Erupção cutânea em bebês: como combatê-la

As erupções podem aparecer em bebês por uma reação do corpo diante do contato com agentes alérgenos do ambiente. No entanto, quase sempre você pode controlar em casa com hábitos simples.
Erupção cutânea em bebês: como combatê-la

Última atualização: 16 Maio, 2021

A erupção cutânea em bebês são passageiras e fazem a pele parecer inflamada com uma cor avermelhada. É um sintoma frequente que muitas vezes costuma causar preocupação entre os pais, embora na maioria dos casos não representem algo sério.

Às vezes, elas se manifestam na forma de pequenas espinhas ou urticária, semelhantes às que ocorrem devido à dermatite ou eritemas. São mais frequentes logo após o nascimento, já que a pele do recém-nascido começa um processo de adaptação ao ambiente.

Porém, não devem passar desapercebidas, pois algumas vezes são o sintoma de intolerâncias ou de doenças que exigem um maior cuidado. Portanto, se elas forem recorrentes, ou se estiverem infectadas, é melhor procurar ao médico para determinar a causa.

Mas antes de ativar os alertas, nós te convidamos a repassar algumas das causas comuns e várias estratégias para controlar as erupções em casa. Tome nota!

Causas da erupção cutânea em bebês

Erupção cutânea em bebês

Há muitos fatores que podem influenciar no surgimento de erupções cutâneas em bebês. Embora às vezes seja causada por uma doença de pele, a maioria dos casos é leve, produto de uma reação do corpo diante de alérgenos ou falta de nutrientes. Seus disparadores possíveis são:

  • Calor excessivo.
  • Irritação, raiva ou ansiedade.
  • Intolerâncias alimentares.
  • Falta de alguns nutrientes.
  • Esfregue com material de fralda.
  • Uso de vestimentas com materiais sintéticos.
  • Exposição da pele ao cloro em piscinas.
  • Introdução prematura de alimentos na dieta do bebê.
  • Contato com produtos químicos como sabonetes, perfumes e xampu.

Sintomas da erupção cutânea em bebês

Pequenas alterações da cor em várias regiões do corpo são os sinais mais evidentes de erupções cutâneas em bebês. No entanto, outros sintomas podem, também, ser observados:

  • Pele seca e avermelhada.
  • Pequenas bolhas ou urticária.
  • Coceira e descamação da pele.
  • Pele mais espessa (em caso de dermatite).
  • Pele quente ao toque ou febre moderada.

Dicas para combater a erupção cutânea em bebês

Na maioria dos casos não é necessário ir à emergência pediátricas por erupções em bebês. Na verdade, é possível que as erupções na pele do bebê não estejam acompanhadas de outros sintomas. Portanto, se o seu filho apresentar um caso leve, a aplicação das seguintes dicas pode ajudar em seu controle:

Uso de cremes ou pós pediátricos

Na farmácia, pode-se adquirir cremes e pós pediátricos de uso tópico que ajudam a diminuir as pequenas bolhas e a vermelhidão causadas pelas erupções cutâneas. É importante perguntar ao pediatra se é seguro para uso em recém-nascidos.

  • Ainda, é melhor fazer um teste localizado antes para descartar reações secundárias.

Coloque roupas de algodão

Cremes e pós pediátricos para uso tópico podem ser adquiridos na farmácia para ajudar a reduzir a urticária e a vermelhidão causadas por erupções cutâneas. É importante perguntar ao seu farmacêutico se é seguro utilizá-los em recém-nascidos.

  • Da mesma forma, devemos fazer um teste localizado antes para descartar reações secundárias.

Usar roupas de algodão

Roupas de bebê feitas de materiais sintéticos podem causar alergias na pele. Portanto, para controlar seus sintomas, é melhor usar algodão ou outros tecidos naturais.

  • As roupas feitas com esses materiais são mais respiráveis ​​e evitam o sufocamento com o calor.

Banhos com água morna

Às vezes, as erupções cutâneas em bebês são acompanhadas por desconfortos evidentes tais como, por exemplo, inquietação ou choro. Se este for o caso, um banho com água morna e sabão neutro pode ser benéfico.

  • Isso permite refrescar ao pequeno para aliviar a sensação de calor e a coceira.

Evite fraldas descartáveis

Os materiais usados ​​para fazer fraldas descartáveis são responsáveis ​​por doenças como a dermatite. À medida que se esfregam na pele e acumulam umidade, deixam a pele vermelha e coçam.

  • Para evitá-las, opções ecológicas como as clássicas fraldas de pano podem ser utilizadas.
  • A dermatite da fralda é um dos problemas mais comuns em recém-nascidos e bebês.

Banhos com água morna

Às vezes, as erupções cutâneas no bebê são acompanhadas por um desconforto óbvio, como agitação ou choro. Nesse caso, um banho com água morna e sabão neutro pode ser benéfico.

  • Isso permite resfriar o pequeno para acalmar a sensação de calor e coceira.

Aleitamento

A lactância ajuda a prevenir a erupção cutânea em bebês

A alimentação materna é essencial para fortalecer o sistema imunológico do bebê. Por esta razão, quando ele não recebe esta alimentação durante os primeiros seis meses de vida, a criança fica mais vulnerável a ter alergias, problemas de pele e infecções.

Aplicação de água de camomila

Um dos remédios tradicionais para reduzir as erupções cutâneas em bebês é a água de camomila. Devido às suas propriedades anti-inflamatórias e refrescantes, este tônico diminui as erupções.

  • O ideal é aplicá-la com um pano limpo e macio sobre as áreas afetadas.

Evite ambientes tensos

Embora muitos pais negligenciem, os bebês sofrem efeitos quando expostos a ambientes familiares estressantes. Na verdade, as erupções na sua pele podem ser o resultado de estresse e ansiedade.

Você notou algum sinal de erupção cutânea em seu bebê? Siga todas essas dicas e evite outros desconfortos. No entanto, se você notar que o seu filho continua inquieto ou se sua temperatura aumenta, consulte um médico.

Pode interessar a você...
As 10 alergias mais comuns da pele
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
As 10 alergias mais comuns da pele

As erupções cutâneas na pele são um sinal de alergia. Saiba mais como identificar as dez alergias mais comuns e tratá-las antes que se tornem um pr...



  • C. Ribes Bautista, F. A. Moraga Llop, “Recién nacido: lesiones cutáneas benignas transitorias”, Documento en web de la Asociación Española de Pediatría.
  • Carrascosa JM, Ferrándiz C. “Dermatosis neonatales transitorias”, Piel 1996; 11:478-85.
  • Moraga Llop FA. Lesiones benignas y transitorias de la piel del recién nacido. La dermatología y el pediatra. Ed. Ergón: Barcelona 1997; 3-20.
  • Rutter N. “The newborn skin”, Semin Neonatol 2000;5: 271, 281-7 y 297-302.
    Verbov J. “Common skin conditions in the newborn”, Semin Neonatol 2000; 5:303-10