3 recomendações para reduzir os níveis de cortisol

Existem maneiras naturais de reduzir os níveis de cortisol, e todas elas têm a ver com um estilo de vida saudável. O corpo e a mente estão intimamente relacionados, por isso estas medidas envolvem tanto o bem-estar físico quanto o mental.

Última atualização: 02 Fevereiro, 2021

O estresse se tornou um companheiro comum para um grande número de pessoas no mundo. Por isso, muitos procuram métodos para reduzir os níveis de cortisol, esperando conseguir fazer isso de uma forma natural. Este é o famoso hormônio do estresse, e sua presença excessiva no corpo tem consequências negativas.

Para baixar o cortisol, existem meios que vão desde medicamentos psiquiátricos até produtos comerciais sem qualquer respaldo científico. A verdade é que um estilo de vida saudável é a melhor forma de prevenir o estresse, conforme explicaremos a seguir.

Alguns fatos sobre o cortisol

O cortisol é um hormônio secretado pelas glândulas suprarrenais  e sua função é preparar o corpo para situações de perigo ou ameaça. Faz parte do instinto de sobrevivência e, portanto, em princípio, gera efeitos saudáveis ​​e positivos.

Graças à esta substância, uma pessoa se ativa e se concentra física e mentalmente para vencer as tarefas diárias. Ela ajuda na adaptação às mudanças e contribui para regular a pressão arterial e os níveis de adrenalina. Também estimula a boa digestão, o controle da insulina, e é um anti-inflamatório natural.

Portanto, o problema não está no hormônio em si, mas em sua secreção em excesso e por muito tempo. O estresse faz com que isso aconteça, o que dá origem a um estado de ansiedade contínua, com múltiplas consequências para o organismo. 

As glândulas suprarrenais são responsáveis ​​pela produção de cortisol.

3 recomendações para reduzir os níveis de cortisol

Compartilhamos 3 recomendações para reduzir os níveis de cortisol que se baseiam em hábitos saudáveis ​​e diários que não nos custam dinheiro, mas organização. Essas são as formas mais naturais de mitigar os efeitos nocivos deste hormônio. Descubra-as!

1. Dieta adequada 

A alimentação é um dos meios mais adequados para reduzir os níveis de cortisol. Assim como existem alimentos que aumentam o nervosismo ou o estresse, também existem alimentos que causam o efeito oposto. As recomendações mais comuns são as seguintes:

  • Eliminar ou minimizar a ingestão de cafeína: esta não é encontrada apenas no café, mas também em bebidas como chás e no chocolate amargo. Esta substância aumenta os níveis de cortisol.
  • Evitar açúcar e carboidratos refinados:evidências científicas  de que esses produtos estão associados a vários transtornos mentais.
  • Hidratação adequada: a desidratação aumenta a tensão no corpo, o que causa estresse e, portanto, eleva o nível de cortisol.
  • Comer alimentos ricos em fenilalanina: essa substância está presente em vários alimentos proteicos, como as carnes vermelhas, os peixes, os ovos, os laticínios e alguns grãos integrais. Ela promove a secreção de dopamina, o que reduz o desejo por açúcar e carboidratos.
  • Aumentar o consumo de outros alimentos favoráveis: para diminuir o cortisol, é aconselhável consumir com frequência alimentos ricos em vitamina C e ácidos graxos ômega 3. O uso de suplementos artificiais deve ser consultado com o médico.

Você também pode estar interessado em: Transtorno de estresse pós-traumático: sintomas, causas e tratamento

2. Sono, relaxamento e exercícios

A atividade física e o repouso também são formas de reduzir o cortisol. Um estilo de vida saudável pressupõe um equilíbrio adequado entre movimento e repouso. As recomendações são muito simples:

  • Boa higiene do sono: ter um sono deficiente afeta a saúde física e mental. Entre os efeitos negativos está o aumento do cortisol.
  • Praticar exercícios regularmente: a atividade física faz com que a dopamina e a serotonina sejam liberadas no cérebro. Isso ajuda a diminuir o cortisol. Treinos exigentes não são necessários; uma caminhada diária de meia hora é suficiente.
  • Técnicas de relaxamento: as práticas de relaxamento são formas ideais de reduzir os níveis de estresse. A respiração profunda, o tai chi e a meditação transcendental fazem parte delas.

3. Organizar e regular as atividades e a mente

Uma das principais causas do estresse é a má organização do tempo. Idealmente, uma pessoa pode realizar suas atividades diárias sem pressa, deixando espaço para as pausas e o descanso adequado.

Outra fonte comum de estresse são os relacionamentos ruins com outras pessoas. Os conflitos frequentes e os atritos contínuos causam tensões que afetam o humor. O melhor é refletir e encontrar maneiras de resolver esses problemas, ou fugir da sua origem.

Às vezes o estresse parece não ter uma causa definida. Surge diante de pequenas ou poucas dificuldades relevantes. Nesse caso, é possível que a causa seja mais profunda e decorra de experiências que não foram assimiladas. O indicado nessas situações é procurar ajuda psicológica.

O estresse diário de uma rotina mal organizada pode levar a um aumento dos níveis de cortisol.

Saiba mais: Diferenças entre a fome real e a ansiedade por comida. Descubra-as!

Reduzir os níveis de cortisol é fundamental para ter um estilo de vida saudável

O cortisol elevado influencia negativamente a qualidade de vida. Esta substância tem um efeito negativo sobre o sono, o humor e o desempenho pessoal. Por isso é tão importante reduzir seus níveis, e a melhor forma de fazê-lo e prevenir que aumentem é adotando hábitos saudáveis.

Você pode colocar em prática as recomendações que fornecemos aqui. Faça isso aos poucos para não gerar expectativas que não podem ser alcançadas. Cada passo conta e nos aproxima do equilíbrio.

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Remédios naturais contra o cortisol alto

O cortisol é um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais. É uma resposta ao estresse e à existência de um baixo nível de glicocorticoides no sangue.



  • González-Albarrán, O., Fraile, J., & Robles, R. G. (2000). Fisiología de las glándulas suprarrenales. Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado, 8(21), 1097-1101.
  • Knüppel, A. (2017, 27 julio). Sugar intake from sweet food and beverages, common mental disorder and depression: prospective findings from the Whitehall II study. Scientific Reports. https://www.nature.com/articles/s41598-017-05649-7?error=cookies_not_supported&code=358bdb70-78d9-46f8-8407-cc1f1c5b1dd2
  • Magnusson, J., Werner, O., Carlsson, C., Norden, N., & Pettersson, K. I. (1983). METOPROLOL, FENTANYL AND STRESS RESPONSES TO MICROLARYNGOSCOPY: Effects on arterial pressure, heart rate and plasma concentrations of catecholamines, ACTH and cortisol. British journal of anaesthesia, 55(5), 405-414.
  • Celaya, Sergio Matito. Efecto de la ingesta de cereales enriquecidos con triptófano sobre el sueño, melatonina, serotonina, cortisol y estado antioxidante en personas mayores. Diss. Universidad de Extremadura, 2015.
  • Morán, Grégory Alfonso García, et al. “Aspectos bioclínicos y patobiológicos de la vitamina C en la especie humana.” CES Medicina 20.2 (2006): 53-72.
  • Acosta, José María. “Uso eficaz del tiempo cómo alcanzar el éxito sin estrés.” (2001).
  • Román, Pedro Ángel Latorre, et al. “Dependencia al ejercicio físico e insatisfacción corporal en diferentes deportes de resistencia y su relación con la motivación al deporte.” Revista de psicología del deporte 25.1 (2016): 113-120.
  • Sandín, Bonifacio. “El estrés: un análisis basado en el papel de los factores sociales.” International Journal of clinical and health psychology 3.1 (2003): 141-157.