O que é a síndrome do ouvido musical e como é tratada?

Você ouve melodias que vêm do nada? Talvez você sofra de síndrome do ouvido musical, um problema com diferentes causas. Saiba mais a seguir!
O que é a síndrome do ouvido musical e como é tratada?

Última atualização: 13 Maio, 2021

Em algum momento, todos nós já tivemos zumbidos nos ouvidos. Isso é normal, mas talvez aquele zumbido se pareça mais com uma peça musical que somente nós escutamos. Nesse caso, talvez possamos estar sofrendo de síndrome do ouvido musical. No âmbito médico, ela é conhecida como zumbido ou tinnitus, e afeta mais pessoas do que você imagina.

Só nos Estados Unidos, por exemplo, aproximadamente 15% da população sofre de síndrome do ouvido musical, de acordo com a American Tinnitus Association (ATA). Um percentual que nos alerta para a importância de conhecê-la com mais profundidade.

O que é a síndrome do ouvido musical?

Embora você já tenha uma ideia do que é a síndrome do ouvido musical, vamos explicá-la com mais detalhes, uma vez que muitas pessoas ainda desconhecem o que é o zumbido musical. Para fazer isso, nos basearemos no que o artigo “Frequently Seen But Rarely Diagnosed: Musical Ear Syndrome” explica. De acordo com este artigo, esta síndrome possui a sigla em inglês MES.

Além disso, é considerada uma deficiência. Porém, não é uma deficiência psiquiátrica, mas auditiva, embora neste caso se trate de melodias ou músicas que o paciente ouve como alucinações. No artigo, eles também mencionam que essa condição está relacionada à síndrome de Charles Bonnet.

A síndrome de Charles Bonnet consiste em alucinações visuais sofridas por pacientes com deficiência resultante de um avanço da miopia que não pode ser interrompido ou de quase cegueira. A síndrome do ouvido musical pode ser uma variante, embora, neste caso, o órgão afetado seja o ouvido.

Síndrome do ouvido musical
A síndrome do ouvido musical não está relacionada a uma sensação agradável de ouvir melodias por prazer; é uma forma de zumbido.

Quão comum é esta síndrome?

Já mencionamos que aproximadamente 15% da população dos Estados Unidos sofre de síndrome do ouvido musical, mas os números são ainda mais alarmantes. De acordo com uma pesquisa realizada pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), quase 20 milhões de norte-americanos lidam com essa síndrome regularmente.

Além disso, afirma-se também que 2 milhões de pessoas sofrem de um zumbido musical mais grave. Isto significa que sofrem diariamente com a doença, o que condiciona a sua vida, as suas relações sociais e a sua vida em geral.

Outros dados da ATA indicam que o zumbido é mais comum em homens do que em mulheres, assim como entre idosos e amantes da música (ou músicos). No entanto, também entram nesta categoria aqueles que trabalham em ambientes onde há muito ruído e quem exerceu cargos militares.

Causas da síndrome do ouvido musical

É claro que a síndrome do ouvido musical não surge do nada. Existem diferentes causas identificadas, como a hiperacusia. Pessoas que foram expostas a altos volumes de som por um longo período de tempo podem ter esse problema.

A razão pela qual as pessoas idosas são afetadas está na perda de audição. Como ocorre no caso da síndrome de Charles Bonnet, quando um sentido começa a se perder, podem aparecer alucinações tentando compensar a diminuição daquela função.

Como o artigo que mencionamos acima explica bem, acredita-se que os sons fantasmas sejam causados ​​por hipersensibilidade no córtex auditivo. O que acontece é que, neste caso, não é um zumbido ou bip, mas melodias, músicas populares ou canções. Ou seja, alucinações auditivas.

Como podemos tratar o problema?

Existem diferentes maneiras de tratar a síndrome do ouvido musical. Um deles pode ser o controle do estresse que causa as alucinações devido à ansiedade em relação à perda auditiva. Praticar ioga, meditação, pilates ou exercícios físicos pode ser de grande ajuda.

O uso de aparelhos auditivos, nos casos em que sejam úteis, também reduz as alucinações causadas pela síndrome do ouvido musical. Outra forma pode ser adicionar mais ruído. Tocar música em casa ou manter a televisão ligada torna-se uma forma de o ouvido parar de alucinar e focar nos sons reais.

Uma última opção é o uso de medicamentos prescritos pelo médico. Quando nada funcionar, esta será a última abordagem para que o paciente possa continuar com sua vida e não se frustrar.

Zumbidos no ouvido
A síndrome do ouvido musical é uma variedade de zumbido e os médicos a tratam como tal, em primeira instância.

A síndrome do ouvido musical é uma alucinação

É claro que você já conhecia os zumbidos nos ouvidos, mas é possível que não tivesse ideia de que existiam alucinações auditivas. Felizmente, existe a possibilidade de tratá-las graças às diferentes opções que temos atualmente. Você enfrentou a síndrome do ouvido musical ou conhece alguém próximo que sofre com ela?

Pode interessar a você...
Zumbidos nos ouvidos: formas de reduzi-los por meio da alimentação
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Zumbidos nos ouvidos: formas de reduzi-los por meio da alimentação

O problema dos zumbidos nos ouvidos não é uma doença. É um sintoma do qual deve-se conhecer a origem e o tratamento pode ser tão simples como a alimentação



  • Cakmak, Mirac Aysen, et al. “Frequently Seen But Rarely Diagnosed: Musical Ear Syndrome/Sik Görülen Ancak Nadir Konan Bir Tani: Müzikal Kulak Sendromu.” Noro-Psikyatri Arsivi 53.1 (2016): 91.
  • Fabregat-Rossell, Alexandra, Laia Serra-Tomás, and Cristian Amézaga-Asensio. “Síndrome de Charles Bonnet; a propósito de un caso.” Gaceta Médica de Bilbao 117.3 (2020): 229-232.
  • Bauer, Carol A. “Tinnitus.” New England Journal of Medicine 378.13 (2018): 1224-1231.