Mejor con Salud
 

8 dicas para lidar com os sintomas da alergia ao pólen

Para quem é alérgico ao pólen, o contato com a pele, olhos ou mucosa causa sintomas de diferentes intensidades. Conheça algumas dicas para lidar com esta situação.
8 dicas para lidar com os sintomas da alergia ao pólen

Com a primavera, os sintomas da alergia ao pólen pioram. O pólen é produzido pelas plantas. Trata-se de um conjunto de grãos minúsculos carregados com células fecundadoras da planta. Uma única planta é capaz de liberar milhares de grãos de pólen no ambiente.

Quando o pólen é espalhado no ar, ele se torna invisível. Milhões de pequenas partículas se espalham e entram em contato com o nosso sistema respiratório.

O contato com o sistema respiratório é a ação que produz a maior resposta. No entanto, para aqueles que sofrem de alergia ao pólen, o contato com a pele, olhos ou mucosas causa sintomas de intensidades diferentes.

Sintomas de alergia ao pólen

Entre os sintomas clássicos da alergia ao pólen estão os espirros, a coceira no nariz, coriza e olhos lacrimejantes. No entanto, também podem ocorrer doenças que podem se tornar graves, como a asma alérgica.

Com a chegada da primavera, os incômodos se tornam mais agudos devido à alta concentração de pólen no ambiente. Caso os sintomas sejam muito fortes ou incômodos, você deve consultar um alergista para que ele prescreva algum tipo de anti-histamínico ou corticosteroide tópico.

Mulher com alergia espirrando
A alergia ao pólen pode causar sintomas desconfortáveis, como nariz entupido e espirros.

8 dicas para lidar com a alergia ao pólen

Especialmente na primavera, pode ser muito útil tomar medidas simples, como evitar ficar ao ar livre, usar óculos de sol ao sair de casa e manter as janelas fechadas durante os horários com a maior concentração de pólen no ar.

A seguir, compartilhamos 8 dicas que poderão ajudá-lo a lidar com a alergia ao pólen e a prevenir os seus sintomas.

1. É melhor ficar dentro de casa

Nos dias com maior concentração de pólen e, principalmente, nos dias com vento forte, é melhor escolher atividades que você possa realizar em ambientes fechados. Se necessário, você pode usar uma máscara, de preferência umedecida.

Você também pode se interessar: Vacinas para a alergia: perguntas e respostas

2. Coma frutas e vegetais lavados

Recomenda-se consumir frutas e vegetais frescos previamente lavados. Dessa forma, os grãos de pólen que podem estar presos à sua superfície são eliminados.

Frutas e verduras
Comer frutas e vegetais frescos pode ajudar a reduzir a ocorrência dos sintomas de alergia ao pólen.

3. Horários restritos

Os intervalos entre as cinco e as dez da manhã e entre as sete e as dez da noite são aqueles que acumulam a maior concentração de pólen. Por esse motivo, reduza as atividades ao ar livre durante esse período e mantenha as janelas da sua casa fechadas.

4. Use filtros de ar para aliviar a alergia ao pólen

Você pode colocar filtros de pólen nos aparelhos de ar condicionado, tanto em casa quanto no carro. Esses filtros podem ajudar a reduzir o contato com o pólen.

É aconselhável trocá-los frequentemente para que não percam a sua eficácia. Ao viajar de carro, mantenha as janelas fechadas para impedir a entrada dos grãos de pólen.

Leia também: As 9 alergias mais comuns em crianças

5. Use óculos escuros e conheça os níveis de pólen

Ao sair, é aconselhável usar óculos escuros para que o pólen não entre em contato com os olhos. Também é interessante saber as previsões dos níveis de pólen. Alguns países dispõem de serviços que incluem um boletim polínico. Informe-se.

6. Troque de roupa

Os grãos de pólen podem ficar presos nas roupas; portanto, uma boa medida é tomar banho e trocar de roupa quando você chegar em casa. Além disso, lavar o rosto e as mãos após a exposição pode ajudar, se você não puder trocar de roupa. Da mesma forma, evite pendurar roupas do lado de fora da sua residência, especialmente quando a primavera chegar.

7. Tome precauções no jardim

Sintomas de alergia em crianças
É importante tomar medidas preventivas quando exposto a ambientes externos. Não devemos ignorar que o risco de alergias aumenta nessas configurações.

Caso você tenha um jardim, evite plantas polinizadas pelo ar. Além disso, você deve evitar atividades que possam remover partículas de pólen, como cortar a grama ou varrer o terraço.

Em caso de alergia ao pólen da grama, você também não deve se deitar no gramado. Se você vai passar a noite ao ar livre, é melhor não dormir perto de fontes de pólen alergênico, como árvores ou plantas.

8. Tratamento farmacológico

Se você estiver fazendo um tratamento específico para a alergia ao pólen, como o uso de anti-histamínicos, sempre faça isso sob supervisão médica. Além disso, não devemos nos esquecer de que o uso de vacinas é útil em muitos casos.

Você costuma sofrer de sintomas de alergia ao pólen? Certifique-se de seguir todas as dicas mencionadas. Obviamente, se o desconforto piorar ou for muito recorrente, consulte o seu médico.

Por que sou alérgico? Quais são os sintomas da alergia?

Por que sou alérgico? Quais são os sintomas da alergia?

Os alérgenos mais comuns são aqueles que atuam no nível respiratório, como o pólen ou os ácaros. Aprenda neste artigo quais os sintomas da alergia!



  • Gastaminza, G., Bartolomé, B., Bernedo, N., Uriel, O., Audícana, M. T., Echenagusia, M. a, … Muñoz, D. (2005). Alergia al polen de las oleáceas en un lugar donde no hay olivos. Alergologia e Inmunologia Clínica.
  • González, L. (2014). Alergias y el sistema inmune: una revisión desde el aula. Revista Facultad de Ciencias de La Salud UDES.
  • F, G. A. G., & A, V. M. A. (2005). Polinosis y aeroalergenos. Alergia, Asma e Inmunología Pediátricas.
  • Grewling Ł, Bogawski P, Smith M. Pollen nightmare: elevated airborne pollen levels at night. Aerobiologia (Bologna). 2016;32(4):725–728. doi:10.1007/s10453-016-9441-7
  • Sánchez-Lafuente AM, Guitián J, Medrano M, Herrera CM, Rey PJ, Cerdá X. Plant traits, environmental factors, and pollinator visitation in winter-flowering Helleborus foetidus (Ranunculaceae). Ann Bot. 2005;96(5):845–852. doi:10.1093/aob/mci236