Sexo após uma histerectomia

28 Junho, 2020
Embora a histerectomia possa ter efeitos negativos na vida sexual da mulher, esse problema pode ser superado. Além disso, devemos ter em mente que também há benefícios que podem até melhorar as relações sexuais.
 

O sexo pode não voltar a ser o mesmo imediatamente após uma histerectomia. A operação cirúrgica pode provocar efeitos físicos e psicológicos. Por isso, é fundamental contar com o apoio do seu parceiro para enfrentar esta nova etapa.

Histerectomia

A histerectomia é uma intervenção cirúrgica na qual o útero ou parte dele é removido. Em alguns casos, os ovários ou trompas de Falópio também podem ser removidos. Dependendo dos órgãos afetados, as sequelas físicas da histerectomia podem ser diversas. Entre elas:

  • Menopausa, se os ovários forem removidos.
  • Infertilidade, em caso de remoção do útero.
  • Incontinência urináriaA morfologia da região pélvica é alterada após a operação. Assim, se não forem realizados exercícios de fortalecimento do assoalho pélvico, a incontinência pode ser uma consequência.
  • Secura vaginal, especialmente em caso de remoção dos ovários.
Consulta com ginecologista
As mulheres podem sofrer muitas mudanças após uma histerectomia, tanto físicas quanto psicológicas.

No entanto, não surpreendentemente, a remoção de uma parte tão importante do sistema reprodutivo também pode causar consequências psicológicas nas mulheres. De fato, a infertilidade ou a menopausa precoce podem levar à diminuição da autoestima , incluindo a depressão.

 

Por outro lado, se a mulher ainda está em idade fértil, esses sentimentos podem ser ainda mais agudos.

O sexo após uma histerectomia

Os efeitos físicos e psicológicos de uma histerectomia podem ter consequências negativas que afetam seriamente a vida sexual. 

No entanto, com a ajuda e compreensão do parceiro, o esforço de recuperação e o aconselhamento de um especialista, não há razão para pensar que a vida sexual também foi removida durante a intervenção. Pelo contrário, o sexo pode ser um prazer novamente.

Vamos ver as principais consequências da histerectomia na vida sexual e como elas podem ser superadas:

Dispareunia ou dor durante a relação sexual

Sexo após uma histerectomia
Inicialmente, a mulher pode sentir dor durante as relações sexuais. Portanto, é hora de descobrir novos prazeres.

Cerca de seis ou oito semanas após a intervenção, as relações sexuais podem ser retomadas. No entanto, a mulher poderá sentir dor (dispareunia) durante o sexo. Os motivos podem ser muitos: falta de lubrificação natural ou encurtamento da vagina (dependendo do método de histerectomia aplicado), entre outros.

Os lubrificantes podem ser usados para facilitar a penetração e combater a falta de lubrificação natural. Além disso, devemos sempre ter em mente que o objetivo do sexo não é necessariamente apenas a penetração.

 

Então, talvez seja hora de se concentrar em outros aspectos igualmente agradáveis ​​do sexo e experimentar coisas novas. Com o seu parceiro, você pode descobrir outras formas de prazer até que a penetração seja possível sem causar dor.

Você pode se interessar: 3 problemas sexuais femininos e o que fazer para combatê-los

Diminuição do prazer sexual

Muitas mulheres relatam uma diminuição da sensação de prazer sexual após uma histerectomia. Como o útero não está mais lá, o orgasmo cervico-uterino não é mais possível. No entanto, isso não significa que uma mulher que tenha sido submetida a uma histerectomia não seja capaz de experimentar um orgasmo novamente.

Pelo contrário, é hora de descobrir, como dissemos, que o sexo é muito mais do que a penetração. É hora de focar no clitóris e aproveitar a intensidade do orgasmo clitoriano.

É hora de descobrir as preliminares, o vínculo pessoal, as carícias e os beijos, as zonas erógenas de cada umoutros tipos de orgasmo igualmente agradáveis.

Recomendamos que você leia: 5 tipos de orgasmos e como alcançá-los

Diminuição do desejo sexual

Vida sexual do casal
Devemos nos concentrar em enfrentar esta nova etapa que pode levar a uma nova vida sexual mais despreocupada e agradável.

Entre as consequências psicológicas da histerectomia está o desejo sexual diminuído. É lógico, e claro, que as alterações hormonais afetam a libido, e algumas mulheres consideram erroneamente que sua feminilidade diminuiu após a operação. Elas podem até experimentar sintomas de depressão e baixa autoestima.

 

No entanto, com apoio e esforço e, se necessário, terapia, esses problemas podem ser totalmente superados. Além disso, não precisamos nos concentrar apenas nos pontos negativos da histerectomia. Afinal, esse procedimento é uma indicação médica cujo objetivo é evitar males piores (como o câncer, por exemplo).

Da mesma forma, a histerectomia pode acabar com a dor que existia anteriormente, permitindo relações sexuais indolores e satisfatórias. Ou seja, a vida sexual pode até melhorar após a operação. Conforme indicado em um estudo sobre os efeitos da histerectomia na função sexual:

“A histerectomia elimina problemas de sangramento, dor durante a relação sexual e problemas relacionados à contracepção, o que poderia contribuir para uma melhor qualidade de vida e função sexual”.

Conclusão sobre o sexo após uma histerectomia

As relações íntimas não terminam com a remoção do útero ou de outros órgãos, mas tudo isso inicia uma nova etapa que, vista a partir de uma perspectiva positiva, pode levar a uma vida sexual ainda mais despreocupada e agradável.

Além disso, sexo não é apenas penetração ou reprodução. O sexo é uma necessidade e um prazer do casal, que pode superar problemas juntos, reforçando o vínculo e descobrindo e experimentando novas formas de prazer.

Por fim, uma histerectomia não envolve a remoção da feminilidade ou do desejo sexual. Nesse sentido, dedicar tempo, descobrir a si mesma e contar com o apoio do parceiro são aspectos fundamentais para retomar uma vida sexual ativa e agradável.

 
  • Dumoulin, C., Cacciari, L. P., & Hay-Smith, E. (2018). Pelvic floor muscle training versus no treatment, or inactive control treatments, for urinary incontinence in women. The Cochrane Database of Systematic Reviews, 10(10), CD005654. https://doi.org/10.1002/14651858.CD005654.pub4
  • Froeding, L. P., Ottosen, C., Rung‐Hansen, H., Svane, D., Mosgaard, B. J., & Jensen, P. T. (2014). Sexual Functioning and Vaginal Changes after Radical Vaginal Trachelectomy in Early Stage Cervical Cancer Patients: A Longitudinal Study. The Journal of Sexual Medicine, 11(2), 595–604. https://doi.org/10.1111/jsm.12399
  • Huang, G., Basaria, S., Travison, T. G., Ho, M. H., Davda, M., Mazer, N. A., Miciek, R., Knapp, P. E., Zhang, A., Collins, L., Ursino, M., Appleman, E., Dzekov, C., Stroh, H., Ouellette, M., Rundell, T., Baby, M., Bhatia, N. N., Khorram, O., Friedman, T., … Bhasin, S. (2014). Testosterone dose-response relationships in hysterectomized women with or without oophorectomy: effects on sexual function, body composition, muscle performance and physical function in a randomized trial. Menopause (New York, N.Y.)21(6), 612–623. https://doi.org/10.1097/GME.0000000000000093; texto completo
  • Lonnée-Hoffmann, R., & Pinas, I. (2014). Effects of Hysterectomy on Sexual Function. Current Sexual Health Reports6(4), 244–251. https://doi.org/10.1007/s11930-014-0029-3
  • Wilson, L., Pandeya, N., Byles, J., & Mishra, G. (2018). Hysterectomy and incidence of depressive symptoms in midlife women: the Australian Longitudinal Study on Women’s Health. Epidemiology and Psychiatric Sciences27(4), 381–392. https://doi.org/10.1017/S2045796016001220; texto completo
  • Ye, S., Yang, J., Cao, D., Zhu, L., Lang, J., Chuang, L. T., & Shen, K. (2014). Quality of Life and Sexual Function of Patients Following Radical Hysterectomy and Vaginal Extension. The Journal of Sexual Medicine, 11(5), 1334–1342. https://doi.org/10.1111/jsm.12498