Quais são as causas do zumbido no ouvido?

As causas do zumbido no ouvido são variadas. Ele é caracterizado por um som persistente que é percebido sem gatilhos externos que o expliquem. Encontrar a sua origem é a chave do tratamento.
Quais são as causas do zumbido no ouvido?

Última atualização: 04 Fevereiro, 2021

Para falar sobre as causas do zumbido no ouvido, é preciso entender que se trata de um sintoma, e não de uma doença em si. É um sinal que se refere a algum distúrbio subjacente que o provoca.

Em termos médicos, o zumbido é um ruído sentido no ouvido como um apito ou ronronar persistente. Não vem de uma fonte externa que o origina, então sua existência causa desconforto na pessoa que sofre dele, que não consegue dar uma explicação precisa.

Causas do zumbido no ouvido

Como antecipamos, as causas do zumbido no ouvido são variadas porque estamos lidando com um sintoma, não com uma doença em si. Tanto os danos ao ouvido quanto o uso de certos medicamentos estão associados ao aparecimento de sons persistentes.

Danos ao ouvido

O ouvido tem três partes principais: externa, média e interna. A área externa é o ouvido, basicamente, e o canal auditivo que leva ao tímpano. No seu interior encontra-se um espaço anatômico em forma de caixa, que constitui o ouvido médio. Mais para dentro, estão as conexões com o sistema nervoso que levarão as informações ao cérebro.

Anatomia do ouvido

Se o ouvido médio ou interno for lesado por qualquer motivo, isso pode causar zumbido. Essas condições estão divididas entre aquelas que afetam a condução das ondas sonoras, como um distúrbio dos ossículos, e a interpretação neuronal, no cérebro.

Os tumores são um motivo oncológico de gravidade e devem ser detectados a tempo. Muitos deles crescem lentamente, mas continuamente. Às vezes, o chiado percebido é causado pela pressão das células tumorais contra o nervo acústico.

Mais interna e mais difícil de detectar é a morte de células neuronais em um acidente vascular cerebral. As sequelas do AVC incluem perda auditiva e zumbido. Isso dependerá, em grande medida, da localização do sangramento ou do bloqueio arterial.

Longas exposições a ruídos altos

Pessoas que trabalham com máquinas barulhentas ou em ambientes com decibéis elevados durante grande parte do dia são mais suscetíveis a sofrer desse chiado fora do horário de trabalho. É o caso dos operadores de martelo hidráulico, por exemplo.

Danos também foram relatados ao ouvir música em um volume elevado com fones de ouvido. De certa forma, uma doença ocupacional é quase certa para os DJs.

Essas causas de zumbido podem levar a distúrbios temporários ou persistentes e crônicos. O tratamento consiste em reduzir a exposição ao ruído ou afastar o indivíduo do ambiente nocivo.

Medicação

Aspirina

Os medicamentos que causam o zumbido o fazem porque apresentam a ototoxicidade como efeito adverso. Trata-se da capacidade de prejudicar a audição em diferentes níveis após o consumo. Nem sempre é uma questão de dosagem, embora o risco aumente quando as doses recomendadas são excedidas.

Dentre as drogas ototóxicas mais utilizadas, podemos citar as seguintes:

  • Diuréticos de alça: são medicamentos para a hipertensão que podem ser tomados isoladamente ou em combinação com outros anti-hipertensivos.
  • Cloroquina: seu uso é difundido em todo o mundo como remédio para a malária.
  • Gentamicina: é, talvez, o antibiótico mais ligado à ototoxicidade. Pode ser utilizado respeitando os protocolos de uso, mas quando é prescrito além da margem de segurança, os ouvidos sofrem.

Transtornos da articulação temporomandibular

A articulação entre a mandíbula e o osso temporal do crânio é o que permite a mastigação. Junto com esse mecanismo, o músculo masseter garante que a boca se abra e feche com a mobilização da mandíbula.

Em pessoas com bruxismo, que é a compressão noturna patológica dos dentes, a articulação entra em um estado de disfunção. Ela não fecha como deveria, os tecidos moles ao redor ficam inflamados e o eixo central no qual ela se assenta é perdido.

À medida que a área próxima à orelha fica inflamada, as estruturas relacionadas ao ouvido externo e médio também ficam inflamadas por solidariedade. Isso pode causar zumbido em alguns pacientes.

O mesmo se aplica às contraturas cervicais intensas que transferem sua contração para a região frontal, afetando a mandíbula. Também devido à proximidade, o ouvido fica inflamado e são gerados ruídos internos que não se referem a nenhuma fonte externa de som.

Como evitar as causas do zumbido no ouvido?

Causas do zumbido no ouvido

Evitar as causas do zumbido no ouvido não é fácil, pois as formas de apresentação e as origens são variadas. No entanto, medidas gerais podem ser tomadas para reduzir possíveis danos e proteger a audição.

Entre essas medidas está o controle da exposição a ruídos intensos. Certos trabalhos exigem uma proteção auditiva especializada que reduza os decibéis que entram na membrana timpânica.

Por outro lado, diante do aparecimento dos sintomas e sua persistência, é imprescindível agendar uma consulta médica. Problemas graves, como um tumor do nervo auditivo, podem ser detectados com métodos de imagem complementares responsáveis ​​pelo distúrbio.

Se você sofre de bruxismo, certamente terá sintomas auditivos se não aplicar uma abordagem odontológica. Não deixe o problema evoluir. Consulte seu dentista, que pode solicitar uma placa de relaxamento noturno, por exemplo, para reduzir o atrito.

O incômodo do zumbido altera a qualidade de vida e, em algumas pessoas, leva ao mau humor ou até à depressão. É melhor diagnosticá-lo rapidamente para encontrar uma solução.

Pode interessar a você...
Por que sinto um zumbido no meu ouvido? Descubra as causas e soluções
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Por que sinto um zumbido no meu ouvido? Descubra as causas e soluções

O zumbido pode ser um sintoma de alguma doença de maior cuidado, então, se ele se prolongar no tempo, devemos ir ao otorrinolaringologista



  • Stott, Carlos, Nicolás Albertz, and Cristian Aedo. “Neurinoma del acústico (schwanoma vestibular): Revisión y actualización de la literatura.” Revista de otorrinolaringología y cirugía de cabeza y cuello 68.3 (2008): 301-308.
  • Martínez-Vila, E., et al. “Ictus isquémico de causa inhabitual. Trombosis venosa cerebral. Infarto cerebral silente.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 12.70 (2019): 4108-4119.
  • Merino, Francisco Otárola, Francisco Otárola Zapata, and Andrés Finkelstein Kulka. “Ruido laboral y su impacto en salud.” Ruido Laboral 8.20 (2006): 47.
  • Potier, Morgan, et al. “The risks of amplified music for disc-jockeys working in nightclubs.” Ear and Hearing 30.2 (2009): 291-293.
  • Figueiredo, Marcelo Cardoso, et al. “Antimaláricos e Ototoxicidade.” Revista Brasileira de Reumatologia 44.3 (2004): 212-214.
  • Bates, Duane E., Steve J. Beaumont, and Barry W. Baylis. “Ototoxicity induced by gentamicin and furosemide.” Annals of Pharmacotherapy 36.3 (2002): 446-451.
  • Sepúlveda, Rodrigo A., et al. “Intoxicación por ácido acetilsalicílico, fisiopatología y manejo.” Revista médica de Chile 146.11 (2018): 1309-1316.
  • Nieto Mena, Sandra, Héctor Tiscareño, and José Luis Castellanos. “Neurofisiología y bruxismo.” Revista ADM 75.4 (2018).
  • González, Marisol Corrales, Horacio Tovalín Ahumada, and Marlene Rodríguez Martínez. “Percepción del riesgo sobre protección y pérdida auditiva en trabajadores expuestos a ruido en el trabajo.” Cienc Trab [periódico na internet] (2009): 1-4.