocorrer em qualquer idade, enquanto a regurgitação é típica de lactentes e bebês.

Em geral, pode-se dizer que o vômito é benéfico. Trata-se de uma maneira de eliminar o alimento que não fez bem ou que naquele momento é prejudicial. No entanto, se as medidas adequadas não forem tomadas pode causar problemas sérios, como a desidratação.

Causas de vômitos frequentes em crianças

Criança no penico

Em relação às suas causas, estas dependerão da idade da criança. No entanto, vômitos em crianças geralmente têm duas causas principais:

  • Gastroenterite: um vírus intestinal pode causar diarreia e vômito.
  • Refluxo gastroesofágico. Ocorre quando o esfíncter do bebê, ainda em processo de maturação, não relaxa e o trânsito dos alimentos se complica, causando refluxo e vômitos. Além disso, geralmente dura mais de 12 meses.

Recomendamos ler também: Você sofre de refluxo gastroesofágico? Combata o problema seguindo 8 dicas

Outras causas menos comuns podem ser:

  • Intolerâncias ou alergias alimentares como à proteína do leite de vaca
  • Distúrbios metabólicos
  • Invasão intestinal
  • Outros

Por todas estas razões é essencial ir ao pediatra para identificar as causas do vômito, e tratá-las o quanto antes.

Sinais de alerta

Embora o vômito possa ser algo da hora e aconteça como se não fosse nada, há certos sintomas que devemos levar em conta. Assim, caso se manifestem, devemos levar a criança ao médico.

  • O vômito surge após um golpe na cabeça.
  • Há sangue no vômito (cor marrom).
  • A criança vomita por muito tempo.
  • Letargia ou apatia. No entanto, alguns bebês podem mostrar irritabilidade e desconforto.
  • Dor abdominal e inchaço
  • Fezes com sangue.
  • Vômito de cor verde ou amarelado.
  • Febre.

Tratamento

A hidratação é importante quando há vômitos frequentes

Manter a criança hidratada ou reidratada é o primeiro passo a ser dado se a criança estiver vomitando. Para isso, seguindo as instruções do pediatra de acordo com a idade, pode ser oferecida à criança uma solução de eletrólito oral, ou uma dieta líquida até que se recupere. Em qualquer caso, devem ser administrados pouco a pouco, para favorecer a tolerância.  

Neste ponto, é importante lembrar que não devemos forçar a criança a comer. Pelo contrário, é melhor esperar até que ela esteja com fome. Assim, após 8 horas sem vomitar, podemos começar a introduzir alimentos a partir de uma dieta leve (caldos, sopas, pão) se for mais de um ano, ou amamentar.

Não deixe de conferir ademais: Descubra como melhorar sua saúde ao beber mais água a cada dia

Prevenção de vômito frequente em crianças

Para prevenir o vômito devemos evitar todas as possíveis causas que podem gerá-lo. Portanto, é praticamente impossível. No entanto, em casos de refluxo gastroesofágico é possível levar em conta algumas ações para evitar o refluxo ou o vômito. Entre elas:

  • Fazer o pequeno arrotar, desta forma vamos eliminar os gases que mais tarde podem causar regurgitação ou vômito.
  • Mudanças na dieta da mãe. Se você está amamentando, deve saber que algumas mulheres descobriram que se eliminarem certos alimentos de sua dieta, o pequeno tende a regurgitar e vomitar menos.
  • Se o bebê tomar leite de fórmula você pode consultar seu pediatra para fazer uma mudança.
  • Alimente a criança em uma posição que facilite o trânsito dos alimentos para baixo (posição vertical) e, após a alimentação, não o balance ou a movimente demais.
  • Alimente-a mais devagar. Especialmente nos casos em que a criança é alimentada com mamadeira, devemos verificar se os bicos são apropriados. Na verdade, a criança pode estar se alimentando muito rápido.
  • Por outro lado, se você está amamentando, é melhor alimentar o bebê com mais frequência, mas por menos tempo. Assim, você evitará ter que lidar com muita comida, facilitando a descida para o estômago com menos.

Em suma, os vômitos frequentes não são algo estranho em crianças pequenas. No entanto, devemos estar atentos para detectar se há sinais de aviso que indiquem complicações ou problemas maiores.

Por outro lado, não podemos esquecer que manter a criança hidratada é uma prioridade se ocorrer o vômito. Para isso, consulte o pediatra da criança e siga sempre suas instruções.

  • Mercedes de la Torre Espí, Juan Carlos Molina Cabañero (2010), “Vómitos”, en Protocolos diagnóstico-terapéuticos de Urgencias Pediátricas SEUP-AEP, 263-270.
  • Juan José Díaz, Carlos Bousoño García, Eduardo Ramos Polo, (2010) “Manejo del niño vomitador”, en Protocolos diagnóstico-terapéuticos de Urgencias Pediátricas SEUP-AEP, 171-174.
  • Rocío Mosqueda Peña, Pablo Rojo Conejo, (2010), “Gastroenteritis aguda”, en Protocolos diagnóstico-terapéuticos de Urgencias Pediátricas SEUP-AEP, 97-102.