Síndrome respiratória aguda grave: o que é?    

28 de junho de 2019
A infecção pelo vírus da síndrome respiratória aguda grave (SARS) provoca dificuldade respiratória intensa e inclusive algumas vezes, a morte.    

A síndrome respiratória aguda grave, SARS, é uma doença infecciosa de aparecimento súbito. Afeta o sistema respiratório provocando um quadro semelhante aos estágios iniciais da gripe.

Embora seja uma doença de distribuição mundial, tem uma incidência especial em algumas regiões do sudeste asiático. As mais recentes descobertas indicam que é causada pelo coronavírus.  

Por que aparece esta infecção?

Vírus nos pulmões

A síndrome respiratória aguda grave é causada pelo Coronavírus, um novo vírus da família do paramixovírus. Esta família é a mesma que pode causar o resfriado comum. Quando alguém com a síndrome respiratória tosse ou espirra, as gotículas, que contêm carga viral, espalham-se pelo ar. Desta forma, a SARS é contraída por inalação.

O vírus da síndrome respiratória pode viver nas mãos, tecidos e outras superfícies por até seis horas enquanto, estiver encapsulado nessas gotículas. Além disso, pode viver até 3 horas após as gotículas secarem.

A transmissão de gotículas através de contato próximo causou a maioria dos primeiros casos. Embora também pudesse ser espalhado por meio das mãos e outros objetos com os quais as gotículas tiveram contato. A transmissão pelo ar é uma possibilidade real em alguns casos.

Leia também: 7 formas naturais de criar defesas para evitar doenças respiratórias e gripe

O vírus pode viver por meses ou anos quando a temperatura estiver abaixo do ponto de congelamento. Os sintomas geralmente ocorrem de 2 a 10 dias após entrar em contato com o vírus.

As pessoas com os sintomas ativos da doença são contagiosas. No entanto, não se sabe por quanto tempo pode ser contagioso antes ou depois de que aparecem os sintomas. Os grupos de risco incluem:

  • Primeiramente, pessoas da área de saúde que estão em contato com pacientes infetados.
  • Ademais, pessoas que estiveram em contato com secreções respiratórias ou fluidos biológicos de pacientes com síndrome respiratória.
  • Também, pessoas que moram na mesma casa.

Sintomas da síndrome respiratória aguda grave

Geralmente, os sintomas e sinais clínicos não são muito específicos. Os pacientes apresentam febre superior a 38 ° C, às vezes associada a calafrios, dores de cabeça ou desconforto generalizado.

Às vezes, em alguns casos as pessoas apresentam sintomas respiratórios leves no início. No entanto, após 3 e 7 dias, o paciente desenvolve tosse, que pode evoluir para insuficiência respiratória. Além disso, a maioria dos pacientes contrai pneumonia. Os sintomas menos comuns incluem:

  • Tosse que produz catarro
  • Diarreia
  • Tontura
  • Náusea e vômito.
  • Rinorreia.
  • Dor de garganta.

Tratamento

Medicamentos para a SARS

Se houver suspeita da presença da doença, as pessoas devem ser colocadas em quarentena no hospital. O tratamento pode incluir:

  • Antibióticos: para tratar as bactérias que causam pneumonia. Pelo menos até que a pneumonia bacteriana seja excluída ou esteja presente além da síndrome respiratória.
  • Medicamentos antivirais.
  • Altas doses de esteroides: para reduzir a inflamação pulmonar.
  • Oxigênio: suporte respiratório ou terapia torácica.

Você pode também estar interessado em ler: Remédio de orégano e azeite de oliva para proteger o sistema respiratório

Como podemos prevenir a síndrome respiratória aguda grave?

Em primeiro lugar, o melhor tratamento é a prevenção. O fato de reduzir o contato com pessoas que sofrem de síndrome respiratória aguda grave reduz o risco de contrair a doença.

Além disso, evite viajar para lugares onde há um surto incontrolável desta doença. Quando seja possível, evite contato direto com pessoas que sofrem da doença por pelo menos 10 dias após a febre e outros sintomas desaparecerem.

Ademais, a higiene das mãos é a parte mais importante na prevenção da síndrome respiratória aguda grave. Lave as mãos com um desinfetante instantâneo para as mãos à base de álcool.

Por outro lado, recomenda-se cobrir a boca e o nariz quando você espirra ou tosse. As gotas que são liberadas quando uma pessoa espirra ou tosse são infecciosas. Muito menos você deve compartilhar alimentos, bebidas ou utensílios.

Finalmente, limpe as superfícies que são tocadas frequentemente com um desinfetante aprovado pela Anvisa. Além disso, máscaras e óculos podem ser úteis para evitar a propagação. Também use luvas antes de manusear itens que possam ter entrado em contato com pessoas infectadas.

  • Li, W., Shi, Z., Yu, M., Ren, W., Smith, C., Epstein, J. H., … Wang, L. F. (2005). Bats are natural reservoirs of SARS-like coronaviruses. Science. https://doi.org/10.1126/science.1118391
  • Drosten, C., Günther, S., Preiser, W., van der Werf, S., Brodt, H.-R., Becker, S., … Doerr, H. W. (2003). Identification of a Novel Coronavirus in Patients with Severe Acute Respiratory Syndrome. New England Journal of Medicine. https://doi.org/10.1056/nejmoa030747
  • Marra, M. A., Jones, S. J. M., Astell, C. R., Holt, R. A., Brooks-Wilson, A., Butterfield, Y. S. N., … Roper, R. L. (2003). The genome sequence of the SARS-associated coronavirus. Science. https://doi.org/10.1126/science.108595