Síndrome de alergia oral: causas, sintomas e prevenção

A síndrome de alergia oral é um tipo de reação de hipersensibilidade devido ao consumo de alguns alimentos crus. Como ela se manifesta?
Síndrome de alergia oral: causas, sintomas e prevenção

Última atualização: 28 Outubro, 2021

As reações alérgicas são condições bastante comuns; na verdade, elas podem afetar qualquer pessoa. Geralmente ocorrem quando o corpo reconhece uma substância como prejudicial ou estranha e desencadeia uma resposta imunológica. Você já ouviu falar sobre a síndrome da alergia oral?

Essa forma de alergia tende a surgir após o consumo de algumas frutas e vegetais. Afeta principalmente crianças e adolescentes, mas também pode ocorrer em adultos. Seus sintomas são desconfortáveis, por isso é necessário evitar a ingestão de alimentos desencadeadores. Você está interessado em saber mais sobre esta condição? Descubra suas principais causas e como evitá-la.

O que é a síndrome de alergia oral?

A síndrome de alergia oral (SDO) é um tipo de alergia alimentar que ocorre imediatamente após o consumo de algumas frutas, vegetais e oleaginosas. Também é conhecida como “síndrome do pólen-alimento” devido a possíveis reações cruzadas. Em particular, a reação é causada por algumas proteínas que estão presentes nos alimentos.

Deve-se notar que a possibilidade de reação cruzada é muito alta. Uma revisão publicada no American Journal of Rhinology & Allergy afirma que entre 5 e 8% das pessoas com alergia ao pólen também têm SDO.

Além disso, acredita-se que essas pessoas tenham uma chance maior de apresentar reações mais graves, como choque anafilático.

O que é a síndrome de alergia oral?
Os sintomas da síndrome da alergia oral costumam aparecer minutos após a ingestão da fruta ou vegetal desencadeador.

Sinais e sintomas da síndrome de alergia oral

Os sintomas apresentados por pessoas com síndrome de alergia oral geralmente aparecem poucos minutos após o consumo de um alimento desencadeante. As manifestações clínicas costumam se limitar aos lábios, boca, língua e garganta.

Um dos principais sintomas é coceira ou ardência em qualquer uma das estruturas mencionadas. Outros desconfortos podem ocorrer, como os seguintes:

  • Vermelhidão dos lábios.
  • Inchaço da garganta e lábios.
  • Ardor na boca e no palato.
  • Conjuntivite e rinite alérgica.
  • Urticária.

Em alguns casos, o inchaço na garganta pode ser tão grave que torna difícil respirar. Nesta situação, procure atendimento médico imediatamente, pois pode ser um sinal de anafilaxia.

Possíveis causas e gatilhos

Os alérgenos responsáveis pelo desenvolvimento da síndrome da alergia oral são encontrados em alimentos vegetais crus, como frutas e vegetais. Na verdade, a lista de alimentos que podem causar essa condição é muito extensa.

Os alimentos que atuam como gatilhos também variam em função alergia ao pólen da pessoa afetada. Pólen de bétula, grama e tasneira costumam se destacar. Para ser mais preciso, os alimentos associados a essa alergia são os seguintes:

  • Maçãs
  • Morango
  • Melão
  • Amêndoas
  • Cenoura
  • Tomate
  • Pêssego
  • Amendoim
  • Batata
  • Nozes
  • Soja
  • Melancia

Como diferenciá-la de outras alergias?

A síndrome de alergia oral pode ser muito semelhante à alergia ao pólen e à alergia alimentar. No entanto, possui certas características que permitem diferenciá-la dessas patologias.

Primeiro, os sintomas da SDO podem aparecer em qualquer época do ano, desde que um alimento desencadeador seja consumido. Por sua vez, a alergia ao pólen ocorre em certas épocas do ano, especialmente durante a primavera e o verão.

As manifestações clínicas da síndrome de alergia oral costumam ser leves e localizadas. Em contraste, as de outras formas de alergia são mais graves e sistêmicas, o que aumenta o risco de complicações.

Finalmente, cozinhar as frutas e vegetais desencadeadores pode desnaturar os alérgenos e prevenir os sintomas. Nas alergias alimentares, elas tendem a ocorrer independentemente do grau de cozimento.

Tratamentos para a síndrome de alergia oral

Infelizmente, não existe um tratamento específico para evitar a síndrome da alergia oral. O método mais eficaz é não comer os alimentos desencadeantes. Uma boa ideia é pedir ao seu médico uma lista de alimentos a serem evitados. Desta forma, será mais fácil estabelecer uma dieta.

As pessoas podem diminuir a intensidade dos sintomas tomando anti-histamínicos. Esses medicamentos impedirão que uma substância chamada histamina atue em seus receptores. Eles são usados para acalmar os sintomas de rinite, coceira, inflamação, entre outros.

Alguns estudos mostram que a imunoterapia para a alergia ao pólen pode ser útil no tratamento da SDO. No entanto, apesar de reduzir os sintomas, não serve para curá-la completamente.

Tratamentos para a síndrome de alergia oral
A medida mais eficaz para evitar esta síndrome é não comer os alimentos que causam reação.

Como evitá-la?

A melhor maneira de prevenir a síndrome da alergia oral é evitar o consumo de frutas e vegetais que atuam como gatilhos. Apesar disso, há momentos em que parece impossível eliminar a ingestão. Mesmo assim, o ideal é colocar em prática o seguinte:

  • Cozinhe bem os alimentos para desnaturar as proteínas prejudiciais.
  • Descasque frutas e vegetais, pois os alérgenos geralmente estão concentrados na casca.
  • Evite alimentos desencadeantes na época da polinização.
  • Consuma frutas e vegetais enlatados.

Uma alergia comum com poucas complicações

A síndrome de alergia oral é um tipo comum de hipersensibilidade. Felizmente, seus sintomas são leves ou moderados na maioria dos casos. As chances de complicações são bastante baixas.

De qualquer forma, é conveniente limitar a ingestão dos alimentos que causam reação para evitar desconfortos. Se for um problema recorrente, é melhor consultar um médico.

Pode interessar a você...
Alergia, intolerância, aversão e intoxicação alimentar
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Alergia, intolerância, aversão e intoxicação alimentar

Alergia, intolerância, aversão, intoxicação alimentar... Você conhece as diferenças entre essas 4 situações? Confira neste artigo!



  • Muluk NB, Cingi C. Oral allergy syndrome. Am J Rhinol Allergy. 2018 Jan 1;32(1):27-30.
  • Kondo Y, Urisu A. Oral allergy syndrome. Allergol Int. 2009 Dec;58(4):485-91.
  • Price A, Ramachandran S, Smith GP, Stevenson ML, Pomeranz MK, Cohen DE. Oral allergy syndrome (pollen-food allergy syndrome). Dermatitis. 2015 Mar-Apr;26(2):78-88.
  • Carlson G, Coop C. Pollen food allergy syndrome (PFAS): A review of current available literature. Ann Allergy Asthma Immunol. 2019 Oct;123(4):359-365.
  • Skypala IJ. Can patients with oral allergy syndrome be at risk of anaphylaxis? Curr Opin Allergy Clin Immunol. 2020 Oct;20(5):459-464.
  • Saunders S, Platt MP. Oral allergy syndrome. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2015 Jun;23(3):230-4.