Quais são as complicações da roséola e como evitá-la?

25 Julho, 2020
A roséola é uma doença contagiosa caracterizada por febre alta e uma erupção cutânea que se desenvolve à medida que a febre diminui.
 

A roséola é uma doença viral que afeta principalmente crianças pequenas, entre 6 meses e dois anos de idade. É uma doença contagiosa caracterizada por febre alta e uma erupção cutânea que se desenvolve à medida que a febre diminui.

Também é conhecida como exantema súbito ou roséola infantil.

Sinais e sintomas de roséola

Roséola na pele

Quando uma criança está com alguém que tem roséola e é infectada pelo vírus, geralmente leva uma semana ou duas para que os sintomas da infecção apareçam. É possível se infectar com roséola e apresentar sinais e sintomas leves demais para serem facilmente percebidos.

Alguns sintomas podem ser:

Febre

A febre da roséola dura de 3 a 7 dias e é seguida por uma erupção cutânea que dura de várias horas a vários dias. A roséola costuma começar com uma febre alta repentina, geralmente superior a 39,4° C.

 

Durante ou antes da febre, algumas crianças também podem ter uma leve dor de garganta, coriza ou tosse. Além da febre, seu filho também pode ter linfonodos inchados no pescoço.

Leia também: Como baixar a febre sem medicamentos

Erupção cutânea

Geralmente, mas nem sempre, uma erupção cutânea aparece quando a febre desaparece. A erupção cutânea consiste em muitas manchas ou pequenas pintas cor-de-rosa. Essas pintas costumam ser planas, mas algumas podem ser elevadas.

Normalmente, a erupção cutânea aparece no peito, costas e abdômen, e depois se espalha para o pescoço e para os braços. Às vezes, pode atingir as pernas e o rosto.

A erupção cutânea, que não causa coceira ou desconforto, pode durar de várias horas a vários dias antes de desaparecer. Outros sinais e sintomas podem incluir :

  • Irritabilidade em bebês e crianças
  • Diarreia leve
  • Diminuição do apetite
  • Pálpebras inchadas

A roséola pode ser evitada?

Doenças infantis

 

A roséola é contagiosa. A infecção se espalha quando uma criança com roséola fala, espirra ou tosse, expelindo gotículas infectadas no ar que outras pessoas podem inspirar.

As gotículas também podem acabar se depositando nas superfícies do ambiente, de modo que, se outras pessoas tocarem essas superfícies e tocarem a boca ou o nariz, elas podem ser contagiadas.

Esta doença pode ser contagiosa durante a fase de febre alta, mas deixa de ser contagiosa quando a erupção cutânea se estabelece. Não há como prevenir a roséola.

Porém, como afeta muito mais as crianças do que os adultos, acredita-se que um episódio de roséola na infância possa proporcionar alguma imunidade duradoura contra essa doença. Pode ser contraída várias vezes, mas isso não é comum.

Como é feito o diagnóstico da roséola?

Para fazer o diagnóstico, o médico irá analisar o histórico médico do paciente. Um diagnóstico dessa patologia geralmente não é claro até que a febre diminua e a erupção cutânea apareçaNesse momento, o médico pode solicitar exames para garantir que a febre não seja causada por outro tipo de infecção.

A maioria dos tratamentos se concentra em diminuir a febre alta. Antibióticos não funcionam para tratá-la, porque esta doença é causada por vírus, e não por bactérias.

Você pode se interessar: 6 receitas caseiras para tratar a dermatite de contato

Principais complicações da roséola

febre alta
 

Algumas das complicações que podem aparecer são:

Convulsões em crianças

Às vezes, uma criança com roséola pode ter uma convulsão causada por um rápido aumento da temperatura corporal. Se isso acontecer, a criança pode perder a consciência e sacudir repentinamente o corpo. Ela também pode perder temporariamente o controle da bexiga ou do intestino.

As convulsões relacionadas à febre em crianças saudáveis ​​costumam ser de curta duração e, em alguns casos, podem ser prejudiciais. As complicações da roséola são raras. A grande maioria das crianças e adultos saudáveis ​​com roséola se recupera de forma completa e rapidamente.

Sistema imunológico enfraquecido

Pessoas com sistema imunológico enfraquecido podem ter um novo caso de roséola ou re-desenvolver uma infecção anterior. Por serem menos resistentes aos vírus em geral, tendem a desenvolver casos mais graves de infecção, o que dificulta o combate à doença.

 
  • Loo, M. (2009). Roseola. In Integrative Medicine for Children. https://doi.org/10.1016/b978-141602299-2.10054-4

  • Craddock, D. (1955). Roseola Infantum. British Medical Journal. https://doi.org/10.1136/bmj.1.4923.1219-a

  • Meade, R. H. (1989). Exanthem subitum (Roseola infantum). Clinics in Dermatology. https://doi.org/10.1016/0738-081X(89)90032-1