Sinais que indicam que seu corpo precisa se desintoxicar

· 7 de março de 2017
Em certos casos, a insônia ou a falta de energia podem ser causadas por um organismo intoxicado. O mesmo acontece com os estados depressivos. Uma dieta depurativa pode nos ajudar a nos sentir melhor

Certamente você já escutou que seu corpo precisa se desintoxicar. É cada vez mais comum ouvir falar sobre os benefícios desta tarefa, mas nem sempre sabemos como, quando, ou por que deveríamos fazê-la.

desintoxicação é um processo que ajuda a melhorar a saúde geral e a reajustar o equilíbrio interno. Serve para eliminar toxinas que podem danificar nosso corpo.

Quer saber quais são os sinais que indicam que seu corpo precisa se desintoxicar?

Sinais que indicam que seu corpo precisa se desintoxicar

1. Depressão

A depressão pode ser um dos sinais que indicam que seu corpo precisa se desintoxicar

A depressão é uma das doenças mais comuns de nossa época. Se realmente não existem razões emocionais que provoquem a depressão, talvez seu corpo precise desintoxicar. O acúmulo de toxinas pode estar prejudicando o bom funcionamento do corpo e afetando o equilíbrio hormonal.

Neste caso, experimente uma rotina de sucos verdes, elimine todos os tipos de alimentos processados ​​e aumente o consumo de frutas e legumes. Se as mudanças em sua dieta não melhorarem seu estado de ânimo, visite um psicólogo.

Leia também: Dieta para a depressão: alimentos que melhoram o humor

2. Insônia

melatonina é o hormônio responsável pela regulação do sono. No entanto, um excesso de toxinas pode reduzir a quantidade de melatonina que é liberada e impedir um sono natural e relaxante.

A melhor maneira de eliminar essas toxinas é tomar sucos e saladas à base de brócolis e couve-flor. Antes de dormir você pode tomar uma infusão de camomila, canela ou uma mistura, como pêssego e canela, para relaxar e dormir antes.

3. Fadiga ou falta de energia

A fadiga ou a falta de energia podem ser um dos sinais que indicam que seu corpo precisa se desintoxicar

Uma das causas da fadiga pode ser a acumulação de histamina se não for metabolizada pela enzima diamina oxidase (DAO). Nesses casos, o melhor é favorecer os alimentos com baixo teor de histamina e evitar compensar a falta de energia com estimulantes como a cafeína e a taurina. 

4. Indigestão

Se for um problema frequente, é possível que estejam se acumulando toxinas no trato gastrointestinal, o que impede que funcione adequadamente.

A primeira recomendação é comer menos por algumas semanas. Desta forma, daremos ao nosso sistema digestivo tempo para descansar, o que fará com que funcione melhor. Além disso, o melhor seria adaptar uma alimentação saudável e natural, com alimentos ricos em fibras.

O complemento final seria alimentos probióticos, como iogurte.

Não deixe de ler: 5 pautas que deve seguir para aliviar a indigestão

5. Mau cheiro corporal

Os humanos, em geral, não são capazes de sentir o próprio cheiro a menos que esteja muito forte. Quando isto acontece é porque seu corpo precisa se desintoxicar.

O mau cheiro se deve à quantidade de toxinas acumuladas por muito tempo. Neste caso, pode-se reduzir o cheiro comendo menos produtos de origem animal, principalmente carnes.

Preste atenção ao seu corpo quando precisar desintoxicar

Às vezes ignoramos os sinais de alerta que nosso corpo nos envia. Recomendamos que você preste atenção aos indicativos que acabamos de mencionar e que aja com consciência.

Desintoxicar seu organismo é uma forma simples, rápida e econômica de se manter saudável.

  • Xevi Verdaguer. (n.d.). La interacción de los alimentos y la histamina (actualizado) - Xevi Verdaguer. Retrieved December 2, 2018, from https://www.xeviverdaguer.com/es/la-interaccion-de-los-alimentos-y-la-histamina-actualizado/
  • Tratamientos de dolores musculares y fatiga con dietas bajas en histamina. (n.d.). Retrieved December 2, 2018, from http://www.adrianaduelo.com/sintomas-y-tratamientos/dolores-musculares-fatiga/
  • Melatonina - familydoctor.org. (n.d.). Retrieved December 2, 2018, from https://es.familydoctor.org/melatonina/
  • Anzures, M., Kassab, J., & Alvarado, R. (2010). Manifestaciones clínicas y diferenciación de los tipos de insomnio. Arch Neurocien (Mex), 15(3), 171–178. Retrieved from http://www.medigraphic.com/pdfs/arcneu/ane-2010/ane103h.pdf
  • López Ibor, M. I. (2007). Ansiedad y depresión, reacciones emocionales frente a la enfermedad. Anales de Medicina Interna, 24(5), 209–211. Retrieved from http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0212-71992007000500001